Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Narciso acha feio o que não é espelho

Narciso acha feio o que não é espelho

10/09/2016 Marcelo Mourão

O amor-próprio, agora agigantado de forma assustadora, tornou-se o amor cego de um Narciso pós-moderno.

Num mundo em que a solidão e o vazio interior parecem ser cada vez mais presentes, os seres humanos seguem imaginando que a não manutenção de relações estáveis e duradouras será a grande solução para o labirinto da existência.

Puro engano. A já tão comum prática do troca-troca sentimental e relacional, ao que tudo indica, acaba mesmo agindo justamente ao contrário, ou seja, não como uma solução, mas como uma causadora e mantenedora destas solidões e vazios, que parecem multiplicarem-se feito epidemia.

Assim como trocamos de roupas, de carro, de eletrodomésticos, começamos também a mudar constantemente de ideias, sonhos, projetos e, principalmente, de amigos e amores. Há até os que são mais radicais e chegam a deletar parentes de suas vidas.

Aos poucos, foi se consolidando a “cultura do descarte”, na qual não só os bens materiais, mas também os “bens” tidos - em outros tempos - como sólidos e essenciais, são defenestrados: amizades, amores e relações de consanguinidade; enfim, tudo pode ir parar no lixo, sem dificuldades.

Está nítido que trouxemos para o campo afetivo as práticas que, antes, ditavam o mundo do consumo e do capitalismo como um todo. Por um lado, se algo mostra ter defeitos, ao invés de consertar, trocamos por outro algo novinho em folha.

Por outro lado, outra característica da sociedade do Capital, que passou também do campo econômico para o afetivo e relacional, foi a questão acumulativa. Hoje em dia, bom mesmo é ser rico, ostentar grandeza e quantidade.

Ter cinco mil amigos no Facebook, mesmo que só conheçamos uns cem deles. Deu problema com algum? É só deletar e, na maioria das vezes, bloquear. Pronto. Resolvido o problema bem rápido e sem maiores complicações.

Infelizmente, a nossa sociedade moderna não liga mais para a qualidade, mas sim para a tão “deliciosa” e ambicionada quantidade. Ou seja, quanto mais relacionamentos tivermos, melhor. Quanto mais dinheiro tivermos, melhor também.

Quanto mais tudo, melhor parecerá ser o meu mundo. Não é à toa que percebemos tão claramente, em nossos dias, o egocentrismo, o narcisismo, a egolatria e os egoísmos se multiplicarem tão assustadoramente. Fica claro que tudo isso faz parte de um processo de constante busca da autoafirmação e da autossatisfação.

O atual sistema de rotatividade, de inclusão e exclusão constantes nas relações afetivas, se coloca cada vez mais contra a potência unificadora do amor, o Eros teorizado por Freud. O amor-próprio, agora agigantado de forma assustadora, tornou-se o amor cego de um Narciso pós-moderno.

Cego este que só enxerga a si mesmo, mas que, tal qual o mito grego, afoga-se por não querer a ajuda de qualquer salva-vidas que haja ao seu redor.

* Marcel Mourão é pós-graduado em Literaturas de língua portuguesa, poeta, escritor, crítico literário e produtor cultural.



A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.


STF e o inquérito do fim do mundo

Assim que o presidente da Suprema Corte determinou a abertura do inquérito criminal para apurar ameaças, fake news contra aquele sodalício, nomeando um dos ministros da alta corte para instaurá-lo, de ofício, com base no artigo 43 do Regimento Interno, não vi nenhuma ilegalidade.


As décadas de 20

A mais agitada década de vinte de todas foi a do século XX.