Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Narciso acha feio o que não é espelho

Narciso acha feio o que não é espelho

10/09/2016 Marcelo Mourão

O amor-próprio, agora agigantado de forma assustadora, tornou-se o amor cego de um Narciso pós-moderno.

Num mundo em que a solidão e o vazio interior parecem ser cada vez mais presentes, os seres humanos seguem imaginando que a não manutenção de relações estáveis e duradouras será a grande solução para o labirinto da existência.

Puro engano. A já tão comum prática do troca-troca sentimental e relacional, ao que tudo indica, acaba mesmo agindo justamente ao contrário, ou seja, não como uma solução, mas como uma causadora e mantenedora destas solidões e vazios, que parecem multiplicarem-se feito epidemia.

Assim como trocamos de roupas, de carro, de eletrodomésticos, começamos também a mudar constantemente de ideias, sonhos, projetos e, principalmente, de amigos e amores. Há até os que são mais radicais e chegam a deletar parentes de suas vidas.

Aos poucos, foi se consolidando a “cultura do descarte”, na qual não só os bens materiais, mas também os “bens” tidos - em outros tempos - como sólidos e essenciais, são defenestrados: amizades, amores e relações de consanguinidade; enfim, tudo pode ir parar no lixo, sem dificuldades.

Está nítido que trouxemos para o campo afetivo as práticas que, antes, ditavam o mundo do consumo e do capitalismo como um todo. Por um lado, se algo mostra ter defeitos, ao invés de consertar, trocamos por outro algo novinho em folha.

Por outro lado, outra característica da sociedade do Capital, que passou também do campo econômico para o afetivo e relacional, foi a questão acumulativa. Hoje em dia, bom mesmo é ser rico, ostentar grandeza e quantidade.

Ter cinco mil amigos no Facebook, mesmo que só conheçamos uns cem deles. Deu problema com algum? É só deletar e, na maioria das vezes, bloquear. Pronto. Resolvido o problema bem rápido e sem maiores complicações.

Infelizmente, a nossa sociedade moderna não liga mais para a qualidade, mas sim para a tão “deliciosa” e ambicionada quantidade. Ou seja, quanto mais relacionamentos tivermos, melhor. Quanto mais dinheiro tivermos, melhor também.

Quanto mais tudo, melhor parecerá ser o meu mundo. Não é à toa que percebemos tão claramente, em nossos dias, o egocentrismo, o narcisismo, a egolatria e os egoísmos se multiplicarem tão assustadoramente. Fica claro que tudo isso faz parte de um processo de constante busca da autoafirmação e da autossatisfação.

O atual sistema de rotatividade, de inclusão e exclusão constantes nas relações afetivas, se coloca cada vez mais contra a potência unificadora do amor, o Eros teorizado por Freud. O amor-próprio, agora agigantado de forma assustadora, tornou-se o amor cego de um Narciso pós-moderno.

Cego este que só enxerga a si mesmo, mas que, tal qual o mito grego, afoga-se por não querer a ajuda de qualquer salva-vidas que haja ao seu redor.

* Marcel Mourão é pós-graduado em Literaturas de língua portuguesa, poeta, escritor, crítico literário e produtor cultural.



8 de janeiro

Venho aqui versar a defesa Dos patriotas do “mal”

Autor: Bady Curi Neto


Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan