Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Narciso acha feio o que não é espelho

Narciso acha feio o que não é espelho

10/09/2016 Marcelo Mourão

O amor-próprio, agora agigantado de forma assustadora, tornou-se o amor cego de um Narciso pós-moderno.

Num mundo em que a solidão e o vazio interior parecem ser cada vez mais presentes, os seres humanos seguem imaginando que a não manutenção de relações estáveis e duradouras será a grande solução para o labirinto da existência.

Puro engano. A já tão comum prática do troca-troca sentimental e relacional, ao que tudo indica, acaba mesmo agindo justamente ao contrário, ou seja, não como uma solução, mas como uma causadora e mantenedora destas solidões e vazios, que parecem multiplicarem-se feito epidemia.

Assim como trocamos de roupas, de carro, de eletrodomésticos, começamos também a mudar constantemente de ideias, sonhos, projetos e, principalmente, de amigos e amores. Há até os que são mais radicais e chegam a deletar parentes de suas vidas.

Aos poucos, foi se consolidando a “cultura do descarte”, na qual não só os bens materiais, mas também os “bens” tidos - em outros tempos - como sólidos e essenciais, são defenestrados: amizades, amores e relações de consanguinidade; enfim, tudo pode ir parar no lixo, sem dificuldades.

Está nítido que trouxemos para o campo afetivo as práticas que, antes, ditavam o mundo do consumo e do capitalismo como um todo. Por um lado, se algo mostra ter defeitos, ao invés de consertar, trocamos por outro algo novinho em folha.

Por outro lado, outra característica da sociedade do Capital, que passou também do campo econômico para o afetivo e relacional, foi a questão acumulativa. Hoje em dia, bom mesmo é ser rico, ostentar grandeza e quantidade.

Ter cinco mil amigos no Facebook, mesmo que só conheçamos uns cem deles. Deu problema com algum? É só deletar e, na maioria das vezes, bloquear. Pronto. Resolvido o problema bem rápido e sem maiores complicações.

Infelizmente, a nossa sociedade moderna não liga mais para a qualidade, mas sim para a tão “deliciosa” e ambicionada quantidade. Ou seja, quanto mais relacionamentos tivermos, melhor. Quanto mais dinheiro tivermos, melhor também.

Quanto mais tudo, melhor parecerá ser o meu mundo. Não é à toa que percebemos tão claramente, em nossos dias, o egocentrismo, o narcisismo, a egolatria e os egoísmos se multiplicarem tão assustadoramente. Fica claro que tudo isso faz parte de um processo de constante busca da autoafirmação e da autossatisfação.

O atual sistema de rotatividade, de inclusão e exclusão constantes nas relações afetivas, se coloca cada vez mais contra a potência unificadora do amor, o Eros teorizado por Freud. O amor-próprio, agora agigantado de forma assustadora, tornou-se o amor cego de um Narciso pós-moderno.

Cego este que só enxerga a si mesmo, mas que, tal qual o mito grego, afoga-se por não querer a ajuda de qualquer salva-vidas que haja ao seu redor.

* Marcel Mourão é pós-graduado em Literaturas de língua portuguesa, poeta, escritor, crítico literário e produtor cultural.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.