Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Nokia e Microsoft: 7 razões para uma parceria

Nokia e Microsoft: 7 razões para uma parceria

21/02/2011 Marcos Morita

O acordo entre Nokia e Microsoft anunciado na semana passada, tem como objetivo aumentar o market share dos sistemas operacionais Symbian e Windows Mobile. A finlandesa, admirada por seus aparelhos, e a norte-americana de Bill Gates, líder no mercado de PCs, tentam com a aliança acelerar a velocidade, evitando que a bandeira amarela - a qual indica atenção em um GP, se transforme em azul, utilizada para informar os retardatários da presença de um carro mais rápido logo atrás.

Chamou a atenção a queda nas ações da empresa nórdica, indicando o humor e o ceticismo dos acionistas quanto ao tema. Em geral, alianças estratégicas são realizadas para criar valor aos acionistas e empresários: (a) explorando oportunidades, (b) neutralizando ameaças, (c) sustentando posições conquistadas e (d) equacionando crises de origem externa ou interna. Face ao exposto, listarei sete motivos pelos quais acordos em geral são estabelecidos.

1. Economias de escala: ganhos ocorrem toda vez que os novos parceiros têm oportunidades de compartilharem fábricas, escritórios, frotas, sistemas, fornecedores e em muitos casos funcionários, reduzindo a folha de pagamento e melhorando suas margens de lucratividade.

2. Aprendendo com os concorrentes: as empresas podem aprender com os recursos e capacidades dos novos sócios. Procedimentos e métodos, inovações e cultura organizacional são alguns dos exemplos usualmente compartilhados.

3. Gerenciar riscos e recursos: em alguns casos são necessários investimentos de grande monta, seja para desenvolver novos produtos, tecnologias ou mercados. Compartilhar recursos pode ser uma boa estratégia para diluí-los, reduzindo os riscos inerentes.

4. Criar um ambiente competitivo favorável: em algumas situações, a aliança pode diminuir a concorrência, através da concentração de mercado. Este aumento no poder de barganha é, todavia, fiscalizado por órgãos competentes - no caso do Brasil o CADE é o responsável por esta análise.

5. Facilitar o desenvolvimento de padrões tecnológicos: concorrentes podem se unir para criar padrões que sejam utilizados por toda a indústria, facilitando a interoperabilidade entre os fabricantes. Quem já viajou para o exterior sabe o caos para encontrar adaptadores de tomadas.

6. Facilitar a entrada em novos mercados: entrar em um novo país ou região através de uma aliança pode queimar diversas etapas, tais como: estudos de mercado, conhecimento de clientes, busca de fornecedores, legislações, contratações e investimentos em infra estrutura.

7. Facilitar a saída de mercados: abandonar um país ou linha de produto pode ser menos dispendioso caso uma aliança seja feita. Os custos com eventuais processos ou manutenção de uma célula para atendimento dos clientes antigos podem ser repassados ao parceiro.

O acordo assinado entre as marcas na semana passada contempla diversos motivos elencados - economia de escala, aprendizado, ambiente e desenvolvimento - os quais ainda precisarão se provar como criadores de valor aos acionistas. Ao que parece, a bandeira listrada em vermelho e amarelo - a qual indica pista escorregadia - continuará levantada por algum tempo. Quanto à bandeira quadriculada em preto e branco, só o tempo é quem dirá.

* Marcos Morita é mestre em Administração de Empresas e professor da Universidade Mackenzie. Especialista em estratégias empresariais, é colunista, palestrante e consultor de negócios. Há mais de quinze anos atua como executivo em empresas multinacionais. E-mail: [email protected]



O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre