Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Nova Procuradora Geral da República

Nova Procuradora Geral da República

05/07/2017 Dr. Nelson Pedro-Silva

A Procuradoria Geral da República é uma das instituições mais importantes em países republicanos.

Nova Procuradora Geral da República

O Presidente Temer indicou a Sra. Raquel Dodge para assumir, no lugar do Sr. Rodrigo Janot (1956-), o cargo de Procurador Geral da República Federativa do Brasil. Para os leitores que não sabem ou não são informados sobre assunto, a Procuradoria Geral da República, a meu ver, é uma das instituições mais importantes em países republicanos, como é o caso do nosso.

Pois bem, de acordo com nossa Constituição Federal, cabe ao Presidente da República indicar, a partir de uma lista tríplice, a pessoa que ocupará esse cargo por dois anos. Ocorre que nosso Presidente não reúne mais condições de governabilidade, a ponto de estar “tocando” o seu governo por meio de atos de verdadeiro terror em relação aos aliados e supostos inimigos e na base do fisiologismo, numa dimensão nunca vista antes na história política brasileira.

Por isso, entendo que ele deveria ter aguardado um pouco mais, considerando que o atual Procurador só terá o término do seu mandato em setembro de 2017. Como se fosse um moleque birrento, por conta da conduta funcional do atual Procurador – o qual ele concebe como inimigo mortal –, ele indica a Sra. Raquel, para, depois de sabatinada pelo Senado Federal, vir a ocupar o cargo em questão.

Embora não tenha sido o seu predileto, escolheu a segunda e a que é mais simpática aos seus interesses e aos de seus aliados. Poder-se-ia ver tal atitude como um ato de grandeza. Porém, como alguns jornalistas disseram, a sua escolha foi motivada unicamente por critérios políticos, entre eles: demonstrar que o seu governo, ainda exerce a governança.

Igualmente, foi impelido por pressões de setores do PMDB, como o comandado pela família Sarney que tem desafetos em relação ao primeiro mais votado – Sr. Nicolao Dino (1963-) –, pois ele é irmão do inimigo de sua família, o atual governador do Maranhão Sr. Flávio Dino (1968-).

Foi, ainda, motivado pela ideia de tentar demonstrar que ele é um ardoroso defensor das mulheres no topo do poder (uma enganação, pois quando da montagem inicial do seu Governo não indicou nenhuma pessoa do sexo feminino, passando a fazer isso depois de pressões sociais, culminando com a indicação de uma mulher para a Secretaria de Direitos Humanos, Sra. Luislinda Valos (1922-) desembargadora aposentada e primeira juíza negra do Brasil.

Adianto que pouco me importa se a indicação fosse de uma mulher, de um deficiente físico, um negro, pardo, índio ou algo nesse sentido. O critério fundamental que deve pautar as escolhas para a administração, fiscalização e defesa da coisa pública deve ser o da COMPETÊNCIA e do DISCERNIMENTO. Sobre este aspecto, parece-me que ninguém duvida da Sra. Raquel.

O problema, a meu ver, é ficar “batendo” nessa tecla do gênero e usar como justificativa para a escolha o fato de ela ser mulher. Ué, os critérios para escolhas dos homens públicos são determinados pelo gênero e/ou pela orientação sexual? Foi isso, inclusive, que verifiquei ao receber um convite para assistir a um filme que seria depois debatido por um psicólogo.

No convite, estava o seu nome, a foto e a informação de que ele era gay. Indago: qual o interesse por essa informação? Acredito que muitos leitores quando assistem a um espetáculo musical, por exemplo, não baseia o seu interesse pelo fato de ele ser hetero ou homossexual, bonito ou feio, nascido no Sul, Sudeste, Norte ou no Nordeste. O que o leva é o seu gosto e as suas condições financeiras.

O que fica a me preocupar, ao escolher a segunda mais bem votada – a despeito de ter se colocado favorável à continuidade da Operação Lava Jato –, é se ela não vai se comportar como o jurista Sr. Geraldo Brindeiro (1948-), Procurador Geral da República durante o período de 1995 a 2003, em pleno governo FHC, rotulado de “Engavetador Geral da República”.

Incomoda-me, mais ainda, o fato de Temer ter “quebrado” uma tradição que já estava se transformando em costume, a saber: o do Presidente não desrespeitar a vontade dos procuradores, indicando o candidato mais votado, mesmo que isso significasse prejuízos aos seus projetos de poder.

Nesse ponto, os Ex-Presidentes Lula e Dilma indicaram e reconduziram o Sr. Rodrigo Janot; justamente a pessoa que aprovou a abertura do pedido do processo de afastamento desta última. Nesse sentido, o Presidente tem, mais uma vez, flertado com REGIMES DE EXCEÇÃO e isso, a meu ver, é grave, além de evidenciar sua faceta policialesca e autoritária.

Agora, os três aspectos que mais me assustaram, com essa indicação, foram os seguintes:

- primeiro, até o momento estranha-me o silêncio dos Procuradores com o desrespeito a uma tradição de se indicar o mais votado;

- segundo, o fato de a Sra. Raquel não ter declinado o convite – ao menos – enquanto consultasse os seus pares. Afinal, ela não foi a mais votada, demonstrando, ao agir assim, a ausência de “vergonha na cara”, o desrespeito ao pleito e aos seus colegas, a fome por poder, além de indiciar certo flerte com partidos políticos que, ora, ocupam o governo atual e alguns de seus membros estão sendo denunciados pelo atual Procurador pelo acordo feito com o Sr. Joesley Batista (JBS) e pivô da crise política do atual Governo (pelo menos, para os acusados, pois, a meu ver, o responsável por esse quadro é o próprio Presidente, ao agir como se fosse um gatuno quando recebeu o citado Senhor na calada da noite, sem informar agenda e sequer permitir a sua identificação por agentes que tem a função de protegê-lo).

Caso fosse eu que fizesse isso, um cidadão comum, no mínimo algum vizinho avisaria a polícia sobre a entrada em minha residência de pessoas suspeitas. Diante disso, indago a Sra. Raquel: Vossa Senhoria não deveria, ao menos, condicionar o seu aceite a consulta junto aos Procuradores? Certamente, com os votos obtidos por Vossa Senhoria e pelo terceiro candidato, seriam suficientes para que fosse referendada. Além disso, como efeito colateral, demonstraria que o seu compromisso é efetivamente com a defesa dos interesses da República e até angaria simpatia e respeitabilidade daqueles que não votaram na Senhora;

- terceiro, penso que faltou a virtude “vergonha” à provável nova Procuradora Geral da República. Isso me assusta mais ainda, pois nos faz pensar que estamos em processo de involução quanto à defesa da República. Digo isso porque o antônimo desse termo é honra, dignidade, confiança, mérito, respeito, orgulho, coragem, audácia, ousadia. Analiso, aqui, apenas a coragem.

Aristóteles disse que o seu excesso é a temeridade; sua ausência, a covardia. Tanto um extremo quanto o outro são vícios e distancia a pessoa da virtuosidade, tornando regra o romance O homem sem qualidades de Robert Musil (1880-1942). Por fim, cito o filósofo francês André-Comte Sponville (1952-): De todas as virtudes, a coragem é sem dúvida a mais universalmente admirada [...] a coragem como capacidade de superar o medo, vale mais que a covardia ou a poltronice [covardia] [...] a coragem é a virtude dos heróis; e quem não admira os heróis? Contudo, [...] essa universalidade não prova nada, seria até suspeita.

O que é universalmente admirado o é, portanto, também pelos maus e pelos imbecis. Fico, diante disso, a me perguntar: será que essa ausência de vergonha da Sra. Raquel Dodge ao aceitar o convite, sendo a segunda mais votada, para ocupar o cargo de Procuradora Geral da República, é um ato de coragem?

Se o for, ela pode ser vista como uma heroína e, portanto, figura digna de admiração? Sua escolha não foi apenas admirada pelos maus (corruptos e concentradores de renda) e pelos imbecis?

Não tenho respostas para essas indagações, mas sou forçado a conceber o Presidente Temer, nas condições que se encontra e movido pelo ódio em relação ao atual Procurador, como uma pessoa má e muitos dos seus aliados da mesma forma ou como imbecis.

* Dr. Nelson Pedro-Silva é Docente da UNESP.



O metaverso vem aí e está mais próximo do que você imagina

Você, assim como eu, já deve ter ouvido falar no Metaverso.


Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.