Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Novo ano letivo: identifique problemas e planeje soluções

Novo ano letivo: identifique problemas e planeje soluções

09/02/2013 Erika de Souza Bueno

Um dos conceitos de avaliação é a análise. Ao se aplicar avaliações no decorrer do ano letivo, o professor precisa ter claro dentro o que é realmente o ato de avaliar, pois muito mais do que dar uma prova, a avaliação é uma excelente ferramenta para identificar quais ações em sala de aula podem ou não ter continuidade.

Além disso, a avaliação não pode ser apenas tratada como algo destinado somente aos alunos, mas sim. Ao aplicar uma avaliação, o professor também tem a oportunidade de rever conceitos e valores sobre sua prática, enquanto profissional comprometido realmente com o bom desenvolvimento de seus alunos.

É importante também compreendermos que a avaliação não pode ser entendida apenas como a aplicação de provas no final de alguns conteúdos trabalhados. Ela precisa ser desenvolvida em todo o momento da aula, no decorrer do ano letivo.

Dessa forma sempre será possível a tomada de decisões no bom direcionamento de esforços que visam ao desenvolvimento acadêmico do aluno, assim como ao desenvolvimento profissional do professor. É interessante refletir e constatar que a avaliação precisa ocorrer no começo, no meio e no fim. Em todas essas fases, as avaliações são diagnósticas, ou seja, servem para diagnosticar o grau de conhecimento dos alunos, assim como se estão ou não apresentando alguma dificuldade na execução de alguma tarefa ou daquilo que se espera deles.

E, não menos importante, as avaliações servem para buscar o porquê de tais dificuldades e suas origens. No começo, a avaliação serve para diagnosticar o nível de habilidade que um aluno já tem e, a partir de então, traçar planos para melhor aproveitar o conhecimento prévio e fazê-los frutificar, de modo que o aluno siga sem deficiências e impedimentos os seus estudos.

Convém lembrar que não são raras as vezes em que dificuldades de alunos na sala de aula têm origens no seu convívio social e, também, no âmbito familiar. As avaliações realizadas no decorrer do ano letivo são excelentes ferramentas para o professor saber se aquilo que planejou e que está executando está ou não obtendo boas respostas e se está ou não caminhando para atingir os objetivos traçados.

Realizadas no decorrer das práticas em sala de aula, as avaliações fazem o professor, muitas vezes, pensar num “plano b”, pois não são poucas as situações em que o aluno obtém melhores ou piores resultados do que se esperava dele. Isso é comum acontecer porque todos os alunos estão sujeitos a mudanças. Há casos de alunos que tinham estímulos positivos em casa, como o auxílio de um ente querido, e ao verem-se sem tal estímulo sentem-se dispersos, desmotivados.

Como já sabemos, tais fatores influenciam muito o rendimento do aluno em sala de aula. As avaliações no final do ano são a prova não apenas dos bons resultados dos alunos, mas também de seus professores e equipe pedagógica. Contudo, como estamos frisando, a avaliação final só terá bons resultados se o professor for sensível à necessidade de estar sempre diagnosticando os impactos de suas ações junto a seus alunos.

Como percebemos, não é só o aspecto acadêmico que é identificado nos diagnósticos do professor. Há também como se identificar problemas ou soluções de problemas na vida pessoal e familiar do aluno ou até mesmo se ele está ou não tendo algum problema com seus colegas em sala de aula. Muitos dos insucessos do aluno podem ter origens dentro da própria família e/ou estar relacionados ao mau convívio entre colegas na escola.

Dessa forma, a avaliação diagnóstica, em qualquer etapa, visa ao aperfeiçoamento dos alunos, professores e equipe pedagógica e pode, certamente, ter impactos muito positivos na vida acadêmica, familiar e social de cada um de nossos alunos. Nós, professores, ao auxiliar na resolução de quaisquer conflitos dessa ordem, teremos um aluno muito mais aberto para receber e construir seu conhecimento.

*Erika de Souza Bueno é coordenadora Educacional da empresa Planeta Educação e editora do Portal Planeta Educação.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.