Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Novo ano letivo: identifique problemas e planeje soluções

Novo ano letivo: identifique problemas e planeje soluções

09/02/2013 Erika de Souza Bueno

Um dos conceitos de avaliação é a análise. Ao se aplicar avaliações no decorrer do ano letivo, o professor precisa ter claro dentro o que é realmente o ato de avaliar, pois muito mais do que dar uma prova, a avaliação é uma excelente ferramenta para identificar quais ações em sala de aula podem ou não ter continuidade.

Além disso, a avaliação não pode ser apenas tratada como algo destinado somente aos alunos, mas sim. Ao aplicar uma avaliação, o professor também tem a oportunidade de rever conceitos e valores sobre sua prática, enquanto profissional comprometido realmente com o bom desenvolvimento de seus alunos.

É importante também compreendermos que a avaliação não pode ser entendida apenas como a aplicação de provas no final de alguns conteúdos trabalhados. Ela precisa ser desenvolvida em todo o momento da aula, no decorrer do ano letivo.

Dessa forma sempre será possível a tomada de decisões no bom direcionamento de esforços que visam ao desenvolvimento acadêmico do aluno, assim como ao desenvolvimento profissional do professor. É interessante refletir e constatar que a avaliação precisa ocorrer no começo, no meio e no fim. Em todas essas fases, as avaliações são diagnósticas, ou seja, servem para diagnosticar o grau de conhecimento dos alunos, assim como se estão ou não apresentando alguma dificuldade na execução de alguma tarefa ou daquilo que se espera deles.

E, não menos importante, as avaliações servem para buscar o porquê de tais dificuldades e suas origens. No começo, a avaliação serve para diagnosticar o nível de habilidade que um aluno já tem e, a partir de então, traçar planos para melhor aproveitar o conhecimento prévio e fazê-los frutificar, de modo que o aluno siga sem deficiências e impedimentos os seus estudos.

Convém lembrar que não são raras as vezes em que dificuldades de alunos na sala de aula têm origens no seu convívio social e, também, no âmbito familiar. As avaliações realizadas no decorrer do ano letivo são excelentes ferramentas para o professor saber se aquilo que planejou e que está executando está ou não obtendo boas respostas e se está ou não caminhando para atingir os objetivos traçados.

Realizadas no decorrer das práticas em sala de aula, as avaliações fazem o professor, muitas vezes, pensar num “plano b”, pois não são poucas as situações em que o aluno obtém melhores ou piores resultados do que se esperava dele. Isso é comum acontecer porque todos os alunos estão sujeitos a mudanças. Há casos de alunos que tinham estímulos positivos em casa, como o auxílio de um ente querido, e ao verem-se sem tal estímulo sentem-se dispersos, desmotivados.

Como já sabemos, tais fatores influenciam muito o rendimento do aluno em sala de aula. As avaliações no final do ano são a prova não apenas dos bons resultados dos alunos, mas também de seus professores e equipe pedagógica. Contudo, como estamos frisando, a avaliação final só terá bons resultados se o professor for sensível à necessidade de estar sempre diagnosticando os impactos de suas ações junto a seus alunos.

Como percebemos, não é só o aspecto acadêmico que é identificado nos diagnósticos do professor. Há também como se identificar problemas ou soluções de problemas na vida pessoal e familiar do aluno ou até mesmo se ele está ou não tendo algum problema com seus colegas em sala de aula. Muitos dos insucessos do aluno podem ter origens dentro da própria família e/ou estar relacionados ao mau convívio entre colegas na escola.

Dessa forma, a avaliação diagnóstica, em qualquer etapa, visa ao aperfeiçoamento dos alunos, professores e equipe pedagógica e pode, certamente, ter impactos muito positivos na vida acadêmica, familiar e social de cada um de nossos alunos. Nós, professores, ao auxiliar na resolução de quaisquer conflitos dessa ordem, teremos um aluno muito mais aberto para receber e construir seu conhecimento.

*Erika de Souza Bueno é coordenadora Educacional da empresa Planeta Educação e editora do Portal Planeta Educação.



Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).