Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Novo ministro e grandes desafios

Novo ministro e grandes desafios

18/03/2021 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Hoje, no lugar do número diário de mortos, o que mais impressiona é saber quantos morrem sem a devida assistência, à espera de um leito para internação.

Isso é demonstrativo de caos e da ineficiência de todos os métodos até hoje utilizados para o combate à pandemia. Esse quadro crítico coincide com a posse de Marcelo Quiroga, o novo ministro da Saúde.

Espera-se dele muito trabalho e pulso firme para implantar um parâmetro nacional de combate à pandemia, coisa que nos faltou até hoje em função do cabo de guerra em que a tarefa se transformou no momento em que governadores tradicionalmente oposicionistas e neo-oposicionistas identificaram a oportunidade de confrontar politicamente o presidente da República e, de alguma forma, tiveram o aval do Supremo Tribunal Federal.

O recrudescimento da pandemia e, agora, a falta de meios para atender aos adoecidos é problema de todos.

Não está na hora de procurar culpados, mas de buscar meios para evitar a mortandade na fila – aliás, um problema brasileiro preexistente à chegada da Covid-19.

Vemos alguns prefeitos tomando a frente e tentando resolver o problema conforme sua leitura do quadro atual de suas cidades ou regiões e entidades se movimentando para, se necessário, atuar supletivamente.

É o caso da Pró-PM, entidade de classe formada por policiais militares paulistas que, com recursos próprios, já adquiriu respiradores e faz campanha interna para conseguir outros que deverão reforçar as UTIs do Hospital Policial Militar.

Também encontramos empresários preocupados em, de alguma forma, participar do combate à pandemia e imunização de seus colaboradores.

Entendemos que a grande tarefa do novo ministro será a de compatibilizar os recursos, buscar outros e distribuir tarefas aos entes federados e a todos os que tiverem condição de participar da luta pela volta à normalidade sanitária.

É preciso correr com as vacinas, buscando-as onde quer que elas estejam disponíveis e aceitar a colaboração de todos que tenham estrutura para tanto.

É o caso dos empresários e principalmente das entidades empresariais que pretendem adquirir vacinas como forma de fazê-las chegar mais rápido à população. Já existem esquemas propostos para esse trabalho.

É preciso colocá-los em prática, pois já se verificou que no extrato dos vacinados com mais de 90 anos, embora sejam os mais vulneráveis, baixou o número de infectados e de mortes.

Na medida em que a vacina chegar às faixas etárias mais baixas, o fenômeno, com certeza, também nelas se fará presente.

A grande esperança é que o novo ministro tenha, além de autoridade e conhecimento técnico, o jogo de cintura exigido para o seu posto num país hoje convulsionado e amedrontado pelo coronavírus.

Que os detentores de algum tipo de liderança tenham a sensibilidade para compreender que num momento em que contabilizamos quase 3 mil mortes por dia só de Covid-19 é, pelo menos impróprio – senão frio e até desumano – perder tempo na discussão e montagem de candidaturas e estratégia para a eleição, que só acontecerá no próximo ano.

Se não ajudarem a eliminar a pandemia, os próprios supostos candidatos poderão não restar vivos na época das eleições…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre ministro da saúde clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?