Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O 1º Boletim chegou, e agora?

O 1º Boletim chegou, e agora?

06/05/2013 Quézia Bombonatto

Uma nova história da vida escolar dos filhos se inicia em milhares de lares brasileiros.

O primeiro trimestre (para a maioria das escolas, uma vez que há aquelas cujas avaliações são bimestrais) é marcado por novidades, como professores e colegas novos, materiais diferentes, etc. No final, há a expectativa pelos primeiros resultados obtidos no ano. Ou seja, pelo boletim.

Este momento pode ser marcado por uma infinidade de sensações - alegria, medos, tranqüilidade, frustração. Mesmo assim, quase ninguém deixa de entregar o boletim, porque, seja qual for o resultado, ainda há muito tempo para compensar um mau desempenho.

A apresentação das notas vem normalmente acompanhada de justificativas, desculpas ou afirmações das mais variadas, dependendo do desempenho que os filhos conseguiram conquistar. Quando são bons, chegam logo dizendo "viu, mãe, eu disse que este ano seria diferente" ou ainda "pronto, agora você pode me dar aquele presente que prometeu". Quando não são tão satisfatórios, a conversa é outra: "Ainda é o primeiro trimestre. No próximo eu recupero."

E também: "É aquele professor que não explica nada. Vá à escola reclamar dele!" Seja em qual situação for, esse momento deve ser reservado para uma profunda análise da vida escolar, que recomeçou há pouco tempo, e um diálogo realmente franco e aberto para evitar futuras situações desagradáveis.

Deixar o filho consciente das suas responsabilidades em relação à escola. Aquelas crianças que têm o bom desempenho escolar como uma marca devem ser incentivadas a aprender mais, a aprofundar seus conhecimentos e a perceber que o estudo é o melhor caminho para a autonomia e para uma visão de mundo mais apurada e verdadeira.

Deve-se mostrar também que não há lugar para trocas. Não é porque as notas estão boas que os pais têm obrigação de dar um presente ao filho. A criança precisa sentir que ela mesma está se presenteando e que está fazendo o melhor que pode por si mesma. Esse é o maior bem. Aquelas crianças que têm algumas dificuldades de aprendizagem e necessitam serem acompanhadas mais de perto devem tomar o boletim como o resultado mais fiel de seus esforços.

Não deverá ter críticas e cobranças se a criança apresentar dificuldade, desde que ela seja encarada, e a busca da superação seja o objetivo maior. Pais e filhos precisam encontrar, através de um diálogo permanente, o caminho que deve ser percorrido para vencer as barreiras. Muitas vezes, o problema está na forma como o aluno estuda. Nesse caso, a interferência dos pais pode ser muito importante e cabe uma avaliação conjunta sobre isso e também sobre o tempo que o filho está investindo nas atividades da escola, assim como o lugar em que realiza seus trabalhos.

Às vezes, uma mudança nesses aspectos pode dar um fabuloso resultado. Pode haver também divergências entre o sistema de avaliação da escola e as expectativas de rendimento escolar por parte da família. Isso deve ser discutido com a orientação da escola, que deve apresentar ao aluno a sistemática na qual está ele inserido e fazê-lo perceber qual seu papel nela, possibilitando assim um melhor entendimento do funcionamento da instituição.

A orientação escolar ainda pode ajudar, e muito, em relação às formas de estudo, para um melhor aproveitamento e rendimento do aluno, bem como verificar o seu entrosamento no grupo, o que pode provocar alterações na sua vida escolar. Mas acredito que o mais importante seja que as notas obtidas no primeiro trimestre não signifiquem prêmio ou castigo. Elas não podem ter essa conotação. Os pais devem orientar os filhos mostrando-lhes que esses resultados representam seu esforço, que a fase de estudante deve ser levada a sério e que, nesse momento de sua vida, o estudo deve ser encarado com responsabilidade.

A vida estudantil não é simplesmente uma passagem pela escola. Trata-se, sim, da construção de valores e conhecimentos sistematizados que farão parte da herança cultural de cada um. O boletim escolar e os avanços ou retrocessos que representa são um excelente pretexto para fazer o filho refletir sobre o seu papel na vida e sobre sua responsabilidade na construção de sua vida pessoal e profissional, bem como para estreitar os laços familiares.

Enfim, transformar a entrega dos boletins do primeiro e, mais tarde, do segundo e do terceiro trimestre num momento de diálogo e de avaliação do processo pode ser o caminho para uma relação mais harmoniosa entre pais e filhos. Mais do que resultados do boletim, acompanhar a vida escolar de um estudante é acompanhar as ocorrências, as oscilações para poder analisá-las junto à escola.

Antes de partir para qualquer solução, antes de se desesperar, é importante que se defina qual é o problema com todos os seus contornos para promoção de alternativas que deverão ser discutidas por todos envolvidos neste processo. Só assim, a vida escolar desses estudantes poderá ser menos fragmentada, menos sofrida e causar menos danos à auto-estima.

Todos nós temos capacidades e habilidades que precisam ser definidas e estimuladas. Aproveitá-las no projeto de ensino, através da adoção de diferentes estratégias, amplia as possibilidades de aprendizagem. Somente saber sobre a dificuldade não é suficiente para promover a ação educativa e a aprendizagem. É a partir dela que todo o projeto educativo pode ser direcionado.

*Quézia Bombonatto é presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia, ABPp.



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins