Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O acordo em Copenhagen

O acordo em Copenhagen

17/12/2009 Marcos Morita

Apesar do impasse nas negociações, Copenhagen 2015 será um marco na história.

Rio e Kyoto também tiveram seu papel, porém o aquecimento global era ainda apenas uma ameaça. De lá para cá as previsões se concretizaram numa velocidade impressionante.

Caso um acordo não seja assinado, talvez possamos esperar pelo próximo encontro em 2025, o que acredito não seja a melhor saída. Como num jogo de futebol, já estamos na prorrogação. Os governos discutem metas para redução de emissões de carbono, financiamento para os países subdesenvolvidos, preservação das florestas, energias renováveis. Apesar do foco nos chefes de estado, a responsabilidade deve ser compartilhada entre empresários e cidadãos, uma vez que fazemos parte do mesmo sistema. As corporações, para se adaptar aos novos tempos, criam produtos menos agressivos ao meio ambiente: carros menos poluentes e econômicos, eletrônicos que consomem menos energia, sacolas plásticas retornáveis. Reciclar o lixo, pilhas, cartuchos de impressora, baterias de celular, óleo de cozinha, fechar a torneira, apagar a luz e consumir orgânicos são atitudes que competem aos moradores do planeta, sejam eles cidadãos comuns, empresários ou governantes.

Apesar das inúmeras vertentes possíveis para tentar solucionar o problema - borrifar vapor de água salgada sobre os oceanos, jogar toneladas de dióxido de enxofre no céu, plantar árvores no deserto - utilizarei o recorte da teoria dos jogos para tentar entender o impasse nas negociações. Exemplos desta teoria são o Dilema do Prisioneiro e o Equilíbrio de Nash. O primeiro supõe que cada jogador queira aumentar sua própria vantagem, sem se importar com o resultado do outro. Já o Equilíbrio de Nash, apresentado no filme Uma Mente Brilhante, demonstra que os jogadores obteriam um resultado melhor caso cooperassem. Os países têm desconfiança mútua. Entretanto, caso o Brasil decida reduzir as emissões e o desmatamento na Amazônia, quem garantirá que milhares de toneladas de carvão não serão queimados do outro lado do globo, suportando taxas de crescimento de dois dígitos ao ano, inundando o país com produtos Made in China? As empresas por sua vez têm investido em inovações, consumindo tempo e dinheiro em tecnologias ainda incertas sob o aspecto comercial.

Como os produtos verdes ainda não possuem escala e preço atrativo, precisam continuar oferecendo os atuais, mesmo que pouco sustentáveis, com o risco dos ataques dos concorrentes. Entre os cidadãos comuns, há uma parcela cada vez maior que se preocupa com o meio-ambiente, adotando atitudes sustentáveis. Por outro lado, as últimas enchentes demonstraram que outra parte ainda continua jogando lixo nas ruas e córregos, prejudicando a todos. Estes exemplos reais demonstram que estamos longe do Equilíbrio de Nash, baseado na cooperação. Como mencionado, os noventa minutos já se acabaram. Faltam agora dois tempos de quinze, apenas. Podemos repensar o modelo atual, levando a decisão para os pênaltis ou continuar com o Dilema do Prisioneiro, arriscando o gol de ouro e a morte súbita. Infelizmente não há como começar o jogo novamente.

*Marcos Morita é mestre em Administração de Empresas e professor da Universidade Mackenzie. Especialista em estratégias empresariais, é colunista, palestrante e consultor de negócios. Há mais de quinze anos atua como executivo em empresas multinacionais.



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins