Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O apagão e a negligência

O apagão e a negligência

09/02/2014 Dirceu Cardoso Gonçalves

Depois de ter interrompido o abastecimento de eletricidade, os 6 milhões de consumidores dos 13 estados atingidos pelo apagão da última terça-feira, assistem agora as divergências entre o Operador Nacional do Sistema, que atribui o fenômeno à queda de raios na rede, e o Governo, que diz ser a rede “à prova de raios”.

Em vez de divergir, melhor seria que se unissem para evitar novos apagar das luzes. Seja lá o que for a causa, ela carece de uma análise profunda e tem de ser combatida da maneira mais eficiente para evitar a repetição do problema, que traz desconforto e prejuízos à população e à economia.

Mercê do desenvolvimento, todos somos cada dia mais dependentes de eletricidade. É comum ouvirmos técnicos do setor afirmando que o país só não entrou em colapso elétrico porque há anos vem registrando taxas de crescimento econômico muito aquém das expectativas. Além disso, temos 76,9% de nossa eletricidade oriunda do setor hidráulico, cujo potencial de exploração já se encontra esgotado e coberto de restrições ambientais. Têm sido muito tímidas as atividades de conservação da energia já disponível e agressivo o desenvolvimento que disponibiliza cada dia mais equipamentos elétricos para a população e os estabelecimentos.

A população de baixa renda, que anteriormente dispunha apenas de algumas luzes e geladeira quando muito, tem acesso ao computador, ar-condicionado, freezer e outros aparelhos. Os programas de substituição do chuveiro elétrico por aquecedores solares têm sido tímidos e pouco incentivados. A geração de eletricidade pelo vento tem sido negligenciada a ponto dos geradores já haverem sido instalados mas não poderem abastecer o sistema porque a linha de transmissão não foi construída.

O ocorrido na terça-feira é apenas uma demonstração da fragilidade da infraestrutura nacional. O país que se orgulha de ser a sexta economia do mundo, tem dificuldade para fornecer a eletricidade aos seus consumidores. Algo de muito sério precisa ser feito para garantir a segurança do abastecimento energético. Não é a inexplicavel divergência e a atribuição de culpa entre uns e outros que vai resolver o problema.

Acidentes ocorrem, mas os responsáveis pelo sistema têm o dever de prevenção para reduzi-los a um mínimo e, mesmo assim, quando ocorrem, não podem fugir às suas responsabilidades. Os governantes e políticos – que hoje só pensam em eleições –, pelo próprio interesse, devem se lembrar que se, no dia 5 de outubro, faltar eletricidade, até as eleições estarão comprometidas, pois são realizadas em urna eletrônica...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.