Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Banco Central deveria controlar a taxa de juros?

O Banco Central deveria controlar a taxa de juros?

21/08/2014 Mateus Maciel

Os juros possuem um enorme poder sobre a economia de qualquer país. No Brasil e em várias nações, o Banco Central define a taxa de juros, levando em consideração a inflação, o nível de atividade econômica, o número de desempregados e etc.

Reduzindo os juros, o Banco Central pode estimular o consumo e os investimentos, uma vez que tomar dinheiro empresado nos bancos fica mais barato. Contudo, será que essa arma poderosa deveria ficar nas mãos de um órgão público? Para que os dirigentes do BC possam ser eficientes no seu trabalho, é necessário que este seja independente do governo. Dessa forma, a política monetária fica livre de interesses políticos, principalmente em época de eleições.

Entretanto, tal independência não ocorre e o Banco Central do Brasil não é uma exceção. Em 2009, para aquecer a economia que foi abalada pela crise dos Estados Unidos e da Europa, o BC reduziu a taxa SELIC para 8,75%. Essa forte queda dos juros elevou o consumo e o investimento, fazendo com que o PIB crescesse ao patamar chinês de 7,5%. O problema é que esse crescimento ocorreu através do endividamento dos consumidores, empreendedores e, principalmente, do governo. Esse movimento de queda forçada da SELIC foi repetido entre os anos de 2011 e 2012, quando os juros chegaram ao patamar histórico de 7,25%.

Como o endividamento estava alto por conta da redução forçada de 2009, o efeito sobre o crescimento foi pífio (gerando os famosos “pibinhos”), tendo o endividamento das famílias crescido ainda mais. Com isso, é possível mostrar que um Banco Central não pode controlar a taxa de juros, pois, além de não ser completamente independente do governo, é incapaz de saber qual é a melhor taxa para a economia.

Então, quem deveria controlar os juros? O mercado! Como os juros nada mais são do que o custo de pegar dinheiro emprestado (ou, em linguagem popular, “o preço do dinheiro”), estes poderiam ser definidos pelas instituições que fornecem crédito no mercado, assim como qualquer empresa estipula um preço para o seu produto. Dessa forma, cada instituição, a partir de sua análise da demanda por crédito, estipularia uma taxa de juros. É evidente que o Banco Central não poderia atuar como emprestador de última instância das instituições financeiras.

Isso porque estas acabariam por fornecer crédito de forma descontrolada, pois saberiam que teriam a garantia do BC, caso a inadimplência aumentasse. Com esse novo arranjo, os indivíduos não sofreriam por conta de decisões equivocadas e de cunho eleitoreiro de um grupo de burocratas que acreditam que seus modelos matemáticos são capazes de englobar todas as variáveis necessárias para se calcular a taxa de juros mais eficiente para a economia. O sistema econômico, portanto, não sofreria tantos solavancos como os sentidos nas últimas décadas e o crescimento seria mais sustentável.

*Mateus Maciel é estudante de economia da UERJ, colunista do site Liberzone e do Instituto Liberal.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli