Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Brasil está em greve. Por quê?

O Brasil está em greve. Por quê?

29/08/2011 Antonio Carlos Aguiar

Não se está aqui esquecendo, ou mesmo menosprezando a importância do passado de reivindicações históricas, como, por exemplo, o ocorrido no ABC Paulista na década de 70, época de afirmação do Sindicalismo Moderno.

A diferença, agora, é a amplitude geográfica (nacional) que os movimentos ganharam. Hoje, a realidade é outra. Podemos afirmar, com tranquilidade, que as paralisações têm ocorrido no Brasil. Ou seja, diferentemente de tudo o que já se viu, temos hoje um país inteiro em greve.

Para reflexão temos exemplo recentes deste movimento: a greve dos bombeiros, no Rio de Janeiro; de professores, na Bahia; dos metalúrgicos da Volks, em Curitiba; dos condutores de trens, em São Paulo; e dos operários da obra de reforma do Mineirão, em Belo Horizonte, além de outras tantas. Surgem, então, perguntas. As duas primeiras são:

1)  O que está acontecendo no Brasil?

 

 

 

2)  Quais são os porquês destas greves?

A resposta imediata e, portanto, menos importante, seria dizer que o que tem motivado essa onda de paralisações é a busca de melhores condições e, em última análise, melhores salários. Por outro lado, a resposta mediata – essa sim sob a qual devemos nos debruçar, se quisermos, de fato, entender o que está acontecendo no Brasil – nos remete a uma explosiva e sem precedentes onda de inúmeros ingredientes que compõem essa mistura de fatores sociais e econômicos, tais como: falta de mão-de-obra; inflação alta;  economia aquecida; imediatismo de expectativas das pessoas; velocidade e profusão de informações; sentimento generalizado de perdas, por não se conseguir tudo o que se poderia ter (e que instantaneamente sabe-se que outros têm; uniformização remuneratória nos setores (fabril, comércio e prestação de serviços); entre outras “novidades”.

Nunca (nunca mesmo) viveu-se, no país, a combinação simultânea e tão acentuada deste conjunto social de fatores econômicos. Para se ter idéia, em 2010, ano seguinte à crise mundial, a taxa de desemprego medida pelo IBGE, de 6,3%, foi a menor dos últimos oito anos. E, segundo analistas de mercado, a expectativa de inflação para 2011 é de 6,22%, o que seria o maior índice, desde 2005. Paralelamente, vemos uma série histórica de crescimento sustentável do Produto Interno Bruto (PIB) e pesados investimentos em infra-estrutura e turismo. O mundo mudou, as pessoas mudaram e as expectativas (de vida, de vontades, de prazeres, de ideais, de comunidades, de família, de afazeres e de lazeres) são completamente distintas daquelas vivenciadas há pouco – muito pouco - tempo atrás.

A terceira questão (que se desdobra em outras) e, talvez, mais importante pergunta é: Como o meio empresarial tem reagido e se preparado para enfrentar (no bom sentido) essa nova realidade? Existe gestão adequada das relações de trabalho? Existe um canal verdadeiramente aberto e permanente de comunicação com seus empregados? Como se dá a relação de credibilidade entre os atores sociais: empresa, empregados, sindicato e sociedade? Precisamos fazer as perguntas certas. Elas devem estar enquadradas dentro desse novo cenário. E com elas se extrair as atitudes que compõem e fazem parte desse cipoal de mudanças que pululam todos os dias. Não podemos esperar por uma simples padronização de respostas, sob o risco de obtermos soluções bem desagradáveis... Aliás, neste sentido, lembremos da estória contada por Rubens Alves:“Viviam juntos o pai, a mãe, um filho de cinco anos e um avô, velhinho, vista curta, mãos trêmulas.

Às refeições, por causa de suas mãos fracas e trêmulas, ele começou deixar cair peças de porcelana em que a comida era servida. A mãe ficou muito aborrecida com isso, porque ela gostava muito do seu jogo de porcelana. Assim, discretamente, disse ao marido: ‘Seu pai não está em condições de usar pratos de porcelana. Veja quantos ele já quebrou! Isso precisa parar...’O marido, triste com a condição do pai, mas, ao mesmo tempo, sem desejar contrariar a mulher, resolveu tomar uma providência que resolveria a situação. Foi a feira de artesanato e comprou uma gamela de madeira e talheres de bambu para substituir a porcelana. Na primeira refeição em que o avô comeu na gamela de madeira com garfo e colher de bambu, o netinho estranhou. O pai explicou, e o menino se calou. A partir desse dia, ele começou a manifestar interesse por artesanato que não tinha antes.

Passava o dia tentando fazer um buraco no meio de uma peça de madeira com um martelo e um formão. O pai, entusiasmado com a revelação da vocação artística do filho, lhe perguntou: ‘O que você está fazendo, filhinho?’ O menino, sem tirar os olhos da madeira,  respondeu: ‘Estou fazendo uma gamela para quando você ficar velho...’” Essas e outras perguntas, portanto, bem feitas (seguidas das atitudes que lhes são pertinentes e constituem a sua razão de ser) podem fazer a diferença entre ser expectador ou parte nestas paralisações. Lembremos daquele axioma latino “Esse est percipere aut percipi”, ou seja: “Ser é perceber e ser percebido”. O que não é percebido não existe, o que não for notado e distinguido perde a efetividade. O assunto é muito complexo e não se encerra aqui, mas é certo que requer planejamento de curto, médio e longo prazo, através de um sistema equilibrado de gestão e contínuo processo de negociação.

* Antonio Carlos Aguiar é mestre em Direito de Trabalho, sócio do escritório Peixoto e Cury Advogado, e professor do Centro Universitário Fundação Santo André e autor do livro Negociação Coletiva de Trabalho.

 

 



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.