Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O calvário do vôo que não chega a lugar nenhum

O calvário do vôo que não chega a lugar nenhum

26/05/2013 Eduardo Nascimento

Véspera de feriado, chega o momento planejado, o descanso com a família longe da rotina extenuante.

Tudo preparado em conjunto com uma agência de viagem e cada detalhe checado: traslados, hotéis, passeios.

Você e família chegam ao aeroporto. Seu voo está lá no painel, horário confere. Feito o check-in, vai tomar um café e volta a conferir. Agora, o voo aparece junto à palavra cancelado. Como, por que, ninguém sabe, nenhum aviso. O passageiro resolve tirar satisfação no balcão da empresa:

-- Esse vôo X foi cancelado? Não vou viajar?

-- A companhia cancelou. Os passageiros serão remanejados para outros vôos. O senhor terá de esperar o comunicado pelo serviço de alto-falante.

-- Só isso?

Neste momento, a atendente já fala com outro reclamante e você percebe que a viagem escorregou pelo ralo. No balcão, ninguém sabe informar horários de outro voo para o seu destino. Horas e horas de irritação, alta madrugada, a família dormindo pelas cadeiras do aeroporto, você então decide voltar para casa.

Eis um retrato dos nossos serviços de aviação. Em poucos minutos, o sonho roubado transforma-se em pesadelo. Batendo à porta da agência de viagens, o consumidor não encontra problema. Pelo contrato assinado, tudo o que foi pago será ressarcido. Funciona a lei. Mas como reaver o dinheiro investido no bilhete aéreo, comprado pela internet e que não foi usado?

O desfiladeiro de mazelas é mais longo: a empresa informa que outro voo reservado para o passageiro saiu tantas horas depois. E como ele não embarcou, ainda será multado por isso. Eis aqui o segundo capítulo desse teatro de horror. Na companhia aérea, pelo telefone: “sua ligação é muito importante para nós”.

Pela internet, a culpa é do consumidor. Ao contrário do que ensinam os manuais de vendas, onde ele aparece como dono da razão. Este é o triste espetáculo do nosso sistema aéreo, que se assemelha a um calvário com suas 14 estações, onde os passageiros percorrem sua agonia, totalmente desprotegidos diante de absurdos cometidos pelas concessionárias do transporte aéreo.

Deveria a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) regular o setor e proteger o cidadão, mas trabalha omissa, inerte. É uma entidade deficiente, falha e imprudente, que age com displicência e desmazelo. Uma agência covarde que não merece respeito do consumidor. Como ente federal, posiciona-se acima do bem e do mal e, na maioria das vezes, emprega uma venda nos olhos.

Como se sabe, as companhias aéreas exercitam livremente o overbooking - vendem um lugar já vendido para outro. Atrasam e cancelam voos, sem aviso prévio, extraviam bagagens e, além de praticarem extorsivos aumentos de tarifa, passaram a cobrar por serviços antes gratuitos, como o lanche servido a bordo. Na prática, aumento de preços sem contrapartida.

Taxam e sobretaxam remarcações de voos, reservas de assentos, seguro viagem e vendem pela Internet, expediente com o qual pretendem substituir o qualificado serviço de consultoria prestado pelas agências de viagem. No site da Anac, consumidores lesados são orientados a reclamar no Procon caso a companhia aérea não resolva.

Desse modo, a agência deposita o lixo na porta dos outros em vez de cumprir a missão que lhe cabe, comprovando a incompetência. Os brasileiros esperam uma reforma de valores e que a Anac deixe de ser cabide de empregos. O primeiro crime a ser punido com a máxima severidade será sua afamada omissão, que condena a todos (empresas e cidadãos) à desolação em um país locupletado de vícios, benesses e mazelas.

*Eduardo Nascimento é presidente do Sindicato das Empresas de Turismo no Estado de São Paulo (Sindetur-SP).



O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre