Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O ciclo opressor

O ciclo opressor

23/07/2021 Aroldo Veiga

A história da opressão em nossa sociedade vem sendo perpetuada de geração em geração, uma consciência possessiva de mundo transmitida ao longo dos séculos.

Na época em que vivemos, tudo é transformado em mercadoria, inclusive as pessoas, cujo valor é aquilatado de acordo com a sua capacidade de trabalho.

O processo opressor está diretamente associado à má distribuição da autoestima, às estruturas sociais e emocionais responsáveis por uma distribuição desigual de privilégios, uma realidade tangível, que vitimiza boa parte da humanidade – a famigerada luta de classes que, ora evidente, ora latente, está sempre presente no campo de batalha que é a nossa sociedade.

Os meios de produção são a principal fonte desta tensão. Quem os detém, determina a exploração e a pobreza daqueles que possuem para sobreviver apenas a força de trabalho.

A cultura religiosa, por sua vez, também tem um papel relevante neste processo de submissão. Sua influência contribui para criar um universo mítico, capaz de aprisionar a consciência do oprimido e vincular o seu destino à vontade de Deus.

Uma significativa parcela de culpa também recai sobre o Estado. Através da aparelhagem governamental – forças policiais, mecanismos de burocratização e de políticas públicas –, a população, em especial os grupos minoritários e as classes menos abastadas, é mantida sob constante estado de submissão psicológica ou, quando não, de dependência econômica, indiscutivelmente o principal fator que leva a este estado de sufocação e angústia.

Outro instrumento de opressão é a autodesvalia. Sejam através de palavras claras, ou de gestos dissimulados, as crenças do opressor, acerca das limitações do oprimido, acabam se introjetando no inconsciente coletivo, como aquela mentira que, de tão repetida, acaba se tornando uma verdade inquestionável.

Tal situação também gera um fenômeno curioso em que, muitas vezes, o próprio oprimido acaba buscando para si um modelo de vida idêntico ao do opressor, encerrando-se em um ciclo vicioso que o impede de lutar pela própria libertação.

A opressão, conquanto, não é um tipo de violência capaz de afetar a integridade física das pessoas, como a repressão. Seu dano é de caráter, sobretudo, subjetivo, no plano das ideias, projetos e significados de vida.

A chave para se libertar de tudo isso perpassa, necessariamente, por uma educação libertadora, formadora de indivíduos críticos e capazes de romper com este ciclo vicioso.

* Aroldo Veiga é professor e escritor, autor do livro “Trono de Cangalha”.

Para mais informações sobre opressão clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: LC Agência de Comunicação



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli