Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O ciclo opressor

O ciclo opressor

23/07/2021 Aroldo Veiga

A história da opressão em nossa sociedade vem sendo perpetuada de geração em geração, uma consciência possessiva de mundo transmitida ao longo dos séculos.

Na época em que vivemos, tudo é transformado em mercadoria, inclusive as pessoas, cujo valor é aquilatado de acordo com a sua capacidade de trabalho.

O processo opressor está diretamente associado à má distribuição da autoestima, às estruturas sociais e emocionais responsáveis por uma distribuição desigual de privilégios, uma realidade tangível, que vitimiza boa parte da humanidade – a famigerada luta de classes que, ora evidente, ora latente, está sempre presente no campo de batalha que é a nossa sociedade.

Os meios de produção são a principal fonte desta tensão. Quem os detém, determina a exploração e a pobreza daqueles que possuem para sobreviver apenas a força de trabalho.

A cultura religiosa, por sua vez, também tem um papel relevante neste processo de submissão. Sua influência contribui para criar um universo mítico, capaz de aprisionar a consciência do oprimido e vincular o seu destino à vontade de Deus.

Uma significativa parcela de culpa também recai sobre o Estado. Através da aparelhagem governamental – forças policiais, mecanismos de burocratização e de políticas públicas –, a população, em especial os grupos minoritários e as classes menos abastadas, é mantida sob constante estado de submissão psicológica ou, quando não, de dependência econômica, indiscutivelmente o principal fator que leva a este estado de sufocação e angústia.

Outro instrumento de opressão é a autodesvalia. Sejam através de palavras claras, ou de gestos dissimulados, as crenças do opressor, acerca das limitações do oprimido, acabam se introjetando no inconsciente coletivo, como aquela mentira que, de tão repetida, acaba se tornando uma verdade inquestionável.

Tal situação também gera um fenômeno curioso em que, muitas vezes, o próprio oprimido acaba buscando para si um modelo de vida idêntico ao do opressor, encerrando-se em um ciclo vicioso que o impede de lutar pela própria libertação.

A opressão, conquanto, não é um tipo de violência capaz de afetar a integridade física das pessoas, como a repressão. Seu dano é de caráter, sobretudo, subjetivo, no plano das ideias, projetos e significados de vida.

A chave para se libertar de tudo isso perpassa, necessariamente, por uma educação libertadora, formadora de indivíduos críticos e capazes de romper com este ciclo vicioso.

* Aroldo Veiga é professor e escritor, autor do livro “Trono de Cangalha”.

Para mais informações sobre opressão clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: LC Agência de Comunicação



Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.


Quem vive em união estável tem direito à pensão por morte?

A pensão por morte é um benefício do INSS destinado aos dependentes de um segurado quando o instituidor faleceu.


O que a inveja desperta em você?

Inveja é um sentimento de natureza humana que se caracteriza por ódio ou rancor em relação a algo de bom que o outro tem, e você não.


“Os bem-comportados podem sair”

Havia na empresa onde trabalhei quase quarenta anos, o costume, enraizado na tradição, de não abandonar o local de trabalho, sem o chefe do departamento, dizer: “Podem sair!”


Dados sobre religião entre jovens nos USA

As religiões cristãs no ocidente têm motivos para preocupação diante de um crescente número de ‘sem religião’ entre as novas gerações.


Tecnologia e EPIs

Áudio e vídeo inteligente para a segurança de colaboradores de infraestrutura crítica.


Dia Mundial do DNA: o que a data representa para a medicina?

No ano de 1953, os cientistas James Watson, Francis Crick, Maurice Wilkins, Rosalind Franklin e outros colegas publicaram artigos na revista Nature com o objetivo de desvendar a estrutura da molécula de DNA.