Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Coaching para Profissionais e Pequenas Empresas

O Coaching para Profissionais e Pequenas Empresas

27/02/2019 Marlene Maytorena Santucci

Nos últimos anos, o Coaching virou a palavra da moda para alguns profissionais.

Isso porque acabou se tornando uma “solução” encontrada por muitos para driblar os efeitos da crise que aplacou o Brasil nesse período.

Mas, o que vem a ser Coaching?

Coaching é um processo no qual um profissional, chamado de Coach, ajuda o seu cliente (Coachee), que pode ser um indivíduo ou grupo, a desenvolver ou melhorar as suas competências e habilidades para alcançar os objetivos definidos por ele, seja na vida pessoal ou profissional.

Se você achou a explicação um tanto quanto complicada, basta traduzir a palavra do inglês e você obterá “treinador”.

Mas esse “treinador” não é aquela figura que simplesmente dá treinamentos a grupos, sobre os mais variados assuntos, de forma semelhante e totalmente passiva, mas sim se assemelha àquele que “treina” esportistas e times de diversas modalidades do esporte.

Esse “treinador”, além de verdadeiramente conhecer a quem treina, ele se envolve ativamente com seus desempenhos, fazendo com que consigam, não somente atingir os objetivos esperados, mas, muitas vezes, contribuindo para que alcancem resultados que podem ir muito além do que foi originalmente estabelecido como meta.

Mas por que alguém precisaria de um Coach?

Bem, para responder a essa pergunta, vou utilizar o seguinte exemplo. Se você vai a uma academia de ginástica simplesmente para não ficar parado ou se deseja somente se socializar, ou ainda pratica um esporte apenas para se divertir e descontrair, então, você não precisa de um “treinador”.

Porém, se você é uma pessoa com objetivos claros de melhorar algum requisito em seu treino, ou ainda, se você é um atleta que precisa efetivamente e constantemente melhorar o seu desempenho, então, com certeza, você precisa de um “treinador”.

O exemplo acima também se aplica a qualquer profissional ou empresa. Se você estiver contente com a sua carreira ou empresa e não vê qualquer motivo para mudanças, então você, teoricamente, não precisa de um Coach. No entanto, se você se sentir frustrado ou incomodado com algum aspecto de sua profissão ou com o desemprenho apático ou ruim de sua empresa, então está mais do que na hora de você contratar um Coach.

Na verdade, se você achar que não precisa mudar nada, o que vai ocorrer é que alguém (provavelmente o seu chefe), ou o mercado vai achar e, no fim, você é quem acabará sendo “mudado” da empresa, ou, se você for o dono dela, a verá naufragar.

Se um processo de Coaching pode ser capaz de provocar mudanças tão significativas, seja no indivíduo ou na empresa, por que ainda há tantas pessoas que nunca ouviram falar ou se o fizeram, por que ainda não tomaram nenhuma atitude em contratar os serviços de um profissional Coach?

Como eu mencionei no início do artigo, muitas pessoas recorreram ao Coaching como uma atividade intermediária para escapar da crise, algo para fazer enquanto não encontravam uma recolocação e isso pode ter causado um certo derrame no mercado de pessoas não devidamente preparadas ou com o perfil inadequado para exercerem essa atividade tão complexa.

Ser um bom Coach exige uma sólida bagagem profissional, ter desempenhado atividades em que ora foi líder, ora liderado e ter algumas características fundamentais para poder conduzir um bom processo de Coaching.

Isso inclui ser perspicaz, pois terá de observar todos os aspectos profissionais do Coachee ou os processos empresariais alvos da análise; ser capaz de identificar os pontos positivos e negativos em ambos os casos; ter as habilidades para analisar quais características precisam ser desenvolvidas, quais devem ser aprimoradas e, por fim, quais devem simplesmente deixar de existir; ter ótimas noções de planejamento e acompanhamento de metas; saber dar feedback e conseguir encorajar.

Um outro motivo porque as pessoas não contratam um Coach, é porque não é nada fácil admitir que se tem um problema e que precisa de ajuda. Ninguém se sente confortável nessa situação, porque a primeira coisa em que pensamos é que somos incompetentes, incapazes, medíocres. E essa sensação não é nada agradável.

As grandes empresas têm áreas de RH e inúmeras ferramentas que permitem detectar os problemas de performance pessoais nas áreas e para corrigir o problema, quando necessário, têm orçamentos para a contratação de consultorias específicas para tratar desses temas.

Mas, se você é um profissional que pode contratar um Coach de forma independente, o bom serviço prestado será aquele em que você obterá a resposta aos seus anseios para se desenvolver em sua carreira e, adicionalmente, o Coach poderá considerar outros aspectos de sua vida para que, além de atingir suas metas profissionais, você também terá uma melhora significativa na sua qualidade de vida.

Porém, se você é o dono de uma pequena empresa, um bom Coach é aquele que vai contribuir para alavancar o seu negócio, considerando tanto os aspectos de planejamento e execução dos processos, como também aqueles que se relacionam às pessoas envolvidas nessas atividades.

Portanto, não bastam somente as competências técnicas do Coach, é preciso que ele também entenda de pessoas e tenha um olhar aguçado para tudo aquilo que permeia as relações humanas.

* Marlene Maytorena Santucci é Coach, Palestrante e Psicanalista.

Fonte: Vervi Assessoria



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira