Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O cumprimento integral da pena

O cumprimento integral da pena

01/05/2013 Dirceu Cardoso Gonçalves

Viver tornou-se algo extremamente perigoso nas grandes (e até nas pequenas) cidades brasileiras.

Apesar de toda a propaganda oficial sobre a eliminação da fome e das oportunidades a todos, cresce escandalosamente o volume de assaltos, arrastões e outras ocorrências do gênero. Os que gostam de ostentar seus bens estão proibidos de fazê-lo, pois viram “sangue no olhar do vampiro”.

Mas até não ter bens ou dinheiro tornou-se perigoso, como bem exemplifica o caso da dentista de São Bernardo do Campo (SP), queimada viva pelos ladrões porque possuía apenas R$ 30,00 na conta bancaria. Os prédios e condomínios, outrora seguros, hoje são presas constantes, assim como os estabelecimentos comerciais que, apesar do grande numero de pessoas reunidas, frequentemente sofrem arrastões.

Em quase todas as quadrilhas existem menores que, talvez por pressão do restante do grupo, assumem a autoria dos crimes, pois gozam da inimputabilidade. O pavor vai se tornando coletivo e a sociedade discute calorosamente a redução da idade penal.

Sociólogos, psicólogos, ongueiros, poetas e outros que – muito provavelmente – não foram vítimas, batem pelo privilégios dos errantes, especialmente dos menores. Culpam a sociedade pela falta de oportunidade que os acaba lançando ao mundo da criminalidade. Pode até terem razão.

Se os criminosos de hoje tivessem tido oportunidades na época certa de suas vidas, provavelmente, seriam cidadãos de bem. Mas haverão de entender que o mal já está feito e precisa ser reparado. Algo de muito urgente tem de ser feito para evitar a carnificina e a periclitação hoje presentes nos quatro cantos. O que fazer daqueles que já se tornaram delinquentes?

Pouco importa reduzir (ou não) a idade penal. Essa é apenas uma das alternativas. O importante é desmotivar a escalada do crime. E isso só poderá ser feito através da exigência do efetivo cumprimento da pena imposta pelo Judiciário.

Se o criminoso tivesse a certeza de que, uma vez preso e condenado, ficaria encarcerado por todo o período que o juiz determinou, pensaria mais de uma vez antes de cometer seus ilícitos. Mas ele sabe que, a priori, depois que “a casa caiu”, se condenado, ficará no cárcere apenas um sexto do período, além de outras vantagens que a lei lhe oferece como, a “pensão” para sua família.

Se é, por exemplo, alguém que licitamente ganharia salário mínimo (R$ 678,00), preso, além de não gerar despesas em casa, renderá auxílio reclusão de R$ 971,78. Não devemos ser conta os favorecimentos ao apenado. Mas não pode ser automático ou quase indiscriminado, como atualmente.

Para obtê-lo, o titular da pena precisa ser avaliado, cumprir metas de profissionalização e reinclusão social e realmente fazer jus ao favor legal. Não pode ser algo para evitar que o Estado tenha de construir novas prisões. Isso é sua obrigação...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins