Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O desafio de pequenas e médias empresas na gestão de pessoas

O desafio de pequenas e médias empresas na gestão de pessoas

02/03/2012 Celso Bazzola

A participação da área de Recursos Humanos na visão estratégica da empresa surgiu de forma tímida no início dos anos 70, ainda como foco nas questões legais e sindicais.

Porém, foi se modificando com o tempo, absorvendo os impactos das mudanças sociais, econômicas, políticas e tecnológicas do mercado. Nos anos 90, após a abertura do mercado internacional, as empresas, para atingirem um nível maior de competitividade, passaram a perceber que o fator humano seria o maior diferencial ou causador das mudanças visando alcançar resultados. A partir daí a atuação dos Recursos Humanos passou a ser fundamental no avanço do desenvolvimento profissional, passando a valorizar as pessoas dentro de um processo de performance.

A Área de Recursos Humanos por este motivo viu-se obrigada a mudar seus conceitos e técnicas de desenvolvimento profissional nas empresas, graças à abertura e exigência de mercado que obrigou-as a mudarem seu posicionamento estratégico quanto aos desafios em preparar e motivar equipes para estarem engajados na busca dos melhores resultados a fim de alcançarem os objetivos da organização. Importante ressaltar que a atuação de Recursos Humanos não é um privilégio apenas para grandes empresas, mais também pode ser desenvolvido e implementado em empresas de pequeno e médio porte.

Nos dias de hoje o papel da área de Recursos Humanos deve focar ações para o desenvolvimento de pessoas; planejamento; busca de novos talentos; critérios de remuneração de acordo com resultados; tecnologia que garantam a mensuração de resultados; desenvolver fontes seguras de comunicação interna; conduzir e ter a percepção do clima interno; relações sindicais e trabalhistas, além de focar no desenvolvimento de competências técnicas e comportamentais, focados para resultados. Relacionado a isto não podemos esquecer da satisfação pessoal e profissional de cada membro da equipe.

É por isso que nota-se que em muitas empresas a área de Recursos Humanos não atua desta forma, algumas vezes por despreparo dos profissionais do setor e outras pela própria cultura da organização. Hoje o mercado exige do RH um posicionamento estratégico dentro das organizações, voltado efetivamente para a gestão de pessoas e equipes para contribuir com os resultados da empresa. A partir da consciência de que sem pessoas qualificadas e motivadas a organização terá sérias dificuldades na retenção e atração de talentos, perdendo contato com seus concorrentes.

A área de Recursos Humanos, através de suas experiências e a importância de sua existência, poderá criar mecanismos que valorizem a capacitação e evolução pessoal voltando para obtenção de resultados, através de técnicas e ferramentas que mensurem a necessidade e momento desta formação para que os colaboradores alcancem resultados satisfatórios. Neste momento nos deparamos com a situação: ter uma equipe de RH interno bem estruturado e funcional é apenas para as grandes organizações?

Esta percepção se deve ao fator que os custos fixos para manter toda estrutura de RH se torna um desafio para as pequenas e médias empresas nos quesitos: remuneração; encargos sociais; manutenção de tecnologia; espaço físico; entre outros, uma vez que a demanda destes serviços de RH não são constantes nestas empresas.

Portanto, após expormos as tendências de mercado nos dias de hoje em relação ao Recursos Humanos e sua atuação, submeto os leitores a uma reflexão sobre o tema, fazendo a seguinte pergunta: Como ter um RH atuante nas empresas de pequeno e médio porte, que ajude nos resultados sem que os custos fixos internos aumentem consideravelmente?

Talvez se analisarmos de forma simplista, a resposta poderia ser “a minha empresa não necessita desta área” ou “não temos como mantê-la ativa devido aos custos adicionais que a mesma trará”. Nos dias de hoje as empresas de pequeno e médio porte encontram no mercado profissionais e empresas dispostas ou especializadas para suprir esta necessidade.

Com isto, as empresas podem ter por algumas horas no mês uma equipe de especialistas que poderão desenvolver os recursos humanos da empresa de pequeno ou médio porte com investimento abaixo do previsto, uma vez que estas empresas não fazem parte dos custos de folha de pagamento da empresa e ainda poderão absorver as demandas internas desenvolvendo seu RH.

Se esta ideia ou situação nunca foi avaliada por sua empresa é hora de pensar sobre esta possibilidade. Uma vez que as empresas especializadas oferecem este trabalho, além do conhecimento técnico possuem know how e podem interagir constantemente com o setor, agregando maior valor nas ações internas de RH de sua empresa. Lembre-se que o mercado tende a ser cada vez mais veloz e, principalmente seus concorrentes...

A falta de políticas e ações bem definidas de recursos humanos pode levar sua empresa à perda de grandes talentos para o mercado e a reposição e treinamentos deste profissional poderão afetar nos custos operacionais e, em algumas vezes sobre o faturamento, principalmente para empresas deste porte - que sofrem com a concorrência de companhias de maior porte.

Saber avaliar o quanto vale desenvolver seus recursos humanos torna-se vital para o crescimento estruturado de sua empresa. Cada empresário deve analisar se esta ação é importante para obtenção de resultados. O que posso afirmar é que o mercado de trabalho está cada vez mais competitivo – não só em relação a produtos, mas também na questão de retenção e atração de novos talentos...

* Celso Bazzola é diretor executivo da Bazz Estratégia e Operação de RH.



Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso