Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O desastre nas pesquisas eleitorais

O desastre nas pesquisas eleitorais

04/10/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Por mais esquisitos que possam parecer, jamais contestarei os resultados das pesquisas eleitorais.

Até porque não disponho de conhecimento técnico para dissecá-las. Mas, a vivência de muitas eleições permite prever um desastre assim que as urnas forem abertas.

O indicativo disso é a diversidade e até o antagonismo entre as conclusões dos diferentes levantamentos de intenção de votos realizados num mesmo tempo e lugar.

Quando muito, apenas um ou dois desses trabalhos coincidirão com a votação apurada, e os demais mergulharão na inconformidade.

A perda da credibilidade poderá levar seus realizadores a terem de mudar de ramo ou até encerrar a atividade. As diferenças são tão gritantes que mudar de nome não será o suficiente para salvar a reputação.

É recorrente a justificativa de que pesquisa é o “retrato” de como está o pensamento do eleitor no momento da consulta. O álibi tem socorrido as empresas pesquisadoras errantes.

Já vimos pesquisa que apontava a vitória de um candidato por uma margem de 10% e este perdeu por 10%. A diferença foi de 20%. Injustificável.

As pesquisas colocadas a público na atual campanha mais se parecem propaganda disfarçada do candidato preferido da pesquisadora ou supostamente pagador dos custos do trabalho.

Os números apresentados podem ser o combustível das tentativas de obtenção do tal voto útil, explorado pelos propagandistas dos candidatos aos diferentes postos em disputa, que tentam arrebatar os potenciais votos dos concorrentes apresentados como inviáveis. Uma terrível mistificação, se confirmada.

Penso que a grande utilidade das consultas de tendência do eleitorado está dentro e não fora das campanhas. Sabendo como o candidato está na intenção dos votantes, seus marqueteiros podem corrigir o curso da propaganda e das ações e com isso sensibilizar maior número de votantes.

Para isso, os números têm de ser os mais confiáveis possíveis, o contrário do que parece estar ocorrendo ao no âmbito do material ultimamente divulgado ao grande público.

Apesar de terem regras a cumprir, as consultas eleitorais aparecem em descrédito crescente a cada pleito que se realiza.

Pior só mesmo os levantamentos de audiência de rádio e tv que no passado atribuíam 70, 80 e até 90% de audiência a determinadas emissoras, mas não acusavam que a maioria dos receptores da região pesquisada estava desligada.

Para evitar ser mal influenciado, o eleitor deve praticar o voto consciente. Buscar as informações sobre os candidatos a que está propenso a votar e só depois de saber o que fizeram ou deixaram de fazer, decidir o número de quem deverá digitar na urna da Justiça Eleitoral.

Pesquisas supostamente manipuladas e marqueteiros regiamente pagos não têm compromisso com a verdade. Por isso é que o eleitor, no próprio interesse e no da sociedade, deve fazer da verdade o instrumento e a razão do seu voto. Vote com consciência para não se arrepender.

Além da eleição – fato principal desse 2 de outubro – teremos a consequência subsidiária, também de grande importância, especialmente para a indústria, o comércio, o mercado imobiliário, os veículos de comunicação e os outros setores que consomem pesquisas para lançar e alavancar seus produtos.

Ao confrontar o que disseram os institutos e empresas pesquisadoras, essa seleta clientela terá a verdadeira noção sobre a competência e confiabilidade desses prestadores de serviços. Os que errarem por larga margem tendem a enfrentar grandes dificuldades.

Detalhe significativo: pelo que fizeram, a sorte está lançada pois não há mais tempo para reverter informes inconsistentes e a pesquisa boca de urna, realizada no dia das eleições, independente do resultado, não tem força capaz de melhorar a avaliação dos seus realizadores...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre pesquisas eleitorais clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli