Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O dia da mentira na política brasileira

O dia da mentira na política brasileira

03/04/2022 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Relativamente aos meus tempos de criança e jovem, o 1º de abril, tido como o “dia da mentira”, perdeu muito de sua força popular.

Herdado dos povos europeus que, antes da adoção do calendário gregoriano (1564), comemoravam o ano novo de 25 de março a 1º de abril, o hábito de pregar peças nos amigos fez, durante muitos anos a diversão (e até a irritação) de muita gente.

A data começou a ser comemorada no Brasil em 1º de abril de 1828, quando um jornalzinho denominado “A Mentira” que circulou em Minas Gerais e teve vida curto, noticiou a morte do imperador Pedro I, que só perderia a vida em setembro de 1834, já como Pedro IV, de Portugal.

Atualmente as brincadeiras não têm o mesmo significado. A coincidência, no entanto, nos levou a vivenciar acontecimentos marcantes no dia da mentira, ou perto dele.

A Revolução de 1964, fixada no calendário como ocorrida em 31 de março, teria se consolidado a 1 de abril, mas seus executores escolheram o dia anterior para manter a seriedade naquele momento de dificuldade política.

Os que a fizeram batizaram-na Revolução e os adversários, depois que os militares devolveram o poder aos civis, em 1985, rebatizaram-na como Golpe e isso foi até para a nomenclatura oficial. O consenso jamais existirá.

Agora mesmo, o ex-ministro da Defesa, Braga Neto divulgou ordem do dia (lida nos quartéis) em que exalta o movimento.

Os opositores ao regime de então torceram o nariz. Deveriam ambos os lados compreender as razões de momento e deixar a rusga para a história, que já &e acute; quase sexagenária.

Também por coincidência, pois decorre do calendário eleitoral, termina nesta sexta-feira (1º de abril), a janela partidária, período de um mês em que deputados podem mudar de partido sem o risco de perder o mandato.

Até a manhã – quando preparava este artigo – 102 dos 513 deputados federais já haviam mudado de endereço partidário e não dava para prever o número do final do dia. O mesmo ocorre com os deputados estaduais, todos buscando melhor acomodação para as eleições de outubro.

O governador de São Paulo, João Dória, deixou o governo para se candidatar à presidência da República, mesmo tendo números inexpressivos nas pesquisas eleitorais, além da denunciada tentativa de golpe dentro do PSDB, onde Eduardo Leite, o perdedor da pr&ea cute;via partidária estaria articulando sair candidato.

Tanto que Leite também deixou o governo do Rio Grande do Sul. Já o ex-juiz e ex-ministro Sérgio Moro não teve olhar tão firme em direção do Palácio do Planalto e preferiu trocar a candidatura a presidente pela de deputado federal, mudando de partido e, inclusive, de Estado (do Paraná para São Paulo).

Bolsonaro e Lula seguem como favoritos diante de uma legião de nanicos que não conseguem montar a sonhada terceira via para enfrentá-los.

Com as acomodações partidárias – inclusive a saída de dez ministros do governo federal, que serão candidatos em outubro – se estabelece uma nova relação de forças na política brasileira.

Os pré-candidatos movimentam-se em busca de apoio e logo teremos os horários eleitorais de rádio e TV, a campanha que for permitida nas redes sociais e até os comícios.

É de se esperar que a montagem ou pelo menos o anúncio dos esquemas no “dia da mentira” nada tenham a ver com a tradicional celebração popular.

Que os candidatos tenham a consciência de que a verdade é o único caminho para o encontro de melhores dias e, por isso, jamais digam mentiras ao povo. Nem de brincadeira.

E que até os desacreditados institutos de pesquisas tenham como provar ao grande p& uacute;blico sua competência e lisiura ao divulgar suas pesquisas e prévias eleitorais.

Se você, leitor, procurar na história, talvez encontre outras coincidências do dia da mentira com a política, mas certamente verá que, até tardiamente, a verdade sempre prevaleceu…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre política brasileira clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.