Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O Diabo: o que foi e o que é

O Diabo: o que foi e o que é

01/04/2020 Humberto Pinho da Silva

Certa noite de Outono, em amena conversa com familiar, este, declarou-me, parecendo sincero:

- “Não acredito em muito que me ensinaram. Por exemplo: a existência do Diabo”.

Satanás, não é a figura grotesca, de cornos e forquilha, que os pintores de antanho, representavam, nem as caricaturas dos livros devotos de outrora, cujas vestes são utilizadas, por muitos, no Carnaval e Réveillon.

Lúcifer, durante longo tempo – antes do aparecimento de Adão, – foi “príncipe”, que convivia com o Todo Poderoso, administrando parte do Universo.

Segundo a Bíblia, o Reino do Céu é governado por espíritos, que administram: principados, denominações, tronos e potestades – Col.:1,16.

Satanás ocupava lugar de relevo; revoltou-se, porque queria ser semelhante ao Omnipotente. Desceu aos céus inferiores, e desde então, o Cosmo dividiu-se; entrando em conflito.

Por desobediência (pecado), o primeiro homem, a quem Deus concedera livre arbítrio, veio a perder a “imagem” de Deus, ficando com a imagem dos progenitores, e herdeiro do pecado original.

Desorientado, o Homem, procurou e procura na Filosofia e na técnica, o bem-estar, e a paz, perdida por Adão.
Deus enviou, então, o Filho, para chamar o Homem à razão.

O Diabo tentou-O, mas Cristo resistiu:

“Vai-te Satanás! Porque escrito está: ao Senhor, teu Deus, adorarás e a Ele só servirás.” - Mt.4:10

Lúcifer, desconfiava, mas não estava seguro, que Jesus era o Salvador.

Cristo, ensinou a única conduta que nos levaria à liberdade plena: ao bem-estar, que gozava o primeiro homem; mas, os homens, apesar, dos extraordinários milagres realizados, e da pureza da doutrina, não O aceitaram: tinham os olhos cerrados e as orelhas tapadas.

Por causa da influência do Diabo, o Homem não consegue libertar-se do Mal (do pecado,) levado pela tentação. Só com o auxílio de Deus é que pode resistir-lhe.

Jean Guitton, em: “O Trabalho Intelectual”, explica o que é a tentação:

“É estar-se às voltas com uma imagem que se sente que irá agir sobre as nossas glândulas, evidente que uma certa maneira de orientar o esforço para dissipar a imagem corre o risco de a intensificar. O corpo não conhece a diferença entre sim e não. Dizer: “Não Tenho medo, não quero ter medo desta granada” é aumentar imagens que nos são adversas. Não querer tremer nos momentos de medo, aumenta o estremecimento. Irritar para não ceder à tentação é dispor-se a ceder ainda mais depressa. É por isso que se pede ao Pai do Céu para não ser tentado e não para resistir, que é muito difícil.”

O Diabo não está vencido. A Bíblia adverte-nos, que virá o Anticristo (Ap.:16,13-Jo:2,18), o falso Messias, que enganará muitos. Fundará nova (a sua) igreja. Avisa, também, para se estar vigiante, porque o Príncipe das Trevas, procura arrebatar as almas a Deus.

Eis, em suma, o que foi, e o que é, o Diabo. Que existe, não tenho dúvida, e que continua a influenciar todo e todos, provocando todo o mal que pode, todos nós sentimos e vemos, na nossa vida e na vida da sociedade.

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.