Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O direito de o aposentado continuar vinculado ao plano de saúde

O direito de o aposentado continuar vinculado ao plano de saúde

01/07/2015 Adriana Rocha

A necessidade (ou não) de contribuição ao plano de saúde durante a relação empregatícia.

Muito embora não haja uma obrigação legal, é comum que empresas de médio e grande porte ofereçam a seus empregados o benefício do plano de saúde, que pode ser custeado integralmente ou apenas parcialmente pela empregadora.

A esse respeito, a Lei nº 9.656/98 estabelece em seu artigo 31 que o aposentado, que tenha contribuído para o custeio do plano de saúde em decorrência de vínculo empregatício por no mínimo 10 anos, tem direito a continuar vinculado ao plano, nas mesmas condições de cobertura assistencial, desde que assuma o seu pagamento integral.

Caso a contribuição tenha sido por período inferior, o aposentado poderá permanecer como beneficiário à razão de um ano para cada ano de contribuição.

Entretanto, há controvérsia a respeito do alcance da palavra "contribuição", o que influencia na delimitação das hipóteses em que o aposentado tem direito a continuar como beneficiário do plano de saúde.

Apesar de não haver um conceito legal de "contribuição", o artigo 30, §6º da Lei nº 9.656/98 prevê que, nos planos de saúde custeados integralmente pela empregadora, a co-participação do empregado por ocasião da realização de procedimentos (como fator de moderação) não é considerada contribuição.

Assim, com base em interpretação literal das normas acima citadas, há quem entenda que os aposentados não têm direito a continuar vinculados ao plano de saúde, nas hipóteses em que o benefício é custeado integralmente pela empregador, ainda que haja co-participação em procedimentos, como fator de moderação.

A reforçar esse entendimento, o artigo 458, §2º da Consolidação das Leis do Trabalho estabelece que o benefício da assistência médica não é considerado salário. A jurisprudência, contudo, não é pacífica sobre o tema.

Há diversos julgados que adotam entendimento contrário, no sentido de que o aposentado tem direito a permanecer no plano de saúde, ainda que não tenha contribuído com o seu custeio diretamente.

Entende-se que o custeio do benefício pelo empregador corresponde à salário indireto (contribuição indireta) do empregado, não podendo o termo "contribuição" ser interpretado de forma restritiva a ponto de deixar o aposentado desamparado, frustrando, assim, o objetivo da lei.

Em 2011, com o fim de regulamentar o disposto nos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656/98, a Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS editou a Resolução Normativa nº 279, que trouxe o conceito de "contribuição".

De acordo com o artigo 2º da referida Resolução, "contribuição" consiste em "qualquer valor pago pelo empregado, inclusive com desconto em folha de pagamento, para custear parte ou a integralidade da contraprestação pecuniária de seu plano privado de assistência à saúde (...) à exceção dos (...) e à co-participação ou franquia paga única e exclusivamente em procedimentos, como fator de moderação, na utilização dos serviços de assistência médica ou odontológica".

A Resolução Normativa nº 279 da ANS ainda estabelece em seu artigo 6º, §1º que o direito previsto no artigo 31 da Lei nº 9.656/98 não se aplica na hipótese de planos de saúde "com característica de preço pós-estabelecido na modalidade de custo operacional", uma vez que a participação do empregado se dá apenas no pagamento de co-participação ou franquia em procedimentos.

No entanto, a definição trazida na Resolução Normativa nº 279 da ANS não foi suficiente para pacificar o entendimento dos Tribunais sobre a matéria. A controvérsia continua acirrada, como se constata em julgados recentes do Tribunal de Justiça de São Paulo, em sentidos diametralmente opostos (vide, por exemplo, as apelações cíveis nº 0009332-68.2010.8.26.0445 e 1009121-60.2014.8.26.0320, julgadas neste ano).

* Adriana Rocha é advogada especialista na área de Contencioso Cível de Trench, Rossi e Watanabe Advogados.



Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Oportunidade de marketing ou marketing oportunista?

No carnaval de 2024, foi postada a notícia sobre o "Brahma Phone" onde serão distribuídas 800 unidades de celulares antigos para os participantes das festas de carnaval.

Autor: Patricia Punder