Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O direito de retirada do sócio e a apuração de haveres

O direito de retirada do sócio e a apuração de haveres

23/03/2014 Shirley Henn

No contexto econômico atual, não há dúvidas de que muitas empresas de pequeno e médio porte passaram a auferir receitas e lucros outrora inimagináveis.

O crescimento, entretanto, trouxe também problemas, notadamente nas relações entre os sócios. Sem pretender entrar no mérito de que um processo de reestruturação societária e profissionalização da gestão poderia, em grande parte dos casos, prevenir conflitos de tal natureza, fato é que a saída de um sócio insatisfeito ou o seu falecimento, por exemplo, normalmente, acaba implicando numa desgastante discussão acerca do valor da participação societária. Isso porque o Balanço Patrimonial, em regra, não contempla o valor do chamado fundo de comércio ou goodwill, constituído por elementos que impactam na determinação do valor econômico da empresa frente à avaliação do valor patrimonial registrado contabilmente.

Entre os ativos classificáveis nesta categoria encontram-se a credibilidade no mercado, o know-how, a marca registrada, etc. Pois bem, a jurisprudência pátria reconhece, na linha do que defende a ciência das finanças, que o método que melhor refletiria o valor econômico da empresa é o do “fluxo de caixa descontado”. Apesar desta realidade, as decisões judiciais consideram que tal método serve apenas para nortear operações de trespasse, cisão, fusão ou incorporação, para as quais a empresa deve ser avaliada de acordo com a sua capacidade de gerar benefícios futuros.

Para a apuração de haveres em processo judicial, entretanto, vem-se entendendo que deve ser elaborado Balanço de Determinação, na forma prevista no art. 1.031 do Código Civil, de modo que o pagamento das quotas sociais reflita o valor econômico presente da Sociedade, como se esta fosse ser liquidada. Se, por um lado, o valor do patrimônio líquido registrado contabilmente não é capaz de demonstrar o valor econômico da empresa, o método do fluxo de caixa descontado, segundo a jurisprudência, contemplaria lucros futuros, considerando, para tanto, inclusive fatores de crescimento, sobre os quais o sócio retirante não tem qualquer direito, já que também não responderá pelos insucessos supervenientes a sua saída.

Em diversos precedentes do Tribunal de Justiça de São Paulo, apoiados principalmente na doutrina de Martinho Maurício Gomes de Ornelas, estabeleceu-se que para proceder à avaliação, nestes termos, deve-se apurar a diferença entre o lucro operacional líquido.

*Shirley Henn, advogada do BPHG Advogados de Blumenau (SC), especialista em direito tributário.



Enfrentando o luto diante da pandemia

A perda de um ente querido já é dolorosa por si só, e diante dessa pandemia, ao passarmos pelas etapas sem velório e funeral, se torna mais dolorida.


O Papa e a homossexualidade

O Papa Francisco declarou que as uniões homossexuais devem ser legalmente reconhecidas.


O PIB e os processos migratórios do ensino superior

As vidas de Alexandre e Letícia se encontraram quando se conheceram em uma grande universidade particular da capital paranaense – ela cursava Comunicação e ele, Engenharia.


Falsos profetas da renda variável

Os juros sempre foram altos no Brasil.


Mutilações Subjetivas: Holocausto Escolar

Indignar-se! Envergonhar-se! Esperançar-se! Já dizia o poeta Walter Franco, “viver é afinar o instrumento (que somos nós!), de dentro pra fora, de fora pra dentro”.


Longevidade e perspectivas na oncologia

As campanhas como Outubro Rosa e Novembro Azul têm o papel essencial de alertar a população para as doenças oncológicas.


Um verdadeiro estadista

Agora, aos 85 anos, completados em maio, a pandemia fez com que Mujica decidisse pela renúncia a um cargo que, como explicou, exige muito contato com a população.


A participação política dos profissionais da educação

Precisamos ser voz daqueles que não tem voz, usar nossa influência para que os parlamentares saibam que sem o voto, eles não podem continuar na vida pública.


O Líder da Consciência Empresarial Humanizada

Iniciei este trabalho sem muita clareza sobre o tema “Quem são os nossos líderes no mundo novo?”.


Aprender português com o Eça

Não sou filólogo nem purista, nem sequer escritor. Limito-me a ser modesto cronista, e deixo fugir – para minha vergonha, – calinadas, que muito me desgostam.


Uma paz ruim é melhor do que uma boa guerra

Em uma edição recente de um jornal, o Embaixador do Azerbaijão fez um esforço para justificar a agressão de seu país – a guerra mais feroz por enquanto do século XXI – contra Nagorno-Karabakh.


O stress e a inadimplência

O cenário econômico brasileiro não é dos melhores.