Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

20/05/2020 Fabricio Posocco

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.

Argumentos tão profundos quanto a preferência de um determinado time de futebol para sua torcida são aplicados à saúde, à política e à economia.

O clima nas redes sociais, na rede mundial de computadores e na mídia parece uma verdadeira batalha campal. As discussões têm despertado um grande número de “especialistas generalistas”, narcisistas apaixonados por seus discursos.

A você cabe escolher, unicamente, de que lado está: é FLA ou é FLU, é Direita ou é Esquerda, é Bolsonaro ou é Doria, é situação ou é oposição… Ninguém se dá conta de que pessoas estão morrendo enquanto os vivos se ofendem entre postagens.

Opiniões, muitas vezes, tão absurdas e sem nexo quanto a ideia de uma Terra plana simplesmente pelo “direito de ser pedra” e o outro o “direito de ser vidraça”.

Em meio a tudo isso, pessoas me perguntam: o que eu penso sobre essa pandemia? O que eu acho que deve ser feito nesse período?

Em uma opinião simplista e fazendo um comparativo despretensioso, acho que são tolos todos aqueles especialistas “de ouvi dizer” ou pós-graduados “no Google” que, não conhecendo o Direito, dizem (absurdamente) que as pessoas devem fazer isso ou aquilo diante de determinados problemas jurídicos.

Então, não quero ser o tolo que, não conhecendo profundamente de Medicina, diz o que as pessoas devem fazer nesse período. Confio em Deus e nos profissionais da área da Saúde, simples assim.

Sei também que se todos fizerem a sua parte, com responsabilidade, ainda que não consigamos a solução de todos os problemas ou a cura da doença, com certeza faremos com que as dificuldades do confinamento sejam menos cruéis. Assim, quem puder ficar em casa, em isolamento, fique.

Quem precisar sair de casa ou trabalhar fora (e acredito que muitos – assim como eu – precisam) obedeça as regras do Poder Público quanto ao uso de máscara, álcool em gel, lavar as mãos com água e sabão, respeitar distâncias regulamentares entre os usuários do transporte público e consumidores, respeitar a limitação do número de pessoas em ambientes fechados, realizar atendimentos com hora marcada, entre outros.

Dê a sua contribuição da melhor forma possível. Não aplique a Lei de Gérson para levar vantagem em tudo.

Respeite, principalmente, o próximo, pois você não conhece a realidade de todos com quem convive. E, se o seu coração ainda permitir, promova solidariedade com os mais necessitados.

Definitivamente, o disparo da nossa metralhadora cheia de mágoas e ressentimentos em relação aos que possuem opinião contrária não parece ser a melhor solução.

Obrigatoriamente não precisamos ser pedra ou vidraça, pois temos não somente o DIREITO mas, principalmente, o DEVER de sermos algo diferente em tempos de pandemia. A escolha, cabe a cada um de nós.

* Fabricio Posocco é professor universitário e advogado na Posocco & Advogados Associados.

Fonte: Emanuelle Oliveira



Saúde e Compliance na era da Governança de Riscos

Os desafios e pressões enfrentados pelo setor de Saúde devido à crise da Covid-19 terão efeitos significativos sobre a necessidade, já inerente ao setor, de aumentar o nível de maturidade de programas de Governança, Riscos e Compliance (GRC).


Inovação no plano de saúde corporativo atrai e retém talentos

A pandemia provocou a transformação de diversos setores, incluindo o de plano de saúde corporativo.


Aviso e anúncios nas redes sociais

Ao abrir, hoje, a minha rede social para ver as publicações de meus amigos, deparei, varado, com aviso, informando-me que certa matéria, colocada por mim, era parcialmente falsa.


Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.