Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

20/05/2020 Fabricio Posocco

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.

Argumentos tão profundos quanto a preferência de um determinado time de futebol para sua torcida são aplicados à saúde, à política e à economia.

O clima nas redes sociais, na rede mundial de computadores e na mídia parece uma verdadeira batalha campal. As discussões têm despertado um grande número de “especialistas generalistas”, narcisistas apaixonados por seus discursos.

A você cabe escolher, unicamente, de que lado está: é FLA ou é FLU, é Direita ou é Esquerda, é Bolsonaro ou é Doria, é situação ou é oposição… Ninguém se dá conta de que pessoas estão morrendo enquanto os vivos se ofendem entre postagens.

Opiniões, muitas vezes, tão absurdas e sem nexo quanto a ideia de uma Terra plana simplesmente pelo “direito de ser pedra” e o outro o “direito de ser vidraça”.

Em meio a tudo isso, pessoas me perguntam: o que eu penso sobre essa pandemia? O que eu acho que deve ser feito nesse período?

Em uma opinião simplista e fazendo um comparativo despretensioso, acho que são tolos todos aqueles especialistas “de ouvi dizer” ou pós-graduados “no Google” que, não conhecendo o Direito, dizem (absurdamente) que as pessoas devem fazer isso ou aquilo diante de determinados problemas jurídicos.

Então, não quero ser o tolo que, não conhecendo profundamente de Medicina, diz o que as pessoas devem fazer nesse período. Confio em Deus e nos profissionais da área da Saúde, simples assim.

Sei também que se todos fizerem a sua parte, com responsabilidade, ainda que não consigamos a solução de todos os problemas ou a cura da doença, com certeza faremos com que as dificuldades do confinamento sejam menos cruéis. Assim, quem puder ficar em casa, em isolamento, fique.

Quem precisar sair de casa ou trabalhar fora (e acredito que muitos – assim como eu – precisam) obedeça as regras do Poder Público quanto ao uso de máscara, álcool em gel, lavar as mãos com água e sabão, respeitar distâncias regulamentares entre os usuários do transporte público e consumidores, respeitar a limitação do número de pessoas em ambientes fechados, realizar atendimentos com hora marcada, entre outros.

Dê a sua contribuição da melhor forma possível. Não aplique a Lei de Gérson para levar vantagem em tudo.

Respeite, principalmente, o próximo, pois você não conhece a realidade de todos com quem convive. E, se o seu coração ainda permitir, promova solidariedade com os mais necessitados.

Definitivamente, o disparo da nossa metralhadora cheia de mágoas e ressentimentos em relação aos que possuem opinião contrária não parece ser a melhor solução.

Obrigatoriamente não precisamos ser pedra ou vidraça, pois temos não somente o DIREITO mas, principalmente, o DEVER de sermos algo diferente em tempos de pandemia. A escolha, cabe a cada um de nós.

* Fabricio Posocco é professor universitário e advogado na Posocco & Advogados Associados.

Fonte: Emanuelle Oliveira



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.