Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O discurso é sustentável, a realidade nem tanto

O discurso é sustentável, a realidade nem tanto

07/06/2012 Flávio Ferrari

A sigla "O&M" (organização e métodos) surgiu quando a mais relevante oportunidade para o desenvolvimento das empresas era investir em seus processos.

O conceito de "Reengenharia" foi uma evolução do O&M. Convidava a repensar a essência dos processos e da própria estrutura das organizações – pensar "fora da caixa" como se costumava dizer na ocasião. A ideia de pensar a empresa e seus fornecedores de forma integrada, buscando interesses comuns e engendrando ações que potencializavam resultados, principalmente, por meio do compartilhamento de recursos e ativos, batizada de "Sinergia", foi mais um passo significativo para o desenvolvimento dos negócios.

Complicou quando "buscar sinergias" passou a ser sinônimo de "encontrar economias". Concentrar os esforços na verdadeira vocação (ou missão) das empresas, terceirizando atividades que não fazem parte de seu core business pelo desenvolvimento de parcerias estratégicas, foi um movimento fundamental para conferir maior competitividade.

Começou a fazer água quando terceirizar passou a ser uma maneira de transferir mão de obra para pagar menores salários e encargos. Todas essas iniciativas deixaram saldo positivo. Mas desvirtuaram-se ao largo do tempo, tanto nos objetivos quanto na dose. Um comprimido de vitaminas por dia pode fazer bem. Tomar o vidro inteiro de uma vez, intoxica.

Agora chegou a vez da “Sustentabilidade”, o mais importante conceito estratégico das últimas décadas e, talvez, da história das organizações. Sustentabilidade é um conceito holístico, oriundo de níveis de consciência avançados. Partimos do pressuposto de que todos os stakeholders, de uma forma ou de outra, investem na empresa e têm expectativas. O conceito de sustentabilidade de um negócio começa com a ideia de que cada uma das partes interessadas esteja recebendo um retorno satisfatório por seu investimento.

As partes seguirão apoiando e participando na medida em que considerem ser essa sua melhor opção, obviamente por critérios distintos, de acordo com seus interesses. Grau de satisfação, taxa de retorno (ou alguma medida equivalente), impacto socioambiental, nível de risco, perspectivas de longo prazo e afinidade com a missão e os valores da empresa são alguns dos critérios considerados para essa avaliação.

Uma estratégia sustentável é aquela que leva em consideração as necessidades e interesses de todos os stakeholders e é capaz de garantir os resultados previamente acordados (ou desejados) pelas partes. Para que isso aconteça, todas as atividades da empresa precisam estar alinhadas com a estratégia e oferecendo resultados parciais capazes de construir o resultado global. Pensar de forma sustentável garante a perenidade da empresa por meio do equilíbrio da satisfação dos stakeholders, ponderada por sua relevância.

Não consigo pensar em nenhum outro conceito mais estratégico do que esse para a gestão de uma organização. Mas a perenidade é uma coisa que demora muito, os acionistas querem mais dividendos, os investidores desejam que as ações aumentem de valor e os executivos não pretendem abrir mão de seus bônus de final de ano (ou de trimestre, nos casos mais graves).

Então, a sustentabilidade se transforma em um lindo discurso sobre responsabilidade para o “Balanço Social” e, dentro de casa (nas empresas), ser sustentável passa a significar reduzir ainda mais os custos para ser competitivo – na prática, aumentar os dividendos, o que beneficia apenas um dos stakeholders. O resultado da somatória dessas distorções é a gradativa deterioração das organizações. Ou, como diria minha avó portuguesa, "por fora, bela viola; por dentro, pão bolorento".

Na ânsia de obter resultados de curto prazo os acionistas e investidores estão se comportando como o protagonista da fábula de Esopo: "A galinha dos ovos de ouro", querendo colher todos os ovos de uma vez. Essa certamente não é uma realidade sustentável.

Flávio Ferrari é consultor especializado em Gestão Estratégica, Processos de Decisão, Inovação e Desenvolvimento de Equipes, com mais de 30 anos de experiência executiva nas áreas de Inteligência Competitiva, Marketing e Comunicação.



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira