Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O equilíbrio da palavra dita e ouvida

O equilíbrio da palavra dita e ouvida

15/03/2018 Ziza Fernandes

“Tende em vós os mesmos sentimentos de Cristo Jesus” (Fl 2,5)

Já ouvi vozes adocicadas, plenas de mel e de exagerada ternura, e que provocaram aquela revirada de olhos, semelhante a quando experimentamos um doce melado de açúcar: não cai bem.

A rejeição é imediata, ainda que sejamos bem treinados nessa cultura do politicamente correto, a disfarçar nossos sentimentos. Doce demais não se ajusta nem com pimenta nem com limão: está doce e pronto.

Também já ouvi vozes inflamadas de ódio, almas aos “berros”, feito trovões descontrolados, e os sentimentos lançados sobre os demais: por falta de controle de si, exige-se o controle do outro à força bruta e vociferada.

Essas pessoas causam medo e realmente expressam “sangue nos olhos”. Delas corremos! Entre uma e outra, não saberia dizer o que é melhor; mas sim que ambas são formas ruins para se conviver e se buscar paz nas relações.

O que eu prefiro: a braveza exposta do que a bondade falsa, é claro. Mas nada justifica a primeira, muito menos a segunda; pois a violência na palavra e a agressão verbal nem sempre vêm vestidas de expressão agressiva.

A palavra sórdida e elaborada na maldade também pode ser dita banhada de mel e ainda assim causar um estrago psicológico imenso. O modelo máximo e único de equilíbrio com a palavra, mesmo em circunstâncias de máxima violência, agressão e perigo de morte, é o Cristo.

Por isso, essa passagem bíblica que me convida a buscar os mesmos sentimentos dos quais Ele esteve movido não é um convite para ser uma pessoa “bobinha” ou “boazinha”; ao contrário, para ter em mim uma firmeza fincada na caridade, ao ponto de ponderar minhas palavras e escolhê-las bem; refrear minhas reações e domar meu temperamento, tendo como base e referência, o temperamento de Cristo.

Sua forma de falar com as pessoas não carecia nem de sal e nem de açúcar: era na medida. Sua firmeza não era disfarçada e seu amor era sempre assumido, revestido de verdade e respeito.

Que o mel que há em mim se equilibre; que o animal que me habita se acalme; que nenhuma violência saia de meus lábios e que eu nunca perca a firmeza que me leva a viver na verdade. Eis o equilíbrio da palavra dita e ouvida: viver com verdade, dizer a verdade e ouvir na verdade; pois o que ainda em mim é sombra, virá à luz pela graça de Deus!

* Ziza Fernandes é musicoterapeuta, cantora, compositora e autora.



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso