Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O fascínio da violência

O fascínio da violência

27/08/2014 Rodrigo Bertozzi

Como viver neste mundo tão sombrio? Precisamos ser acrobatas para livrar-nos do estigma vermelho-rubro da violência que cerca e pune os inocentes.

Creio que a semente do mal existe no coração humano desde o princípio da civilização, na origem dos primeiros grupos sociais. Será que estamos nos acostumando com a brutalidade de nossos dias? Até quando as vozes da barbárie irão nos aprisionar? Em que tempo nos libertaremos dos sons da maldade?

Dizem que uma minoria comete atos de violência, mas a grande massa vive em um eterno teatro das contemplações, relegados ao papel de mero observador das tragédias nacionais e mundiais. O ser humano somente se preocupa com a violência ¾ delícia televisiva ¾ quando seu longo braço destruidor o abraça. O bem e o mal caminham dentro de uma linha muito tênue, um umbral do pecado. Somos o predador incansável, a moléstia da natureza, o vírus aniquilador da própria raça.

As artes também revelam o nosso fascínio pela violência desde a tradição oral das mitologias, a literatura, os quadrinhos até o cinema moderno. A literatura serve como uma fotografia reflexiva e móvel da sociedade, e, dentro deste contexto a violência é tema recorrente nas lutas pelo poder ou pela simples inveja. Desde Sófocles (Trilogia Tebana), passando por Shakespeare, chegando até a moderna literatura urbana de Rubem Fonseca, o ser humano tem o seu retrato capturado com as cores da violência.

Sim, esse foi um século trágico, não houve sequer um único dia sem conflitos, lutas por ideologias mortas, racismo, intolerância religiosa, crimes domésticos, urbanos e rurais, politicagens e rapinagens. Da antiguidade aos nossos dias, a batalha está no saber distinguir entre o bem e o mal, e não considerar, passivamente, que o inferno precise estar necessariamente em nossos corações ingênuos (será mesmo?). Quem pode afirmar que nunca desejou estrangular um adversário?

E a maldade que brota dos lábios brutos, levando os outros ao desespero, também não seria uma forma de violência? Qual a herança que deixaremos? Somente, pelo menos em princípio, o sarcasmo ficará como feliz produto de nossos dias infindáveis. Ainda é possível crer nas doces e poderosas palavras de Sócrates e Jesus: Conhece-te a ti mesmo/ Amai ao próximo como a ti mesmo. É o simples retorno do belo, do indivíduo, talvez, ouvindo estas pequenas lições dos mestres possamos resolver nossa cretinice de simples espectadores.

Quais as saídas? A mudança do olhar, a transformação kafkaniana do ser humano? Talvez com o toque de Deus sugando a semente podre de nossos corações, poderemos esperar um futuro melhor e mais digno. Devemos abandonar esse mísero teatro das contemplações. Enquanto houver um único suspiro de miséria, este não será um mundo perfeito. Ou como definiria Charles Dickens em suas últimas obras, mesmo existindo um mundo injusto, o que nos salva é a fé e a esperança. Talvez, mas apenas talvez, a simplicidade da alma possa salvar a todos nós...

*Rodrigo Bertozzi é escritor, autor dos livros “Um Futuro Perfeito”, “O Senhor do Castelo” e “Depois da Tempestade".



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves