Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O fortalecimento dos Brics

O fortalecimento dos Brics

18/06/2013 Floriano de Lima Nascimento

Um projeto dessa envergadura não nasce ao acaso, nem é fruto de elocubrações equivocadas de tecnocratas alheios ao bem estar da população. Idéias desse porte são produzidas por intelectuais e homens públicos dotados de ampla visão, que pensam na sociedade como um todo.

Quem tem acompanhado pela imprensa o noticiário sobre os Brics – o agrupamento Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – nos poucos órgãos da imprensa nacional que vêm dando cobertura ao tema, entre eles, O Debate, devem estar questionando a origem e a praticidade da ideia de se criar um bloco econômico formado por cinco potências médias para empreenderem um até hoje inédito esforço conjunto de desenvolvimento.

O fato que temos procurado analisar nesta série de artigos é uma contribuição do economista-chefe da Goldman Sachs, Jim O´neal,em estudo datado de 2001, intitulado Building Better Global Economic Brics. A idéia apresentou-se, desde o início, como categoria de análise nos meios econômicos e financeiros, empresariais, acadêmicos e de comunicação. Só no ano de 2006 o conceito deu forma a um agrupamento, incorporado à política externa dos países acima mencionados. Só no ano de 2011, na ocasião da Terceira Cúpula, a África adotou a sigla Brics.

Os analistas do projeto não têm dúvida de que o seu peso econômico é considerável, à luz dos seguintes dados: “até 2006 o grupo de países envolvidos representou 65% da expansão do PIB mundial”: em paridade de poder de compra, o PIB dos Brics já supera hoje o dos EUA ou o da União Européia. Para dar uma idéia do ritmo de crescimento desses países, em 2003 os Brics respondiam por 9% deste mesmo indicador e, em 2009, esse valor aumentou para 14%. Em 2010, o PIB conjunto dos 5 países (incluindo a África do Sul), totalizou 11 trilhões de dólares, ou 18% da economia mundial. Considerando o PIB pela paridade do poder de compra, esse índice é ainda maior: 19 trilhões de dólares, ou 25% do total.

Os dados reunidos pelos analistas da Goldman Sachs são tão impressionantes e eloqüentes que dispensam maiores artifícios mentais. E têm o mérito de demonstrar como cálculos surpreendentementes simples (muito diferentes das teorizações do Banco Mundial e do Fundo Monetário Nacional, por exemplo), podem chegar muito mais perto das verdades que interessam aos países desenvolvidos e aos que anseiam pelo desenvolvimento. O sucesso (embora o projeto ainda esteja no início) pode, em boa parte dos casos, ser uma mistura de competência, honestidade, boa fé e ousadia.



Os candidatos avulsos e os partidos

Por iniciativa do ministro Luiz Roberto Barroso, o STF (Supremo Tribunal Federal) abre a discussão sobre a as candidaturas avulsas, onde os pretendentes a cargo eletivo não têm filiação partidária.


Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.