Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O fortalecimento dos Brics

O fortalecimento dos Brics

18/06/2013 Floriano de Lima Nascimento

Um projeto dessa envergadura não nasce ao acaso, nem é fruto de elocubrações equivocadas de tecnocratas alheios ao bem estar da população. Idéias desse porte são produzidas por intelectuais e homens públicos dotados de ampla visão, que pensam na sociedade como um todo.

Quem tem acompanhado pela imprensa o noticiário sobre os Brics – o agrupamento Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – nos poucos órgãos da imprensa nacional que vêm dando cobertura ao tema, entre eles, O Debate, devem estar questionando a origem e a praticidade da ideia de se criar um bloco econômico formado por cinco potências médias para empreenderem um até hoje inédito esforço conjunto de desenvolvimento.

O fato que temos procurado analisar nesta série de artigos é uma contribuição do economista-chefe da Goldman Sachs, Jim O´neal,em estudo datado de 2001, intitulado Building Better Global Economic Brics. A idéia apresentou-se, desde o início, como categoria de análise nos meios econômicos e financeiros, empresariais, acadêmicos e de comunicação. Só no ano de 2006 o conceito deu forma a um agrupamento, incorporado à política externa dos países acima mencionados. Só no ano de 2011, na ocasião da Terceira Cúpula, a África adotou a sigla Brics.

Os analistas do projeto não têm dúvida de que o seu peso econômico é considerável, à luz dos seguintes dados: “até 2006 o grupo de países envolvidos representou 65% da expansão do PIB mundial”: em paridade de poder de compra, o PIB dos Brics já supera hoje o dos EUA ou o da União Européia. Para dar uma idéia do ritmo de crescimento desses países, em 2003 os Brics respondiam por 9% deste mesmo indicador e, em 2009, esse valor aumentou para 14%. Em 2010, o PIB conjunto dos 5 países (incluindo a África do Sul), totalizou 11 trilhões de dólares, ou 18% da economia mundial. Considerando o PIB pela paridade do poder de compra, esse índice é ainda maior: 19 trilhões de dólares, ou 25% do total.

Os dados reunidos pelos analistas da Goldman Sachs são tão impressionantes e eloqüentes que dispensam maiores artifícios mentais. E têm o mérito de demonstrar como cálculos surpreendentementes simples (muito diferentes das teorizações do Banco Mundial e do Fundo Monetário Nacional, por exemplo), podem chegar muito mais perto das verdades que interessam aos países desenvolvidos e aos que anseiam pelo desenvolvimento. O sucesso (embora o projeto ainda esteja no início) pode, em boa parte dos casos, ser uma mistura de competência, honestidade, boa fé e ousadia.



O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre