Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O futuro do Brasil comprometido

O futuro do Brasil comprometido

23/06/2018 Jacir J. Venturi

Foi um gesto destemido do ministro Paulo Renato inscrever o Brasil no exame Pisa, em 2000.

O então presidente Fernando Henrique teria questionado: “e se formos o último colocado?” O ministro argumentou que o Pisa é um dos instrumentos de maior credibilidade em avaliação educacional do mundo. Foram 32 países participantes naquele ano. Bingo! – ficamos em último: 56% dos estudantes de 15 anos avaliados em Matemática, Leitura e Ciências tiveram um desempenho de “quase analfabetos funcionais”, a boa distância do penúltimo colocado: o México, com 44%.

O Pisa 2015 – com 70 países avaliados, em um relatório de 966 páginas dividido em dois volumes – mantém o Brasil entre os últimos: 66.º em Matemática, 63.º em Ciências e 53.º em Leitura. Quando cotejados com os nossos coirmãos latino-americanos, lamentavelmente ficamos abaixo de Argentina, Chile, Uruguai, México, Costa Rica, Colômbia e Peru.

O desempenho dos nossos estudantes decresceu em relação à edição anterior (2012) e, considerando a média das três áreas citadas, o Brasil está na 64.ª posição, pois obteve apenas 401 pontos em 2015 contra uma nota média de 493 pontos dos participantes. Cada 40 pontos do Pisa equivalem a um ano de escola.

A partir dessa premissa, o nosso gap em relação à média dos países ricos é de 2,3 anos e, em relação ao primeiro colocado (Cingapura), é de 3,7 anos. Para ser mais didático, um adolescente cingapuriano de 11,3 anos tem a mesma proficiência de um aluno brasileiro de 15 anos.

Essa cidade-Estado nos oferece um bom modelo: cada professor dedica um mínimo de 100 horas por ano a cursos de capacitação. Em educação não há mágica. Elevar os gastos do setor não é suficiente, embora necessário para que os alunos permaneçam mais tempo na escola e para capacitar os nossos profissionais da educação e remunerá-los condignamente, adotando-se critérios meritocráticos.

Como já faltam recursos em outros setores, um salto dos atuais 5,8% para 10% do PIB para a educação pode ser deletério se mantivermos o atual status quo de deficiências na gestão, de descontrole nos gastos, de falta de comprometimento dos pais e despreparo e corporativismo de parte de nossos docentes.

O Pisa é aplicado a cada três anos com adolescentes de 15 e 16 anos – e ipso facto é um indicador de quanto o futuro do nosso país está comprometido. A agravante é que esse estudante brasileiro tem idade para estar no ensino médio, cujo desempenho foi sofrível em duas outras avaliações, também de 2015: o Ideb, com média 3,7 (numa escala até 10) e o Enem, igualmente em queda no comparativo com 2014.

É uma tragédia nacional que afeta especialmente as famílias de baixa renda, gerando ainda mais desigualdades sociais. E a única alternativa para que haja justiça social é oferecer educação de qualidade em todas as camadas da sociedade.

“A escola é a nova riqueza das nações. Passou a valer mais que a fábrica, o banco, a fazenda” – faz-se oportuno Peter Drucker, renomado consultor americano. Da lista dos 70 participantes do Pisa 2015, mais uma vez os sete primeiros colocados são asiáticos.

Reconhecidamente, esses países têm em comum a cultura de valorização e respeito ao professor. Ademais, adotam um currículo obrigatório mínimo, consentâneo com as habilidades valorizadas no mundo contemporâneo e nas provas do Pisa: raciocínio lógico, boa escrita, compreensão de texto e conteúdo adequado.

Já no Brasil, pontuando entre os últimos, houve indignação manifesta das famílias ou da sociedade? Nenhuma ou quase nenhuma. Comunidade silenciosa perpetua o fracasso!

* Jacir J. Venturi é coordenador da Universidade Positivo, professor e diretor de escolas privadas e públicas.

Fonte: Central Press



O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves