Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O futuro que eles querem

O futuro que eles querem

28/06/2012

Eu não tinha muita esperança na Rio+20, que acabou de acontecer no Rio de Janeiro, reunindo Chefes de Estado de mais de cem países, para discutir a sustentabilidade do planeta e assim tentar salvar o meio ambiente de nós mesmos.

Pois não era para ter, infelizmente. O resultado dessa Rio+20 repete o fiasco da Rio92. Ela resumiu-se a muitas promessas para conter a destruição do meio ambiente, a diminuição da pobreza e das desigualdades no mundo, mas sem a definição de como serão conseguidos os recursos para isso, de parâmetros  que apontassem de onde sairiam esses recursos para viabilizar o que está no documento firmado ao fim do encontro.

Tudo como dantes no quartel de Abrantes. Aliás, mais detalhes importantes para colocar em prática e tornar mais eficiente e eficaz o “acordo” firmado entre os representantes de tantos países presentes no Rio foram deixados de lado.

Os países ricos, por exemplo, trataram de jogar para escanteio alguns pontos importantes para o desenvolvimento da sustentabilidade, para que não tivessem que se enquadrar na “economia verde” prevista no documento “O futuro que nós queremos”. E assim continuarem a escalada de poluição e destruição.

"O que vemos aqui não é o mundo que queremos, é um mundo no qual as corporações poluidoras e aqueles que destroem o meio ambiente dominam", disse um ativista do Greenpeace Internacional. As ameaças ao nosso meio ambiente são muitas: desertificação, esgotamento dos recursos pesqueiros, contaminação, desmatamento, extinção de milhares de espécies e aquecimento global, e todas elas são reconhecidas por todos, mas o resultado da Rio+20 parece não ser o enfrentamento desses desafios.

O evento é muito importante para o mundo, sim. Mas o documento resultante não evidencia vontade política de mudar o caos em que está se transformando o nosso mundo. E nossos políticos, aqueles que representam a população do mundo, tem o dever e a obrigação de cuidar das pessoas e do planeta, fazendo leis que protejam os dois e cuidando para que sejam cumpridas.

Esses políticos, donos do poder, não estão fazendo o seu trabalho, o trabalho para o qual foram eleitos para fazer. E a Rio+20 deveria cobrar responsabilidades, no documento tirado. Qual é, mesmo, o futuro que eles querem?

Luiz Carlos Amorim é Coordenador do Grupo Literário A ILHA em SC, com 31 anos de atividades e editor das Edições A ILHA, que publicam as revistas Suplemento LIterário A ILHA e Mirandum (Confraria de Quintana), além de mais de 50 livros.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.