Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O gestor prudente

O gestor prudente

28/05/2019 Humberto Pinho da Silva

Conheci – já passaram algumas décadas – gestor considerado exemplar.

Sempre, que trabalhador era levado à sua presença, para ser repreendido, inteirava-se, primeiro, a influência que tinha entre os “seus”.

Após averiguações, obtidas facilmente, consultando “espias”, traçava a sentença:

Se era trabalhador, educado, cumpridor, e nada dado a politiquices, mas, infelizmente, por descuido, errara ou prevaricara, lançava, sobre ele, severa reprimenda, e castigava-o, com pena leve ou pesada, consoante a gravidade. Dizia ele, enfaticamente: “Era para dar o exemplo…”

Mas, se descobria que era influente sindicalista ou militante ativo de partido buliçoso, amaciava a voz, e aconselhava-o com prudência, concluindo: que tivesse cuidado, porque para a próxima, não sairia dali só com palavras amigas, mas com pesada pena.

Era prudente, como D. Afonso de Aragão, que sempre foi generoso com seus detratores. Certa ocasião – conta Manuel Bernardes – os amigos, estanhando a razão do insólito comportamento, inqueriram:

– Por que dá benesses a quem não lhe é fiel?

Ao que este respondeu:

– “Aos cães, dá-se-lhes sopa, para que não ladrem nem mordam.”

Assim agia o nosso astuto gestor, permeando, os operários, não pelo saber ou dedicação, mas pela influência política e amizades que contavam.

Havia na fábrica trabalhador, que por mais que se esforçasse, nunca era permeado por mérito. Bem via, com tristeza, que sempre havia recompensa para os que não sendo exemplares, eram membros de núcleos políticos, da empresa; mas, para ele, apenas haviam… promessas e mais promessas…

Cansado de esperar, assentou inscrever-se na secção decerto partido, e enchendo-se de coragem, deitou “faladura”. Todos ficaram estupefactos, e aplaudiram o neófito, que prometia lutar, defendendo os “seus”.

Soube atônito, o gestor, do sucesso. Mandou-o chamar, e com palavras mansas, declarou: que chegara sua vez, por ter sido leal e bom trabalhador…

Como o rei de Aragão, deu-lhe “sopa”, para que não viesse, depois, a ladrar… e morder…; até o promoveu por mérito! …

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.