Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O hábito

O hábito

27/07/2020 Humberto Pinho da Silva

É usual ouvir a cada passo: “F. teve berço”. Ter berço é ter sido educado nas regras da boa etiqueta e civilidade.

É de criança – o mais jovem possível, – que começa a educação. Ensina-se, não só regras exteriores: como se comportar, agir, e utilizar as palavras-chaves, que oleiam as relações interpessoais; mas, também, educar a alma, como recomendava Barrés.

Educar, é, portanto, incutir bons hábitos. Somos a sequência de hábitos, que se transformam em costume.

Cria-se o hábito, depois este molda-nos: fisicamente e espiritualmente, esculturando-nos, por dentro, subjugando o pensamento. Ficamos servos do hábito.

Controla-se o hábito no início, mas uma vez, enraizado, libertar-se, é quase humanamente impossível, incrustando-se na personalidade.

Há hábitos bons e hábitos malsãos; e os que nem são, uma coisa nem outra. Aparecem subtilmente, por: imitação de familiares, amigos, e com o convívio na coletividade.

Cortar radicalmente o hábito, requer força titânica. Adiá-lo: é chegar à ideia fixa. Para se avaliar a força do hábito, vou contar fábula, atribuída a Esopo:

Uma gatinha, por sortilégio, foi transformada em formosa menina.

Estando à mesa – presumivelmente em casa de aristocrata, – deslumbra um rato.

Por hábito (instinto?) saltou da cadeira, e foi em demanda do ratinho.

É que o carácter, é formado por hábitos (costume) adquiridos ao longo da vida.

A “menina” traiu-se, levada pelo hábito, agindo como gatinha que era.

Frei Tomé de Jesus, ao abordar o mal dos vícios, afirma: que são o mal de todos males: “Porque chamam uns tantos por outros, e abrem tanto caminho uns aos outros, que cada um deles parece que é a fonte de todo o nosso mal.” –  “Trabalhos de Jesus”.

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Administração de escritórios de advocacia requer planejamento e controle de fluxos

A maneira como uma corporação é administrada repercute diretamente em sua evolução.


Mortes e vidas virtuais

Um grande empresário da internet divulgou recentemente a criação de um universo totalmente on-line.


Contra a ignorância política e administrativa

A pesquisa da consultoria Quaest, que encontrou, entre os pesquisados, 78% que apenas “já ouviram falar” do STF e 80% do TSE e o não conhecimento das funções daqueles dois órgãos superiores, é a mais escandalosa prova da ignorância do povo que recentemente, em outro levantamento, também mostrou não saber o que faz o Congresso Nacional.


Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.