Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O Haiti não é aqui. Ou me engana, que eu gosto…

O Haiti não é aqui. Ou me engana, que eu gosto…

06/03/2010 Floriano de Lima Nascimento

Iniciado tarde da noite, em 12 de Janeiro deste ano, este artigo só acabou de ser redigido no meio da madrugada.

O motivo? Um programa especial no Eurochanel intitulado “A grande fome de 1933 na Ucrânia”. A necessidade de escrever era imperiosa, porque esta edição já estava sendo preparada, mas não assistir ao documentário estava fora de questão.

Para quem não sabe, o assunto em foco foi o genocídio cometido por Stálin contra a população da Ucrânia e de outras regiões soviéticas nos anos 32/33. Como o país se encontrava em grave crise, os políticos de Moscou resolveram confiscar tudo o que era produzido pelos ucranianos, levando à morte por inanição cerca de 10 milhões de pessoas. A coisa foi tão cruel que obrigou o povo à prática de canibalismo. Idosos, crianças e até defuntos eram preparados e comidos, para aplacar a fome insuportável, num inverno que, freqüentemente, atingia vários graus abaixo de zero. A qualquer sinal de resistência, a resposta era a execução sumária.

É um dos episódios mais obscuros, cruéis e estúpidos do século XX, até agora mantido em segredo ou negado por pessoas que participaram do regime soviético. Ao lado de outros fatos conhecidos sobre a brutalidade dos governos ali instalados, desde a Revolução Russa, a revelação dessas atrocidades reforça em nós a convicção, fortalecida ao longo dos anos, de que não há diferença entre a ação de extremistas, qualquer que seja o seu credo. Humanismo? Essa gente tem desprezo por isso. A diferença é que nenhuma pessoa razoavelmente ajuizada tem a coragem de defender publicamente o extremismo de direita, enquanto é corriqueiro, entre pseudo intelectuais que se consideram politicamente avançados, proclamarem as idéias totalitárias engendradas pela “Cultura Socialista”. Quanta ignorância! A par de desconhecimento da História, revelam alienação, frieza e cinismo diante do sofrimento humano. Bem, mas o que deveria ser um parágrafo introdutório a um artigo sobre a tragédia haitiana foi transformado, por uma lufada de indignação, em catilinária contra a ignorância política, mas há uma logicidade, ainda que hedionda, no fato de que os horrores aqui tratados pertencem ao mesmo universo de loucura e inconseqüência que tem marcado a trajetória humana desde os primórdios da História. Voltaremos ao assunto, oportunamente.

Sobre a catástrofe haitiana, Mauro Santayana, um dos mais qualificados jornalistas que já trabalharam na redação de O Debate, afirma que a ocupação do Haiti só terminou em 1934, quando o presidente Roosevelt, dos Estados Unidos, retirou suas tropas, embora tenha continuado a “proteger” o país. Diz ele:

“O território ocidental da ilha de São Domingos, que passou ao domínio francês em 1697, por cessão da Espanha, se transformou em imenso canavial, com a importação de escravos. Durante o século 18, o Haiti (que significa, na língua nativa, terra montanhosa) viu extinta sua população indígena. Em 1781, dos 556 mil habitantes, 500 mil eram negros, e o resto se formava de mulatos e brancos europeus. A terra, ocupada pela cana e culturas menos importantes, foi arrasada pela exploração colonial predatória. No início de 1790, animado com a Revolução Francesa, o negro Vincent Ogé chefiou uma insurreição contra os franceses, mas foi capturado, torturado e executado. Toussaint Louverture retomou o movimento no fim da década, e depois de muita luta venceu as tropas napoleônicas em 1802. Os franceses traíram o compromisso e o aprisionaram. Louverture morreu em Paris. Finalmente, em 1804, os haitianos obtiveram sua independência, só de fachada. Foi o segundo país da América a se tornar formalmente autônomo: o primeiro foram os Estados Unidos”.

Desgraçadamente para os haitianos, o poder nos anos seguintes, seria tomado por René Duvalier (Papa Doc) por seu filho Jean Claude e outros, que impuseram ali o terror e o atraso. 

O jornalista português, radicado no Brasil, João Pereira Coutinho, afirma que a tragédia haitiana não resulta apenas de acontecimentos naturais, mas também da incúria da corrupção e da tirania humanas, além da miséria material. Para ilustrar seu pensamento, ele menciona ensaio publicado em 2005 por Mathew Kahn em revista do MIT, intitulado “The Death Roll from Natural Disasters: the Role of Income, Geography and Institutions” (a lista da morte por desastres naturais: o papel da renda, da geografia e das instituições). Entre outros dados, ali está registrado que, entre 1980 e 2002, arco temporal do estudo, Estados Unidos e Índia sofreram, o primeiro 14 e a segunda 18 grandes terremotos, que ocasionaram, no primeiro caso 143 e, no segundo, 32.117 mortos. É uma diferença brutal! Brian Tucker, do The Guardian, ao comentar que a tragédia haitiana poderia ter sido menor, afirma que ela só atingiu essas proporções em razão de construções erguidas de modo irresponsável, o que inclui até o prédio da ONU (que desabou por completo nos primeiros momentos da catástrofe, matando várias pessoas, inclusive o brasileiro representante da entidade naquele país).

Queremos que o leitor de O Debate utilize o mesmo raciocínio pra analisar as tragédias cotidianas registradas no Brasil, envolvendo homicídios, acidentes de trânsito e catástrofes naturais, como a ocorrida em Angra dos Reis no final do ano. Para não falar em outros. Todas resultam da incúria, da incompetência e da falta de empenho em resolver os problemas da população. Nossas cidades, incluídas as capitais, não resistem mais a uma hora de chuva!

Pode-se afirmar que, além das regiões mais pobres do interior do Brasil, existem haitis em todas as periferias das grandes cidades - resultado da ausência de educação, desenvolvimento econômico, saúde e saneamento básico - que não recebem a prioridade devida no planejamento, em seus vários níveis. Isso para não falar na falta de segurança alimentar, que mal é discutida entre nós. Voltaremos ao assunto a qualquer hora dessas para mostrar que existem milhões de brasileiros expostos a catástrofes de todo o tipo, devido à falta de políticas públicas capazes de protegê-los.

“Somos sem sorte, é verdade. Somos miseráveis, é verdade. Você sabe por que, irmão? Por causa da nossa ignorância. Mas ainda não conhecemos a força que somos. Algum dia, nós nos levantaremos de um lado a outro do país e convocaremos uma assembléia geral dos governadores do orvalho, sairemos todos da pobreza e plantaremos uma nova vida” (Roumain, poeta haitiano, pouco antes de morrer, em 1944, aos 37 anos)

* Floriano de Lima Nascimento é Editor-chefe, escritor e professor de Direito Econômico, Membro do Instituto Histórico e Geográfico e da Arcádia de Minas e ex-presidente da Fundação Brasileira de Direito Econômico



Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso