Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

11/06/2024 André Barros

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Superando o recorde de 4,76 metros registrado em 1941, o nível da água do Guaíba, em Porto Alegre, chegou a uma elevação de 5,35 metros, impossibilitando a contenção por diques, comportas e casas de bombas construídas na década de 1970.

Segundo registros oficiais, 445 municípios foram afetados pelas enchentes, com bairros inteiros sendo destruídos.

O episódio gerou, principalmente, uma crise humanitária, com centenas de mortes registradas e mais de 580 mil pessoas desalojadas.

Para além da falta de moradia, os gaúchos também tiveram seus trabalhos, plantações e criações devastadas, fazendo com que muitos atingidos passassem a depender de doações e apoios governamentais para enfrentar este momento tão difícil, que ainda deve deixar um legado de desafios também sob o ponto de vista econômico.

Segundo dados do MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços), o Rio Grande do Sul foi o 6º estado que mais contribuiu para o superávit da balança comercial brasileira em 2023, respondendo por US$ 8,6 bilhões do total de US$ 98,9 bilhões registrados, sendo responsável ainda por US$ 22,3 bilhões de toda a exportação e por US$ 13,8 bilhões de toda importação brasileira em 2023.

Nesse contexto, o agronegócio e a indústria são os principais destaques do setor produtivo do estado, sobretudo quando falamos de comércio exterior.

E diante da paralisação, atraso e perdas nas colheitas, postos de armazenamento e linhas de produção, o impacto financeiro que será causado no setor, certamente, será inevitável.

Mesmo nos raros casos em que a produção não foi tão afetada, outra barreira são ainda os estragos causados na infraestrutura logística local.

Um impacto significativo que deve puxar um pouco para baixo os resultados do comércio exterior brasileiro no acumulado anual.

Porém, apesar do prognóstico desfavorável, cabe ressaltar que o Brasil, como um país de dimensões continentais, encerrou 2023 com recorde de exportações, alcançando os US$ 339,67 bilhões e superando em 1,7% os números de 2022.

Resultados esses que possibilitam que os demais estados da nação se unam ao governo federal não só para fornecer ajuda ao Rio Grande do Sul, como em uma atuação proativa em prol da concessão de acordos comerciais imprescindíveis neste momento.

Recentemente, o governo federal já anunciou a isenção de tarifas para a importação de arroz, que ajudará a suprir a demanda nacional sem aumento excessivo nos preços repassados aos consumidores, medidas para facilitar o acesso a crédito dos produtores rurais, que serão dispensados de apresentar a Certidão Negativa de Débitos para ter acesso a financiamentos, e o custeamento de R$ 1 bilhão para concessão de desconto de juros para empréstimos concedidos no Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) e no Pronamp (Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural).

Porém, apesar de serem de grande valia e cruciais para ajudar a população neste momento de recuperação, ainda é preciso mais.

Até porque, além da produção de arroz, por exemplo, o Rio Grande do Sul também é referência no país em outras frentes, como cultivo de soja, milho e criação de suínos e frangos, que também precisarão de benefícios para poderem se reestruturar.

Lembrando que os prejuízos financeiros não terminam com o fim das enchentes. Afinal, apenas no setor habitacional, a Confederação Nacional de Municípios (CNM, 2024) estima prejuízos na casa dos R$ 4,4 bilhões, considerando reconstrução e reparo de residências.

Além disso, há ainda que se considerar o aumento de gastos com saúde pública, resgates e o período necessário para reabertura e normalização do comércio e do turismo, que levarão algum tempo para se normalizar.

Até lá, a prioridade agora deve seguir sendo a de proteger as vidas dos gaúchos, garantindo que tenham suas necessidades básicas supridas.

Em paralelo, investir em medidas econômicas eficientes, atreladas ao mapeamento de áreas de risco, infraestrutura, preservação das áreas verdes e monitoramento e alerta precoce de eventos climáticos perigosos, também se faz crucial e urgente. E isso contribui para a recuperação do Rio Grande do Sul e para o futuro de toda a nossa nação, em geral.

* André Barros é CEO da eCOMEX, empresa brasileira com atuação em toda América Latina, especializada no desenvolvimento de aplicativos para a gestão de operações e processos envolvidos na área de comércio exterior.

Para mais informações sobre balança comercial clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X

Quem somos

Fonte: Via News



8 de janeiro

Venho aqui versar a defesa Dos patriotas do “mal”

Autor: Bady Curi Neto


Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli