Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O jornal de papel, não vai acabar

O jornal de papel, não vai acabar

06/10/2011 Dirceu Cardoso Gonçalves

O surgimento das novas tecnologias e formatos leva, invariavelmente, à dúvida quanto à sobrevivência das formas anteriores de comunicação. O advento da televisão fez o povo perguntar se acabariam o rádio e o cinema, já que a TV reunia os dois, mas ambos não acabaram.

Nos últimos anos, o avanço da internet dá margem à especulação de que, dado sua eficiência, velocidade e “onipresença”, decretaria o fim do quadricentenário jornal de papel e seus similares. (O primeiro jornal do mundo foi o “Relationen”, de Estrasburgo, em 1605). Mas, se o jornal de papel um dia desaparecer, será mais fácil isso ter ocorrido pela escassez de matéria-prima do que pela concorrência da internet ou de outros meios que ainda estão por vir. Assim como o velho rádio – que deixou de abrigar os outrora famosos programas de auditório, as novelas e rádio-teatro – e o cinema, que havia em todos os bairros e hoje é mais seletivo, o jornal está se adaptando ao novo status da sociedade e parte deles, por diferentes razões, poderá até trocar o papel pelo meio eletrônico.

Isso já ocorreu com o tradicional “Jornal do Brasil”, do Rio de Janeiro. A internet, em vez do voraz destruidor, aos poucos, se transforma em ferramenta eficiente aos veículos tradicionais. O rádio extrapola os limites das ondas de seus transmissores e ganha o mundo através do sistema de “rádio-web”. O cinema deixa o restrito mercado das salas de exibição e ganha, na rede mundial, um potente meio de distribuição. E o jornal caminha na mesma direção do rádio e do cinema, através das edições “on-line”. Muitos deles já se utilizam das modernas ferramentas que permitem colocar na rede a réplica verdadeira do “jornal de papel”. Como todo meio novo, a internet ainda carece de ajustes. Há que se resolver, por exemplo, o controle dos direitos autorais, a segurança das senhas e a legislação para o seu controle, que tem de ser muito bem elaborada e jamais conter o condão de censura.

Essas dificuldades pendentes ainda demandarão muito trabalho dos especialistas, das autoridades e dos usuários, mas não invalidam o grande avanço que o meio proporciona. No estágio atual, as redes sociais, sites e páginas sem qualquer tradição são céleres ao veicular notícias e outras informações. Mas isso não invalida o consagrado trabalho das empresas jornalísticas e dos jornalistas que também podem utilizar a rapidez do meio para dar a primeira informação de um fato, mas continuam na sua apuração e avaliação do ocorrido para oferecer a informação completa na próxima edição. Aliás, o jornal de papel, há muito tempo, já sofre essa concorrência de celeridade por parte do rádio e da televisão, mas sempre tem sido o fiel da balança, ao oferecer a notícia consolidada. Via de regra, quando sua edição circula, já houve a devida maturação das noticiais e, muitas vezes, a primeira versão é corrigida pela versão verdadeira.

Ainda mais: apesar de já existir a chancela eletrônica, a página de jornal, ou seu recorte, ainda é a grande testemunha das notícias e dos atos oficiais, até para fins jurídicos. Por mais meios de comunicação que surjam, a comunidade sempre estará afeita à informação vinda das publicações reconhecidas, sejam elas dos gigantes nacionais – Estado, Folha, Globo, etc – ou dos regionais que gozam da mesma credibilidade na área onde circulam. Cada dia mais, será irrelevante o formato de chegada ao leitor, se pela internet, rádio, tv, revista ou jornal de papel. O principal valor está na credibilidade da empresa e dos profissionais que produzem a informação...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira


Desafios da proteção de dados e a fraude na saúde

Segundo o Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) R$ 34 bilhões dos gastos das operadoras médico-hospitalares com contas e exames, em 2022, foram consumidos indevidamente por fraudes, como, por exemplo, reembolso sem desembolso, além de desperdícios com procedimentos desnecessários no país.

Autor: Claudia Machado


Os avanços tecnológicos e as perspectivas para profissionais da área tributária

Não é de hoje que a transformação digital vem impactando diversas profissões.

Autor: Fernando Silvestre