Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

10/02/2020 Dario Luiz Dias Paixão e Angélica da Cunha Molteni

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.

Não é novidade que a imagem do Brasil no exterior seja negativa, controversa, ambígua e difusa graças a dezenas de anos de equívocos, desleixos, falta de investimentos e também de profissionalismo.

O estereótipo de país da festa, da sensualidade, do sexo fácil, da preguiça e do jeitinho nos remete a um país visto com preconceitos, potencializado pela reputação de desigual, violento, protecionista e descuidado com o meio ambiente.

A gritante falta de uma política clara, abrangente, atual e global em relação ao produto Brasil que valorize nossa hospitalidade, musicalidade, multiculturalidade, gastronomia e patrimônios histórico-culturais desemboca em dificuldades de comunicar nossa identidade e valorizar a diversidade da nação.

O marketing internacional do país serve para aumentar o fluxo de visitantes de lazer e de negócios; atrair investimentos nos setores produtivos e aumentar as exportações das empresas brasileiras.

Quem supera o medo da violência brasileira e visita o país, sente-se incomodado pela dificuldade de comunicação em outros idiomas ou pela falta de limpeza de nossas cidades. Somente nossos atrativos e a simpatia do povo brasileiro não são suficientes para gerar renda e emprego.

Por isso, estamos estagnados com menos de 0,5% do turismo e do comércio mundial há anos. Pasmem: em 2018, a República Dominicana arrecadou mais com o fluxo de estrangeiros que o Brasil.

Um produto ou serviço brasileiro para ser vendido no exterior precisa de preços competitivos, qualidade acima da média, valor agregado e marca respeitada.

Essa última é a ponta do iceberg do marketing internacional e, quando forte, tem o poder de comunicar valores intangíveis, tais como a seriedade para os negócios ou a hospitalidade de uma nação.

Não é fácil construir uma marca com impacto positivo, mas um bom exemplo foi o premiado Plano Aquarela (2004-2018), com uma marca bonita e eficiente que comunicava bem o Brasil para o exigente e competitivo mercado global.

Já a nova marca é ambígua, amadora e constrangedora para o design brasileiro. Apenas observou-se o mérito de economizar dinheiro público. O famoso barato que sai caro.

Não há desculpas para a promoção amadora de nosso país. São inúmeros os bons cases pelo mundo (a marca Visit Peru é um ótimo exemplo); há profissionais de ponta na Embratur e na Apex-Brasil (mas sofrendo mandos e desmandos políticos); especialistas em marketing de destinos e lugares nos Convention & Visitors Bureaux, agências de desenvolvimento, federações das indústrias, Sebrae e câmaras de comércio (todos com orçamento limitado), e melhorarmos a divulgação realizada até o início dos anos 1990 (da mulher, praia carnaval e futebol).

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores. Urge aumentar a renda e diminuir o desemprego com o auxílio de um planejamento estratégico, evitando os constantes cortes de verbas do já limitado, mal explorado, menosprezado e deficiente produto que oferecemos.

Marketing internacional é árduo e com muitas variáveis incontroláveis. Enquanto isso, por nossa expertise em descontinuidade, seguimos criando polêmicas com uma marca similar à de uma farmácia popular e com a divulgação de uma dupla sertaneja como embaixadora do turismo brasileiro.

Aliás, como mudar a imagem Brazil, sem mudar o produto Brasil?

* Dario Luiz Dias Paixão é doutor em Gestão do Turismo, professor de Negócios Internacionais e Turismo e coordenador-geral de Pós-Graduação da Universidade Positivo.

* Angélica da Cunha Molteni é mestre em Turismo e professora de Gestão de Eventos da Universidade Positivo.

Fonte: Central Press



Governar com economia e sem aumentar impostos

Depois de alguns tiros no pé, como as duas Medidas Provisórias que o presidente editou com o objetivo de revogar ou inviabilizar leis aprovadas pelo Congresso Nacional - que foram devolvidas sem tramitação - o governo admite promover o enxugamento de gastos.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


A poderosa natureza

O dinheiro é um vírus que corrompe tudo e quando a pessoa se “infecta”, dificilmente se livra.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


A maior eleição do mundo e o nacionalismo hindu

O ano de 2024 está sendo considerado o superano das eleições pelo mundo. Ao todo, mais de 50 países terão pleitos variados, dentre os quais o Brasil e os Estados Unidos.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


8 de janeiro

Venho aqui versar a defesa dos patriotas do “mal”

Autor: Bady Curi Neto


Aborto legal e as idiossincrasias reinantes no Congresso Nacional

A Câmara dos Deputados, em uma manobra pouco ortodoxa do seu presidente, aprovou, nessa semana, a tramitação em regime de urgência do Projeto de Lei nº 1904/2024, proposto pelo deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), integrante da ala bolsonarista e evangélica, que altera, sensivelmente, as regras de tratamento do crime de aborto.

Autor: Marcelo Aith


Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Autor: Alysson Nunes Diógenes


Primeiro semestre: como estão as metas traçadas para 2024?

O que mais escutamos nas conversas é: “Já estamos em junho! E daqui a pouco é Natal!”

Autor: Elaine Ribeiro


Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso