Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O mito do ranking de rentabilidade

O mito do ranking de rentabilidade

22/12/2011 Mauro Calil

A cada fechamento de mês, trimestre, semestre ou ano, as associações e instituições que trabalham essencialmente com investimento disponibilizam o ranking das melhores aplicações financeiras do período em questão.

No bloco da renda fixa, formado pela caderneta de poupança, pelos diversos títulos do tesouro, fundos DI, CDB’s etc, há pouca ou quase nenhuma novidade. Salvo mudanças muito significativas nas variáveis macroeconômicas, incluo aqui a legislação em vigor, os vagões são dispostos em certa ordem no trilho econômico, que deverá permanecer o mesmo de 01 de janeiro a 31 de dezembro. Note que no bloco da renda fixa, sistematicamente são esquecidas as debêntures. Afinal, sabem o que é uma debênture e têm acesso a elas aqueles que já possuem um certo conhecimento de investimento e também já têm o hábito de investir. Já no bloco da renda variável, mais sujeito a emoções diárias determinadas pelos humores de investidores e mercados internacionais, vemos que em um período a bolsa é melhor, em outro pior.

Em outra fase, o ouro ganha e o dólar perde. Ou então, a forte valorização dos imóveis se sobrepõe a outros investimentos em determinada época. E como em um campeonato, o líder do ranking é muito bajulado e assediado por inúmeros fãs de ocasião. A regulamentação vigente obriga que os prospectos de produtos financeiros mostrem, além de sua rentabilidade, a seguinte frase: “Rentabilidade Passada Não é Garantia de Rentabilidade Futura”. Isto serve para proteger, ou melhor, alertar o consumidor daquele produto financeiro sobre seu primeiro grande erro na percepção de qualidade do que está adquirindo. A percepção de qualidade do consumidor financeiro se refere somente, e repito o somente, à rentabilidade passada. Tal percepção foi forjada por anos de altas taxas de inflação, quando se faziam aplicações financeiras escolhendo a melhor rentabilidade diária. Lembro que as alternativas de produto eram poucas àquela época, quando comparamos com os dias atuais.

Para corrigir o problema, deve o poupador desenvolver uma perspectiva de rentabilidade futura, ainda que mais qualitativa que quantitativa, ou mesmo a instituição financeira oferecer seus panoramas de curto, médio e longo prazo, para que a tomada de decisão final tenha olhos no futuro e não no passado. Também não faz parte da percepção de qualidade outros dois importantes ingredientes de uma aplicação financeira: a liquidez e a segurança. Muitos investem em caderneta de poupança e aumentam seus investimentos nela quando ela passa a liderar o ranking de rentabilidade, mas desconhecem os riscos que correm. Muitos se dizem investidores de longo prazo, mas salientam ao gerente do banco que querem poder retirar seu dinheiro a qualquer momento que precisarem. Rentabilidade que muda muito e liquidez e segurança que oscilam, em conjunto, pouco ou nada devem ajudar a formar a decisão final de investimento. Desta forma, os investimentos passam a ser mais consistentes e a produzirem melhores resultados a despeito das oscilações, rumores e humores.

Mauro Calil* é palestrante, educador financeiro e autor do livro “A Receita do Bolo”.



Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Como a integração entre indústria e universidade pode trazer benefícios

A parceria entre instituições de ensino e a indústria na área de pesquisa científica é uma prática consolidada no mercado que já rendeu diversas inovações em áreas como TI e farmacêutica.

Autor: Thiago Turcato


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O voto jovem nas eleições de 2024

O voto para menores de 18 anos é opcional no Brasil e um direito de todos os adolescentes com 17 ou 16 anos completos na data da eleição.

Autor: Wilson Pedroso


Um novo e desafiador ano

Janeiro passou. Agora, conseguimos ter uma ideia melhor do que 2024 reserva para o setor de telecomunicações, um dos pilares mais dinâmicos e relevante da economia.

Autor: Rafael Siqueira