Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O novo normal e a justiça!

O novo normal e a justiça!

29/11/2021 Bady Curi Neto

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.

Se hoje carregamos no bolso um computador de última geração, que fotografa, faz cálculos, fornece as direções via GPS, traz consigo agendas, internet, informações jornalísticas instantâneas, redes sociais e, ainda serve para telefonar, isto se deve o evoluir da tecnologia.

Graças a estes e outros recursos o mundo se tornou mais otimizado em todos os campos, desde a construção civil, direito, medicina, ciência, permitindo, inclusive o desenvolvimento de uma vacina em tempo recorde contra um vírus pandêmico e mortal à raça humana, o nefasto Sars Covid- 19.

No campo jurídico as ferramentas tecnológicas possibilitaram, praticamente, a extinção dos processos físicos, em forma racional, com benefícios, inclusive, para o meio ambiente.

Neste mesmo diapasão, no auge da pandemia, a Justiça não restou paralisada, permitindo audiências, julgamentos e despachos entre advogados e magistrados na modalidade virtual.

Todas estas e outras mudanças, em razão da Covid-19, foram denominadas como sendo o novo normal, que na realidade nada mais é do que dar um tratamento a excepcionalidade, ao incomum, ao extranormal de forma possível e adaptativa para a situação anômala vivenciada em razão da pandemia.

Ocorre que, apesar dos benefícios do progresso tecnológico, algumas tarefas, no campo jurídico, em situação de regularidade devem voltar, a meu ver, ao antigo “normal”, a exemplo das audiências, julgamentos e despachos entre advogados e magistrados.

Isto porque, apesar da facilidade de audiências, sustentações orais perante os tribunais e despachos por vídeoconferência, a mesma não reproduz a interação do “cara a cara”, “olhos nos olhos”.

Nos julgamentos/audiências virtuais torna-se difícil interpretar as reações das pessoas que participam. Nada impede, por exemplo, que uma testemunha seja instruída por uma das partes através de um ponto de comunicação no ouvido, invisível da forma virtual, o que, por evidente não ocorreria em ambiente presencial.

E não se diga que se trata de anacrônico conservadorismo, certo de que nem toda tecnologia pode substituir a presença do homem ou mesmo o próprio homem.

Se esta fosse uma verdade absoluta não necessitaríamos de magistrados, colocar-se-ia os fatos de uma demanda/disputa jurídica em um computador e este apresentaria o resultado da lide.

O Direito é uma ciência jurídica/social, o contraditório, a defesa, o despacho do advogado com o julgador para chamar a atenção de determinados pontos do processo, torna a possibilidade de uma decisão mais acertada, é curial.

No auge da pandemia, evidente que era melhor a videoconferência do que a paralisação da Justiça. O distanciamento desumaniza a Justiça, tornando-se sinônimo de injustiça, além de poder ocorrer fraudes como o exemplo do ponto de comunicação de testemunhas e partes do processo, queda de internet proposital, entre outros.

Devemos adaptar ao caos, mas não eternizar o “modus vivendi” depois de seu fim, sob pena de tornarmos real a estrofe do poema “7 razões para não chorar”, de Cassiano Ricardo, que nos diz “Subtraído à lei da gravidade perdi a noção do que é grave”.

Tenho dito!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre videoconferência clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Viver desequilibrado

Na Criação, somos todos peregrinos com a oportunidade de evoluir. Os homens criaram o dinheiro e a civilização do dinheiro, sem ele nada se faz.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Mar Vermelho: o cenário atual do frete marítimo e seus reflexos globais

Como bem sabemos, a crise bélica no Mar Vermelho trouxe consigo uma onda de mudanças significativas no mercado de frete marítimo nesse início de 2024.

Autor: Larry Carvalho


O suposto golpe. É preciso provas…

Somos contrários a toda e qualquer solução de força, especialmente ao rompimento da ordem constitucional e dos parâmetros da democracia.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves