Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O outro lado do balcão

O outro lado do balcão

13/04/2019 Antonio Carlos Lopes

O assunto do dia, quando se fala em atendimento e qualidade de vida ao cidadão, é a Telemedicina.

Empresas de tecnologia, entidades médicas, gestores, planos e operadoras de saúde, só para citar alguns exemplos, debatem exaustivamente se é ou não a salvação para todos os problemas e mazelas da assistência aos cidadãos.

Todas as novidades, obviamente, trazem prós e contras. Contudo, diz a história da humanidade, o copo nem está meio cheio quanto parece aos otimistas nem tem menos da metade de seu conteúdo, como querem ver os pessimistas. Fato é que meio copo de água, por exemplo, contém exatamente a metade de sua capacidade em volume.

Assim, em meio à polêmica, certo é que há porta-vozes para defender os interesses dos mais diversificados, boa parte inclusive contestável. Existem aqueles que só olham para seu ganha-pão profissional, os corporativistas, os que visam exclusivamente ao lucro, empresários mercantilistas, e até os que pensam no bem-estar da coletividade em termos de acesso, qualidade de atendimento e boa oferta de saúde, infelizmente – um grupo ainda minoritário.

No Canadá, e em outros países cultural e economicamente mais avançados do que o Brasil, a Telemedicina funciona muito bem, graças a Deus.

A questão é que a base do atendimento é completamente diferente. Por exemplo, as especialidades médicas são direcionadas apenas para os atendimentos mais complexos. Todo o restante, ou seja, a assistência primária, é realizado pelo clínico médico ou por médicos de família.

Nessas nações, também se tem como prioridade a promoção e a prevenção. Bem diferente do Brasil, em que o foco é a doença. Por aqui, esperamos primeiro que a enfermidade se manifeste para, então, entrar com a intervenção curativa.

Em um cenário com tal distorção, nem Telemedicina nem milagre resolverão os gargalos da rede de saúde e a deficiência nos cuidados aos cidadãos. É urgente rever a sistematização e as políticas do setor, para vislumbrar um caminho de eficácia e resolubilidade.

Outra prioridade é regatar os princípios da humanização da Medicina. Desde as faculdades, os futuros doutores devem ter a consciência de que paciente tem nome e sobrenome. O indivíduo enfermo não pode ser visto como um número de quarto ou um usuário do plano de saúde X, Y ou Z.

Medicina de qualidade tem como premissa gostar de gente. Portanto, somente aquele que tem respeito e apreço por seu semelhante pode exercer profissão relevante com a nobreza que lhe é inerente.

Certeza ainda é que não existe Medicina quando se olha focando os rendimentos do mês ou o enriquecimento acima de tudo. Saúde é coisa séria, da mesma forma que gente é para ser feliz, como diria o poeta.

Não existe felicidade na doença, como bem sabemos.

* Antonio Carlos Lopes é presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica.

Fonte: Acontece Comunicação e Notícias



Muito além do chip da beleza

Você, com certeza, nos últimos meses já ouviu falar do famoso “chip” da beleza.


Educação para poucos é o avesso de si

Intitulado “Reimagining our futures together: A new social contract for education”, um estudo recente da Unesco é categórico logo nas primeiras páginas: “Nossa humanidade e Planeta Terra estão sob ameaça”.


Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Tenho experimentado que o “traço de mãe”, plantado por Deus no coração de cada mulher que Ele criou, vai além da capacidade de gerar filhos, biologicamente.

Mãe: Florescer é não se esquecer de viver!

Bullying: da vítima ao espectador

O bullying é um tipo particular de violência, caracterizado por agressões sistemáticas, repetitivas e intencionais, contra um ou mais indivíduos que se encontram em desigualdade de poder, gerando sofrimento para as vítimas, agressores e comunidade.


Desafios e oportunidades para o saneamento

Considerado um dos menos atrativos na infraestrutura, o setor de saneamento passa por uma profunda mudança de paradigma com a aprovação da Lei 14.026/2020.

Desafios e oportunidades para o saneamento

Os desafios de lidar com maternidade e realização profissional

A experiência da maternidade é o momento mais importante na vida da mulher, no entanto um dos mais preocupantes também.


Como a inteligência de dados auxilia o Open Finance

Imagine que a sua televisão está com defeito. Você busca um modelo um pouco melhor na internet (afinal, você merece) e decide comprá-la em algumas suaves prestações.


Evolução da telessaúde

Maior segurança e respeito à autonomia de profissionais e pacientes.


Explore seu universo de possibilidades

Você sabia que o ser humano enfrenta em média 23 adversidades por dia?


Um doidivanas incorrigível

Todos reconhecem Camilo Castelo Branco, como escritor talentoso. Admiram-lhe a riqueza do vocabulário e a vernaculidade da prosa.


O metaverso vem aí e está mais próximo do que você imagina

Você, assim como eu, já deve ter ouvido falar no Metaverso.


Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).