Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O paciente do século XXI

O paciente do século XXI

10/03/2018 Raul Canal

Consumidor de serviços de saúde. É assim que quer e deve ser tratado o paciente do século XXI.

Por quase dois mil e quinhentos anos, desde Hipócrates (460aC – 370aC) até o crepúsculo do milênio passado, o médico teve o monopólio do conhecimento e da informação. Ninguém tinha uma enciclopédia médica residencial e, tampouco, ia a uma biblioteca, após a consulta, para pesquisar sobre sua doença.

Com a democratização da informação, passamos a carregar todas as enciclopédias no bolso em nossos smartphones e esse monopólio deixou de existir. O paciente do século XXI é extremamente bem informado, totalmente esclarecido e a cada dia mais exigente e menos tolerante a qualquer evento adverso ou resultado danoso.

O paciente do século XXI não aceita mais ser o sujeito passivo na relação com o seu médico. Ele quer cooperar. Ele quer ser co-partícipe. Ele quer, em parceria com seu médico, compreender a sua sintomatologia e, a partir dela, avaliar todas as hipóteses diagnósticas possíveis, para chegar ao diagnóstico mais plausível.

Depois de tal compreensão e analisadas todas as condutas terapêuticas aplicáveis, orientado pelo seu médico, ele quer, de forma independente e autônoma, decidir qual a melhor terapêutica a que irá se submeter, estribado no trinômio: custos, riscos e benefícios.

Essa autonomia de vontade não é simplesmente porque ele assim o deseja. Não se configura em um simples capricho. Ele tem três diplomas legais (Código do Consumidor, Código Civil e Código de Ética Médica) que lhe asseguram esse direito.

O médico, que sempre teve uma formação paternalista e fora acostumado a um relacionamento verticalizado com seu paciente, precisa estar atento a essa nova realidade comportamental e se preparar para atender a esse novo perfil de paciente.

O profissional que não compreender – ou não admitir esse novo regramento relacional – estará vulnerabilizado a um desgaste com seu paciente e até mesmo à judicialização do seu relacionamento, além de exposições difamatórias nas mídias digitais. Conversa ainda é o melhor remédio.

Em duas décadas defendendo médicos, percebi que o número de processos é infinitamente menor com profissionais que atuam em estruturas de saúde desenhadas de forma que tenham tempo para uma anamnese mais completa, conversando com seus pacientes de maneira mais demorada.

O importante é que o paciente precisa e deve ser muito bem informado. E, quando falamos em “bem informado”, não nos referimos à ´quantidade´ de informações, mas sim à QUALIDADE da informação. A informação precisa ser clara, concisa, objetiva e compreensível o suficiente para uma tomada de decisão.

Caso isso não ocorra, o médico poderá sofrer outro tipo de condenação, o da negligência informacional, que o torna responsável por ter assumido o risco de produzir um resultado danoso, sem o conhecimento do paciente.

* Raul Canal é advogado e presidente da Anadem (Sociedade Brasileira de Direito Médico e Bioética).



O metaverso vem aí e está mais próximo do que você imagina

Você, assim como eu, já deve ter ouvido falar no Metaverso.


Indulto x Interferência de Poderes

As leis, como de corriqueira sabença, obedecem a uma ordem hierárquica, assim escalonadas: – Norma fundamental; – Constituição Federal; – Lei; (Lei Complementar, Lei Ordinária, Lei Delegada, Medida Provisória, Decreto Legislativo e Resolução).


Você e seu time estão progredindo?

Em qualquer empreitada, pessoal, profissional ou de times, medir resultados é crucial.


Propaganda eleitoral antecipada

A propaganda para as eleições neste ano só é permitida a partir do dia 16 de agosto.


Amar a si mesmo como próximo

No documentário “Heal” (em Português, “Cura”), disponível no Amazon Prime, há um depoimento lancinante de Anita Moorjani, que, em Fevereiro de 2006 chegou ao final de uma luta de quatro anos contra o câncer.


O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.