Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O poder da ação

O poder da ação

10/03/2017 José Pio Martins

Fui convidado para participar de uma mesa-redonda sobre empreendedorismo.

Faziam parte da sessão alguns homens de sucesso, que foram chamados para narrar suas histórias e as práticas que os tornaram bons empreendedores. Eu fui convidado mais por meus conhecimentos de economia e administração do que por outra razão.

Entre os empreendedores, nenhum demonstrava elevada cultura nem conhecimentos intelectuais expressivos. A princípio, dá para afirmar que não é preciso ser o primeiro da classe nem ter elevados conhecimentos teóricos para ser bom empreendedor.

Entretanto, há certas capacidades que me parecem importantes para o êxito no mundo do empreendedorismo, das quais destaco quatro: as capacidades de ver, observar, entender e agir. Sherlock Holmes, o grande detetive imortalizado pelo médico e filósofo Conan Doyle, tinha algo a dizer a respeito.

“O mundo está cheio de coisas óbvias que jamais serão observadas”, dizia ele, referindo-se às pessoas que olham, mas não observam. O bom empreendedor precisa desenvolver a arte de observar. Sherlock acrescentava: “Meu método se baseia na observação e compreensão de detalhes triviais que escapam aos olhos do leigo”; essa era uma das justificativas para o sucesso de seu método dedutivo.

Aristóteles Onássis, meio atrasado na escola, tornou-se um dos homens mais ricos do mundo. Quando a segunda guerra estava matando e destruindo, ele passou a comprar navios velhos, a prazo, e vagarosamente começou a reformá-los. Perguntado por que fazia isso em meio a tanta tragédia, ele redarguiu: “Um dia, acabará a guerra ou acabará o mundo.

Se o mundo acabar, morrerão devedores e credores. Se a guerra acabar, meus navios serão necessários; e aí, eu ficarei rico”. Um jornalista entrevistava Onassis em seu iate e perguntou-lhe qual o segredo de seu sucesso. Ele olhou para o mar e disse: “Você está vendo aquele barquinho?”.

O jornalista contemplou o horizonte e, após minutos, respondeu: “Sim, agora estou vendo”. Onassis responde: “Pois é, eu vi antes”. Ali estava o homem considerado medíocre pelos professores. Ele não tinha inteligência acadêmica. Mas era um visionário. Ou seja, ele via, obervava, entendia.

Mas sua maior capacidade estava na ação. Esse é o ponto principal a capacidade de agir. Naquela reunião, propus que examinássemos a função dos quatro verbos (ver, observar, entender, agir) na trajetória de cada um dos empreendedores. Provoquei-os para que contassem o que fizeram em relação a esses verbos, e como eles – os verbos – tinham sido importantes em seu sucesso.

Ao fim, a conclusão foi que a marca maior dos empreendedores é a capacidade de agir. Pode-se transferir a conclusão para o sucesso de qualquer profissional. O grande Goethe dizia que “a ação é tudo, a glória é nada”. O empreendedor, assim como qualquer profissional de sucesso, é aquele que é capaz de agir e, mesmo diante da glória ou do infortúnio, não deixar de seguir agindo.

Quando Jesus quis curar Lázaro, a ordem foi: “Levanta-te e anda!”. O empreendedor é aquele que, mesmo diante dos percalços, tem a capacidade de levantar e andar. No futuro, estudos provarão o quanto a televisão, o computador e a internet estão prejudicando os jovens, que perdem horas demais parados e hipnotizados por essas engenhocas eletrônicas.

Eles não saem, não botam o pé na estrada, não conhecem pessoas. Ou seja, não agem o suficiente para o êxito; não levantam e não andam. Assim, é difícil ter sucesso. Há tempo, li em um disco de Maria Bethânia, a seguinte inscrição: “Jamais alcançará os astros quem vive de rastros, quem é poeira do chão”. É verdade pura.

* José Pio Martins, economista, é reitor da Universidade Positivo.



Liderança desengajada é obstáculo para uma gestão de mudanças eficaz

O mundo tem experimentado transformações como nunca antes, impulsionadas por inovações tecnológicas, crises econômicas e transições geracionais, dentre outros acontecimentos.

Autor: Francisco Loureiro


Neoindustrialização e a nova política industrial

Com uma indústria mais produtiva e competitiva, com equilíbrio fiscal, ganha o Brasil e a sociedade.

Autor: Gino Paulucci Jr.


O fim da ‘saidinha’, um avanço

O Senado Federal, finalmente, aprovou o projeto que acaba com a ‘saidinha’ (ou ‘saidão’) que vem colocando nas ruas milhares de detentos, em todo o país, durante os cinco principais feriados do ano.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Brasil e a quarta chance de deixar a população mais rica

O Brasil é perseguido por uma sina de jogar fora as oportunidades. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro. Um futuro que nunca alcançamos. Vamos relembrar as chances perdidas.

Autor: J.A. Puppio


Dia Bissexto

A cada quatro anos, a humanidade recebe um presente – um presente especial que não pode ser forjado, comprado, fabricado ou devolvido – o presente do tempo.

Autor: Júlia Roscoe


O casamento e a política relacional

Uma amiga querida vem relatando nas mesas de boteco a saga de seu filho, que vem tendo anos de relação estável com uma moça, um pouco mais velha, que tem uma espécie de agenda relacional bastante diferente do rapaz.

Autor: Marco Antonio Spinelli


O que esperar do mercado imobiliálio em 2024

Após uma forte queda em 2022, o mercado imobiliário brasileiro vem se recuperando e o ano de 2023 mostrou este avanço de forma consistente.

Autor: Claudia Frazão


Brasileiros unidos por um sentimento: a descrença nacional

Um sentimento – que já perdura algum tempo, a propósito - toma conta de muitos brasileiros: a descrença com o seu próprio país.

Autor: Samuel Hanan


Procurando o infinito

Vocês conhecem a história do dragãozinho que procurava sem parar o infinito? Não? Então vou te contar. Era uma vez….

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


A reforma tributária é mesmo Robin Hood?

O texto da reforma tributária aprovado no Congresso Nacional no fim de dezembro encerrou uma novela iniciada há mais de 40 anos.

Autor: Igor Montalvão


Administrar as cheias, obrigação de Governo

A revolução climática que vemos enfrentando é assustadora e mundial. Incêndios de grandes proporções, secas devastadoras, tempestades não vistas durante décadas e uma série de desarranjos que fazem a população sofrer.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Escravidão Voluntária

Nossa única revolução possível é a da Consciência. Comer com consciência. Respirar com consciência. Consumir com consciência.

Autor: Marco Antonio Spinelli