Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O poder do dom para as futuras gerações

O poder do dom para as futuras gerações

23/09/2014 Dominique Magalhães

A geração “nem-nem” - grupo de adolescentes que não estuda, não trabalha e não está à procura de emprego - está crescendo de forma preocupante no Brasil.

Dados divulgados recentemente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) baseados na Pnad 2012 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) apontam que o número de jovens entre 15 e 29 anos nesta situação chegou a 9,6 milhões no país no ano passado, isto é, uma em cada cinco pessoas da respectiva faixa etária.

Descobrir e incentivar o dom ainda na infância pode ser uma das saídas para o problema dessa geração. Possivelmente alguns destes jovens não tiveram a presença dos pais e a possibilidade de trocar esse olhar, não por desinteresse destes, mas por necessidades de trabalhar fora de casa, ou mesmo de quem os ajudasse a perceber seus gostos, seus talentos e suas habilidades, por mais simples que fossem. Educar e estimular a curiosidade nos pequenos ajuda na hora do desenvolvimento do dom.

Os responsáveis precisam incentivar suas crianças a conhecer diversas atividades e devem apoiá-los a explorar aquelas com as quais eles mais se identificam. Somos induzidos a ter dinheiro e sucesso através de uma ocupação, e muitas vezes abandonamos algo que temos de especial quando escolhemos nossos caminhos profissionais, sem levarmos em consideração a dádiva que recebemos ao nascer. Geralmente demonstramos nosso dom ainda muito cedo: por volta dos sete a oito anos ele se mostra nas brincadeiras prediletas da criança.

Os pais possuem maiores possibilidades de notar e incentivar as habilidades que os filhos têm. Conforme a criança desenvolve seu talento e conquista bons resultados, ela distingue seu verdadeiro potencial. Ajudar neste reconhecimento os encoraja a enfrentar as futuras dificuldades, a fazer boas escolhas e os motiva a encontrar sua felicidade.

O talento descoberto e valorizado transforma a pessoa certa, no lugar adequado e no momento perfeito. Em contrapartida, quando um dom é sufocado ou negligenciado e insistimos em atividades com quais não temos a menor sintonia, o resultado é frustrante e às vezes até traumatizante.

*Dominique Magalhães é autora do livro “O que falta para você ser feliz”, lançamento da Editora Gente, é empresária com atuação em desenvolvimento social e mentora do “Projeto Social Dom – Qual o seu Dom?”.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa