Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O poder e a autoridade

O poder e a autoridade

21/09/2015 Wagner Dias Ferreira

A leitura da Bíblia é um hábito que muitas pessoas pensam ser apenas para quem tem fé.

Mas muitas coisas escritas no Livro Sagrado dos cristãos podem ser extremamente elucidativas para situações da vida real, fornecendo ao estudioso ou mesmo ao leitor superficial elementos importantes para a observação da sociedade e sua interpretação.

Por exemplo: no fim do discurso chamado por muitos de Sermão da Montanha, há uma frase informando que os ouvintes daquelas palavras proclamam que o orador expressava autoridade. Mateus, capítulo 7, versículos 28 e 29: "aconteceu que ao terminar Jesus essas palavras as multidões ficaram extasiadas com o seu ensinamento, porque as ensinava com autoridade e não como os seus escribas" (Bíblia de Jerusalém, Ed. Paulus, 2002, 8ª Impressão 2012).

Vejam que está bem distinta a palavra autoridade. Bem separada do comportamento e das palavras dos escribas judeus da época, que reproduziam as palavras, mas não tinham autoridade. Quando analisamos as estruturas do Estado, vemos muito claramente que algumas são pura força. Nada de conteúdo.

Falta às estruturas de força do Estado a autoridade dada pelo sentido Bíblico. Falta o respeito de seus cidadãos e muitos fatores poderiam ser arguidos como fundamentos para o esvaziamento dos discursos modernos e da dificuldade para os cidadãos mostrarem respeito pelos entes estatais.

O advogado, que interage no exercício profissional a toda hora com as estruturas do Estado, percebe o Estado como principal protagonista do descumprimento das leis e da Constituição, violador de direitos e princípios humanos, que desmotiva o respeito.

Como exigir compreensão de um preso que vê seus benefícios se vencerem no curso do cumprimento da pena e serem concedidos depois de muito sacrifício por um juiz e simplesmente descumpridos pelo estabelecimento prisional? A demora em conceder o benefício pelo juiz, a burocratização cada vez maior e a negativa de cumprimento pelo estabelecimento prisional da ordem judicial faz com que o Estado entre em descrédito.

O Estado deve ser o primeiro a se apressar em cumprir as leis, a constituição e os princípios humanitários básicos. Não são raras, nos balcões de secretaria, as reclamações de profissionais do Direito sobre a dificuldade de ver as leis serem cumpridas. Mesmo sem tocar no assunto da morosidade constata-se muitas negativas.

Cessar o uso abusivo da força, prestar um serviço público de qualidade, com coragem para resolver as questões do povo é fator fundante do respeito e reconhecimento da autoridade do Estado. É fato que a sensação de ausência de segurança é marcante e crescente.

Mas o melhor funcionamento das instituições do Estado é que proporcionará maior respeito dos brasileiros para com o Estado, superando a sensação de ausência de segurança de forma que todos possam se reportar ao Estado Governo, Juiz e Legislador reconhecendo sua autoridade e não a sua força.

* Wagner Dias Ferreira é advogado e membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/MG.



Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan


Roubos de credenciais desviam 15 milhões da União

Nos últimos dias, a imprensa noticiou o desvio de valores do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), do Ministério da Fazenda.

Autor: Diego Muniz


Escola cívico-militar, civismo e organização…

São Paulo teve o desprazer de assistir um grupo de jovens que se dizem secundaristas invadir o plenário da Assembleia Legislativa e parar a sessão com o propósito de impedir a votação do projeto, de autoria do governador, que institui a escola cívico-militar.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves