Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O preço dos produtos

O preço dos produtos

02/04/2011 Arthur Rollo

Quem anda pelas ruas sabe que os lojistas, muitas vezes, não colocam preços nas vitrines, anunciam preços mencionando em destaque e em letras garrafais o valor da parcela e em letras miúdas o valor total, atribuem preços diferentes para um mesmo produto ou serviço, dependendo se o pagamento é em dinheiro ou no cartão, com nota ou sem nota. Todos esses procedimentos são contrários à lei e, alguns, até mesmo criminosos.

A emissão da nota fiscal é dever do fornecedor. Quem não emite comete o crime de sonegação fiscal. Sendo assim, nunca o consumidor poderá compactuar com a não emissão de nota porque estará, dessa forma, colaborando para o cometimento de um crime.

É dever do fornecedor informar os preços dos produtos ao consumidor e essa informação deve ser ostensiva e clara, ou seja, o preço deve ser visível e não pode confundir o consumidor. Exemplo clássico de confusão é a divulgação em letras maiores do valor da parcela, dando a impressão de que o preço do produto corresponde àquele montante. A confusão também pode ser ocasionada pela colocação do preço entre os itens, deixando o consumidor em dúvida sobre a qual dos produtos se refere. É comum, ainda, no comércio colocar um único preço em um manequim, não deixando claro ao consumidor se o valor corresponde a um ou vários itens.

O consumidor deve olhar a vitrine e, de pronto, já saber quanto custa o produto. Não pode ficar na dúvida. Se ficar é porque o lojista não agiu de acordo com a lei.

Pouca gente sabe mas a afixação de preços dos produtos e serviços é regulada pela Lei n° 10.962, de 11 de outubro de 2004, e pelo Decreto n° 5.903, de 20 de setembro de 2006, que a complementou.

O art. 3°, "caput" dessa lei obriga que o preço do produto ou serviço seja informado "discriminado-se o total à vista". O preço é sempre a vista e não se confunde com a forma de pagamento, que pode ser parcelada, em dinheiro, no cheque, no cartão, etc.. No caso de financiamento, de acordo com o parágrafo único do mesmo artigo, deverá ser informado também o valor a ser pago com financiamento, o número, periodicidade e valor das prestações, os juros e os eventuais acréscimos de encargos.

Já o ar. 4°, "caput" da lei determina que os preços dos produtos e serviços expostos à venda "devem ficar sempre visíveis aos consumidores". Quem não divulga preço viola a lei. Quem divulga em letras grandes o valor da parcela contraria a lei. Pode, então, alguém perguntar: se existe lei dizendo isso por que os fornecedores adotam comportamentos contrários e nada acontece? A resposta é simples: porque não existe fiscalização.

O Decreto mencionado também proíbe que os fornecedores atribuam preços diferentes para o mesmo item. Isso significa que nenhum produto ou serviço pode ter mais de um preço. Se pagar em dinheiro, no cartão e até mesmo de forma parcelada o preço deverá ser o mesmo. Somente se justifica a cobrança de preços distintos quando houver contrato de financiamento, uma vez que, nesse caso, os serviços da financeira deverão ter remuneração autônoma, justificando a elevação do preço do produto financiado.

Muito embora os lojistas abusem, deixando de colocar os preços dos produtos nas vitrines, colocando como se fosse o preço do produto o valor da parcela e praticando preços diferentes, de acordo com a forma de pagamento, existe lei proibindo todas essas práticas. Só falta fiscalização para que esses comportamentos sejam banidos do mercado.

* Arthur Rollo é advogado especialista em Direito do Consumidor.



Entre o barril de petróleo e o de pólvora

O mundo começou a semana preocupado com o Oriente Médio.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Nome comum pode ser bom, mas às vezes complica!

O nosso nome, primeira terceirização que fazemos na vida, é uma escolha que pode trazer as consequências mais diversas.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


A Cilada do Narcisista

Nelson Rodrigues descrevia em suas crônicas as pessoas enamoradas de si mesmas com o termo: “Ele está em furioso enamoramento de si mesmo”.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Brasil, amado pelo povo e dividido pelos governantes

As autoridades vivem bem protegidas, enquanto o restante da população sofre os efeitos da insegurança urbana.

Autor: Samuel Hanan


Custos da saúde aumentam e não existe uma perspectiva que possa diminuir

Recente levantamento realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indica que os brasileiros estão gastando menos com serviços de saúde privada, como consultas e planos de saúde, mas desembolsando mais com medicamentos.

Autor: Mara Machado


O Renascimento

Hoje completa 2 anos que venci uma cirurgia complexa e perigosa que me devolveu a vida quase plena. Este depoimento são lembranças que gostaria que ficasse registrado em agradecimento a Deus, a minha família e a vários amigos que ficaram ao meu lado.

Autor: Eduardo Carvalhaes Nobre


Argentina e Venezuela são alertas para países que ainda são ricos hoje

No meu novo livro How Nations Escape Poverty, mostro como as nações escapam da pobreza, mas também tenho alguns comentários sobre como países que antes eram muito ricos se tornaram pobres.

Autor: Rainer Zitelmann


Marcas de um passado ainda presente

Há quem diga que a infância é esquecida, que nada daquele nosso passado importa. Será mesmo?

Autor: Paula Toyneti Benalia


Quais são os problemas que o perfeccionismo causa?

No mundo complexo e exigente em que vivemos, é fácil se deparar com um padrão implacável de perfeição.

Autor: Thereza Cristina Moraes


De quem é a América?

Meu filho tinha oito anos de idade quando veio me perguntar: “papai, por que os americanos dizem que só eles vivem na América?”.

Autor: Leonardo de Moraes


Como lidar com a dura realidade

Se olharmos para os acontecimentos apresentados nos telejornais veremos imagens de ações terríveis praticadas por pessoas que jamais se poderia imaginar que fossem capazes de decair tanto.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


O aumento da corrupção no país: Brasil, que país é este?

Recentemente, a revista The Economist, talvez a mais importante publicação sobre a economia do mundo, mostrou, um retrato vergonhoso para o Brasil no que diz respeito ao aumento da corrupção no país, avaliação feita pela Transparência Internacional, que mede a corrupção em todos os países do mundo.

Autor: Ives Gandra da Silva Martins