Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O primeiro escrito do Cristianismo

O primeiro escrito do Cristianismo

11/09/2017 Osvaldo Luiz Silva

Setembro, mês da Bíblia e Carta aos Tessalonicenses o primeiro escrito do Cristianismo.

Desde 1971, a igreja no Brasil dedica o mês de setembro à Bíblia, para aprofundar a reflexão da Palavra de Deus a partir de um tema ou de um livro. Este mês foi escolhido por conta da memória de São Jerônimo (dia 30), grande divulgador da Bíblia e seu tradutor para o latim (Vulgata).

O tema escolhido para 2017 – “Para que n´Ele nossos povos tenham vida” – foi inspirado no título do Documento de Aparecida e o lema na Carta aos Tessalonicenses: “Anunciar o Evangelho e doar a própria vida” (1Ts 2,8).

Datada do ano 50 ou 51, a Carta aos Tessalonicenses é o primeiro escrito do Cristianismo, anterior até mesmo aos Atos dos Apóstolos e aos evangelhos. Ela também é de vanguarda ao utilizar pela primeira vez a palavra “evangelho” para se referir aos fatos relacionados a Jesus.

Antes, a palavra era utilizada para se referir a um presente ofertado a quem dava uma boa notícia ou a boa-nova de uma vitória militar. Nesta primeira carta, já temos, com destaque, as chamadas virtudes teologais: fé, caridade e esperança, com ligações muito concretas: às obras, aos sacrifícios e à firmeza (1Ts 1,3).

A compreensão sobre a Santíssima Trindade já é perceptível, sendo o nome de Deus citado 33 vezes, mesma quantidade de citação a Jesus. O Espírito Santo tem quatro alusões. Em Tessalonicenses, predomina a linguagem da tribulação e o estilo apocalíptico, falando da segunda vinda de Cristo (parusia).

Paulo chega a Tessalônica com Silvano (Silas), vindos de Filipos, onde tinham sido duramente açoitados – sem roupa e em público – e presos com os pés amarrados num tronco. Soltos, os missionários descem para a cidade litorânea dos tessalonicenses, uma grande cidade grega com um movimentado porto comercial.

Não é possível precisar o tempo que Paulo passa na cidade, mas nesse tempo, para não ser um peso nessa comunidade tão pobre, o apóstolo faz questão de viver de seu ofício: fabricante de tendas.

Essa atitude causa uma forte empatia e entrosamento com a comunidade e a consequente perseguição dos que estavam à frente da cidade, que seguindo a mentalidade greco-romana, viam no trabalho braçal algo indigno, próprio de escravos. O desejo dominante era pelo ócio, a negação ao trabalho.

Outro aspecto importante da cultura local, em forte conflito com a iniciante pregação cristã, era o desprezo para com o casamento, porque viviam a sexualidade desregrada, com prostituição e abusos. Os missionários passaram a incomodar tanto que foram entregues ao Senado da cidade, acusados de levar à população transtornos já vistos em outras localidades e de serem revolucionários, ao anunciar Jesus como rei em contraposição a César.

A perseguição foi tão séria que tiveram que fugir à noite para a cidade de Beréia, e depois para Atenas. No primeiro escrito do Novo Testamento, há um clima de liberdade e confiança, com muita sinceridade e transparência, espontaneidade e afeto: “Imaginai uma mãe acalentando os seus filhinhos, assim a nossa afeição por vós” (1Ts 2,7-8).

A palavra irmãos é empregada 19 vezes e a riqueza de temas é grande. Começa com a grande ação de graças e o apelo à perseverança e, num segundo momento, o chamado à santidade, à vivência no amor e à vigilância.

* Osvaldo Luiz Silva é jornalista, autor dos livros “Ternura de Deus” e “A vida é caminhar”, pela Editora Canção Nova, editor da Revista Canção Nova e Presidente da Academia Cachoeirense de Letras e Artes (ACLA), em Cachoeira Paulista (SP).



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.