Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O que podemos aprender com Tom Brady?

O que podemos aprender com Tom Brady?

27/03/2020 André Chehadi

Qual o principal atributo de um verdadeiro líder?

Muitos responderiam confiança, poder de decisão e até carisma. Eu responderia integridade. Você já viu algum indivíduo considerado “171” sem carisma ou poder de decisão?

Gostaria de trazer o caso de Thomas Edward Patrick Brady Jr, ou apenas Tom Brady, um jogador de futebol americano que atua como quarterback no New England Patriots, time da National Football League (NFL).

Se você não o conhece como jogador, talvez o conheça como marido da modelo brasileira Gisele Bündchen.

Todo atleta americano, seja do beisebol, futebol americano ou basquete, é escolhido por meio do draft, um processo de alocação de jogadores em times de uma liga esportiva profissional. Além dos Estados Unidos, o draft é comum principalmente em países como Canadá, Austrália e Japão.

De 200 escolhas possíveis, Tom Brady foi o 199º colocado do draft do ano 2000. Ou seja, foi o penúltimo e quase ficou de fora.

De desacreditado e com baixo potencial físico, Brady se tornou o líder de uma dinastia no New England Patriots e um dos melhores quarterbacks de todos os tempos. Esqueceram de medir esse cara por dentro, um verdadeiro líder, seguido por todos, pelo seu exemplo.

Vejam recordes e estatísticas de Tom Brady:

- jogador que mais vezes ganhou o Super Bowl (seis títulos pelo New England Patriots);

- jogador que mais vezes foi eleito MVP do Super Bowl (quatro vezes pelo New England Patriots);

- jogador com mais convites para o Pro Bowl (14 convites, ao lado de Tony Gonzalez, Peyton Manning, Bruce Matthews e Merlin Olsen); mais vitórias na temporada regular como quarterback titular (207);

- maior número de jardas ganhas em passes, na temporada regular e nos playoffs (81.693); mais passes para touchdowns, com playoffs incluídos (590); mais touchdowns com diferentes recebedores (71);

- maior quantidade de títulos de divisão vencidos (16); 40 partidas de playoffs como titular; 30 vitórias nos playoffs; 73 passes para touchdown nos playoffs; 18 passes para touchdown no Super Bowl; 2.838 jardas ganhas em passes no Super Bowl. Ele é o cara, não é?

Recentemente, ele assinou a extensão por mais 2 anos do seu contrato com o New England Patriots. Mas, se engana quem pensa que o novo vínculo colocou o jogador, considerado por muitos o maior da história da modalidade, no topo da lista de maiores salários do campeonato.

Se você estranhou o fato de Tom Brady estar longe do topo da lista de jogadores mais bem pagos da NFL, eu te explico.

Em toda a sua carreira, o quarterback priorizou contratos com o New England Patriots que deixassem a franquia distante de estourar o teto salarial permitido pela liga.

Qual era o objetivo? Deixar seu time mais competitivo. Os contratos de Tom Brady são baseados em bônus por produtividade e desempenho, em valores que ficam fora do teto salarial.

Assim, os Patriots têm a possibilidade de pagar melhores salários para os companheiros do quarterback, formando um time mais forte.

Hoje, o time dele, o New England Patriots, vale aproximadamente 4.1 bilhões de dólares. Para mim, tudo isso é integridade.

* André Chehadi é Compliance Officer da Tecnobank.

Fonte: Central Press



Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.


Liderança: Arte e Ciência

O que faz uma pessoa aceitar e reconhecer a liderança de outra?


Reflexões éticas em tempos de Coronavírus

Atualmente, vivemos num cenário de turbulências e preocupações com os impactos sociais e econômicos atuais que virão em decorrência da pandemia do vírus Covid-19.


O direito de ser pedra e o direito de ser vidraça em tempos de pandemia

O pior nessa história toda, desse período de pandemia da Covid-19, tem sido a guerra violenta de versões apresentadas sobre o problema.


O oxigênio da vida

Eles moravam em um dos bairros mais violentos de São Paulo. Estavam perto dos 20 anos. Eram três amigos de infância.