Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O que será que vai dar em 2018

O que será que vai dar em 2018

28/09/2017 J. A. Puppio

O que podemos acreditar que vai estar em jogo em 2018?

O ano de 2018 se aproxima e a cada dia que passa as eleições para presidência, governos estaduais, deputados federais e estaduais e senadores também ficam mais presentes. No meio da população, poucos ainda têm dúvidas de que nossos políticos, acostumados com a “boquinha” em estatais já falidas, estão querendo que tudo continue como acontece atualmente.

Vemos, quase que diariamente, declarações dos políticos antigos, geralmente envolvidos em escândalos de corrupções e propinodutos, querendo limpar praticas inaceitáveis dentro da Ética Política Mundial.

E esses políticos, experientes em corrupções, sempre vão além da disputa eleitoral. Sendo assim o que podemos acreditar que vai estar em jogo em 2018? São, basicamente duas correntes: 1- A política de sempre contaminada por relações espúrias entre governo, sindicatos e burocracia; 2- A política voltada para a cidadania, sem corrupções, sem clientelismo e com resultados positivos na administração pública.

Na primeira opção temos o lado conservador, onde estão quase todos os políticos, independente da colocação “ideológica”, pois mesmo com discursos diferentes são todos iguais na pratica do “mal feito”. Já o “novo” ainda não apareceu!

O político de hoje adora uma “vantagem indevida” nas estatais e uma verba pública onde todos nós pagamos pela mordomia deles. A realidade nua e crua é que no Brasil é difícil produzir e realizar o “NOVO”, quem chega com boas ideias e que tem vontade de realmente trabalhar, geralmente é engolido pelo sistema que transformou o errado em habitual.

A população aguarda ansiosa por uma nova política que possa apresentar esperanças e construir um futuro digno para o Brasil. Isso, no entanto parece bem difícil em um país onde para tudo se dá um "jeitinho" e as coisas vão passando, mesmo diante de enormes investigações. Investigações essas, que às vezes dão a impressão de não investigarem todo mundo, mas isso já é outro assunto.

Por fim, temos que falar sobre a mídia, não adianta a imprensa tentar criar uma “Primavera Árabe” onde nada acontece. Eles até tentam fazer seu papel de informar sobre o que está acontecendo, mas é claro o quanto certos lados são mais falados que outros e a “primavera árabe” torna-se um inverno frio e sombrio, sem voz e sem efetividade, onde quem sai perdendo é sempre o Brasil. E enquanto isso continuamos a ser um país de muitas iniciativas e poucas “acabativas”.

* J.A.Puppio é empresário e autor do livro “Impossível é o que não se tentou”.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.