Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O rádio, a TV e a “live”

O rádio, a TV e a “live”

06/08/2020 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Os brasileiros de média (ou avançada) idade, viveram no tempo em que o rádio era o todo poderoso meio de comunicação.

Cantores, comediantes e outros artistas compareciam aos programas de auditório, participavam de concursos e os vencedores eram contratados para integrar o "cast" das emissoras. Maior ou menor, cada estação de rádio possuía a sua equipe.

Quando caiam no gosto dos ouvintes, essas estrelas recebiam convites para gravar discos e saiam país afora se apresentando em shows próprios, caravanas patrocinadas por grandes empresas, auditórios, teatros, cinemas e ate em circos.

Com isso, tornavam-se conhecidos e seus discos vendiam mais que pão quente. Assim se construía o sucesso.

A ascensão da TV provocou o fim dos auditórios e das equipes de artistas do rádio, que passou a priorizar a notícia e a prestação de serviços, ficando a música restrita ao material das gravadoras.

Agora, com a disponibilidade dos canais de internet e sua presença nos computadores, smartphones e smart tvs, os cantores, músicos e comediantes encontram na "live" (transmissão ao vivo) o novo mercado para suas obras.

Levantamento do Google, dono da plataforma Youtube, revela que 85 milhões de brasileiros já assistiram suas lives durante os meses de confinamento pela pandemia do novo coronavirus.

Isso equivale a uma audiência de 71% da população digital do país, estimada em 120 milhões de pessoas.

Presentes no Youtube desde 2011, as lives serviram durante anos para a difusão de esportes, games e negócios.

Mais recentemente foram descobertas pelos políticos, destacando-se entre eles o presidente Jair Bolsonaro, que as utilizou na campanha e hoje usa o canal para falar à população diretamente e sem interferências.

A chegada dos cantores ocorreu quando o isolamento social imposto pela emergência sanitária cancelou suas apresentações e, como alternativa, eles migraram para a internet.

Atrás vieram os clubes de futebol que buscam se libertar do controle e dos interesses da televisão e já começaram a disponibilizar seus jogos através das lives.

Tão novo, o formato já sofre adaptações e aperfeiçoamentos, parecendo ter chegado para ficar. A ele também se integra a educação à distância e fatalmente virão outros setores carecentes de comunicação.

Tende a consolidar-se como inovação de magnitude similar à que tiveram o rádio nos anos 20, 30 e 40 e a TV na segunda metade do século passado.

Mesmo quando perderem o caráter de novidade ainda presente, permanecerão como uma nova alternativa de se chegar ao grande público. É o mundo dando seus passos. Difícil imaginar qual será o próximo…

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Fonte: Dirceu Cardoso Gonçalves



Adolescentes, autoestima, família: como agir, o que pensar?

A adolescência é um tempo intenso, tanto pelo desenvolvimento físico, quanto neurológico, hormonal, social, afetivo e profissional.


Digital: um tema para o amanhã que se tornou uma demanda para ontem

Durante muito tempo, a Transformação Digital foi considerada uma prioridade para o futuro dos negócios.


Compliance como aliado na estratégia ESG das organizações

A temática que atende aos princípios ambientais, sociais e de governança, ou seja, o ESG (Environmental, Social and Governance), está em forte evidência.


A humanização da tecnologia no secretariado remoto

A tecnologia deu vida a inúmeras oportunidades de negócios, como o trabalho à distância.


Bolsa vs Startups. Porque não os dois?

Vivemos um momento de grandes inovações e com os investimentos não é diferente.


Os pecados capitais da liderança

“Manda quem pode, obedece quem tem juízo.”


“Pensar Global, Agir local”: O poder do consumo consciente

A expressão “Pensar Global e Agir local” já é lema em muitas esferas de discussões políticas, econômicas, sobre sustentabilidade e solidariedade.


Vencido o primeiro desafio da LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) regulamenta o tratamento de dados de pessoas físicas nas suas mais variadas aplicações e ambientes.


Telemedicina, fortalecimento do SUS e um primeiro balanço da pandemia

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, alertou Camões. Todo o mundo é feito de mudanças.


Médico: uma profissão de risco

Estudar medicina é o sonho de muito estudantes, desde o cursinho o futuro médico se dedica a estudar para conseguir entrar no super concorrido curso de medicina.


Como a quarentena provocou o êxodo urbano para cidades que oferecem mais qualidade de vida

A pandemia e as medidas de isolamento social fizeram com que as pessoas precisassem adaptar a rotina de trabalho, estudos, lazer e até de saúde, trazendo estas atividades para dentro de casa.


A era do fogo chegou

Pantanal, um dos biomas com maior biodiversidade do mundo, já teve 16% de todo território queimando.