Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O recado das ruas

O recado das ruas

24/08/2015

O povo, mais uma vez, foi às ruas em protesto. Embora não tenha sido a manifestação mais numerosa, parece ter sido a de maior foco.

Pede-se claramente o afastamento da presidente Dilma Roussef e do PT e desclassifica o ex-presidente Lula, tido até recentemente como o coringa do partido.

É importante que as forças hoje capazes de influir no futuro do país prestem bem atenção naquilo que dizem as ruas e invistam seu empenho naquilo que a população deseja e, principalmente, nas coisas que possam tirar o Brasil da crise econômica e da recessão.

É preciso, nesse momento crítico da nacionalidade, muito discenimento para poder colocar o país acima de partido, de ideologia e até de preferência pessoal ou de grupos.

Os pilares da sociedade ainda não contaminados pelo crise têm a importante tarefa de garantir a regularidade das instituições e,com isso, devolver à população o horizonte perdido.

Aqueles que delinqüiram, não importa a posição que ocupem ou ocuparam, têm de ser tratados como delinqüentes e sofrerem as consequências do comportamento inadequado que tiveram (nem mais nem menos).

Há que se prevalecer mais do que nunca o princípio constitucional de que todos são iguais perante as leis. O Ministério Público, os Tribunais, a Polícia Federal e todos os que têm o dever de investigar, denunciar e punir, não podem ser tolhidos e nem esmorecer, pois deles depende o futuro desse país.

O parlamento tem como obrigação maior, apurar as responsabilidades, expurgar o próprio meio quando isso for necessário e, como representante do povo, buscar a governabilidade nacional.

Afastar ou não afastar a presidente, banir partidos ou outras medidas drásticas devem ser consequências de rigorosas apurações, jamais fruto de conveniências, acordos ou conchavos.

O Brasil espera por providências que devolvam a regularidade ao seu dia-a-dia. O empresariado, peça imprescindível em nosso cenário, precisa confiar nas instituições para voltar a investir.

A economia tem de marchar para terreno firme. O governo precisa voltar a governar, cuidando da inflação, tocando obras de infraestrutura e fazendo sua parte no desenvolvimento.

O povo não pode continuar, indefinidamente, com a crise ameaçando cortar seus empregos, seus negócios e seu bem-estar. Precisamos de soluções, urgentes...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves - dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).



A tragédia já foi. E agora?

Impossível não se sensibilizar e chocar com a situação do Rio Grande do Sul, atingido por chuvas sem precedentes que causaram inundações em grande parte do estado, da capital ao interior.

Autor: Janguiê Diniz


O preconceito que condena

O programa Fantástico da Rede Globo trouxe mais uma história de injustiça cometida pelo Poder Judiciário brasileiro contra um jovem preto e periférico.

Autor: Marcelo Aith


O risco de politização da tragédia no RS

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Autor: Wilson Pedroso


Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O final de Abril e o começo de Maio foram marcados pelo pior desastre ecológico da história do Rio Grande do Sul, com inundações, mortes e milhares de desabrigados e de pessoas ilhadas.

Autor: Marco Antonio Spinelli

Cavalo Caramelo e quando a água baixar

O fim da reeleição de governantes

Está tramitando pelo Congresso Nacional mais um projeto que revoga a reeleição de Presidente da República, Governador de Estado e Prefeito Municipal.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


PEC das drogas

O que esperar com a sua aprovação?

Autor: Marcelo Aith


PEC do Quinquênio simboliza a metástase dos privilégios no Brasil

Aprovar a PEC significará premiar, sem justificativa plausível, uma determinada categoria.

Autor: Samuel Hanan


O jovem e o voto

Encerrou-se no dia 8 de maio o prazo para que jovens de 16 e 17 anos pudessem se habilitar como eleitores para as eleições municipais deste ano.

Autor: Daniel Medeiros


Um mundo fragmentado

Em fevereiro deste ano completaram-se dois anos desde a invasão russa à Ucrânia.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Leitores em extinção

Ontem, finalmente, tive um dia inteiro de atendimento on-line, na minha casa.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Solidariedade: a Luz de uma tragédia

Todos nós, ou melhor dizendo, a grande maioria de nós, está muito sensibilizado com o que está sendo vivido pela população do Rio Grande do Sul.

Autor: Renata Nascimento


Os fios da liberdade e o resistir da vida

A inferioridade do racismo é observada até nos comentários sobre os cabelos.

Autor: Livia Marques