Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O risco de politização da tragédia no RS

O risco de politização da tragédia no RS

23/05/2024 Wilson Pedroso

O Brasil todo tem assistido, consternado, ao desastre ambiental que se abateu sobre o Rio Grande do Sul nos últimos dias.

Porém, mesmo com a tragédia ainda em curso, pessoas desabrigadas, famílias enlutadas e o clima de enorme comoção no país, partidos e lideranças políticas começam a falar sobre eleições municipais, com a defesa de que haja o adiamento da campanha no estado. Esse movimento, a meu ver, é precipitado e, especialmente, inadequado. 

Não é hora para se debater política. Diante de uma situação tão atípica e de calamidade, esse não é um bom período para se falar em eleições.

O momento é de apoio aos municípios atingidos pelos alagamentos e, principalmente, aos gaúchos que perderam entes queridos, casas, meios de renda e referências importantes para suas vidas. Mas o fato é que a realização, ou não, da campanha eleitoral no Rio Grande do Sul está em pauta.

Os principais argumentos para o adiamento da votação são a destruição dos locais que abrigavam as sessões eleitorais e a possibilidade de alto índice de abstenção dos eleitores.

Mas, afinal, a quem interessa essa eventual prorrogação? Ela beneficia a população gaúcha de que forma? Minha opinião é de que o eleitor, já tão castigado pelos temporais e alagamentos, deve ter o direito ao voto assegurado. E, ao que me parece, é exatamente essa a linha de pensamento dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral.

Embora tenham sido ventiladas notícias de que o TSE estaria cogitando adiar as eleições no Rio Grande do Sul, a informação não foi confirmada.

Ou seja, oficialmente, o Tribunal não discute essa ideia. Pelo contrário, tem dado acenos no sentido de que as eleições serão mantidas. 

O primeiro deles ocorreu quando o presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes, autorizou a prorrogação, por 15 dias, do prazo final para o fechamento do cadastro eleitoral em todo o estado do Rio Grande do Sul.

Esse é um gesto claro de que a Justiça Eleitoral quer dar aos cidadãos a chance de regularização da situação cadastral, para que possam exercer o direito ao voto em outubro. 

O segundo sinal, de que o adiamento do pleito não vem sendo cogitado pelo TSE, foi o anúncio, também feito por Moraes, de que todas as urnas eletrônicas danificadas pelos alagamentos serão substituídas.

Isso nos indica que o Tribunal está agindo para garantir a realização das eleições, caso existam condições de infraestrutura nas cidades.

Se elas serão efetivamente realizadas, já é outra questão. Porém, essa resposta não existe pelo simples fato de que ainda não é possível mensurar exatamente quais serão os impactos do desastre na vida das pessoas e no cotidiano das cidades até outubro.

É preciso aguardar o fim do período crítico para que possamos fazer qualquer tipo de avaliação. Até que isso ocorra, partidos e candidatos devem usar do bom sendo para que as discussões sobre eleições permaneçam suspensas.

O uso político da tragédia tira o foco do apoio aos municípios e coloca em risco o bem estar da população.

* Wilson Pedroso é consultor eleitoral e analista político com MBA nas áreas de Gestão e Marketing.

Para mais informações sobre política clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X (antigo Twitter)

Fonte: Júlia Guimarães



Proliferação de municípios, caminho tortuoso

Este é um ano de eleições municipais no Brasil. Serão eleitos 5.570 prefeitos, igual número de vice-prefeitos e milhares de vereadores.

Autor: Samuel Hanan


“Vaquinha virtual” nas eleições de 2024

A campanha para as eleições municipais de 2024 ainda não foi iniciada de fato, mas o financiamento coletivo já está autorizado.

Autor: Wilson Pedroso


Cotas na residência médica: igualdade x equidade

Um grande amigo médico, respeitado, professor, preceptor de Residentes Médicos (com letras maiúsculas), indignado com uma reportagem publicada, em periódico do jornal Estado de São Paulo, no dia 05 do corrente mês, enviou-me uma cópia, requestando que, após a leitura, tecesse os comentários opinativos.

Autor: Bady Curi Neto


O impacto das enchentes no RS para a balança comercial brasileira

Nas últimas semanas, o Brasil tem acompanhado com apreensão os estragos causados pelas enchentes no Rio Grande do Sul.

Autor: André Barros


A força do voluntariado nas eleições

As eleições de 2022 contaram com mais de 1,8 milhão de mesários e mesárias, que trabalharam nos municípios de todo o país. Desse total, 893 mil foram voluntários.

Autor: Wilson Pedroso


A força da colaboração municipal

Quando voltamos nossos olhares para os municípios brasileiros espalhados pelo país, notamos que as paisagens e as culturas são diversas, assim como as capacidades e a forma de funcionamento das redes de ensino, especialmente aquelas de pequeno e médio porte.

Autor: Maíra Weber


As transformações universais que afetam a paz

Recentemente a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) aprovou projeto proposto pelo governo estadual paulista para a criação de escola cívico-militar.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


Por um governo a favor do Brasil

A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos estados, dos municípios e do Distrito Federal, constitui-se em estado democrático de direito e tem como fundamentos a soberania, a cidadania, a dignidade da pessoa humana, os valores sociais do trabalho, da livre iniciativa e do pluralismo político.

Autor: Samuel Hanan


Coração de Stalker

Stalking vem do Inglês e significa Perseguição. Uma perseguição obsessiva, implacável, com envolvimento amoroso e uma tentativa perversa de controle.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Na crise, informação

“Na gestão da crise, é muito importante a informação.” Com esta sentença afirmativa, o governador do Rio Grande do Sul abriu sua participação no Roda Viva, da TV Cultura.

Autor: Glenda Cury


Hiperconectividade: desafio ou poder da geração Alpha?

Qual adulto diante de um enigma tecnológico não recorreu ao jovem mais próximo? Afinal, “eles já nasceram com o celular!”.

Autor: Jacqueline Vargas


Governar não é negar direitos para distribuir favores

Ao se referir a governos, o economista e escritor norte-americano Harry Browne (1917/1986) disse que o governo é bom em uma coisa.

Autor: Samuel Hanan