Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O sabichão…

O sabichão…

21/05/2019 Humberto Pinho da Silva

Conheço meu amigo João, desde o dia em que fomos para o Quartel de Campo Grande, em Lisboa.

Era um jovem do Alto Minho, que trabalhara duramente, para conseguir o almejado quinto ano. Começara a mourejar na lavoura. Depois, veio para o Porto, como marçano. Fazia recados e entregas.

Paralelamente, estudava à noite. Com esforço e força de vontade, concluiu o Curso Geral do Liceu. Com o certificado na mão, concorreu para lugar público e como era: ambicioso, esperto e inteligente, foi subindo, até obter o pomposo cargo de: Chefe.

Sua cultura nunca passara dos elementares conhecimentos das disciplinas básicas do liceu, e da leitura de jornais e “Selecções de Reader’s Digest”, que comprava num alfarrabista, da Praça de Monpilher.

Após a reforma, reformou-se, igualmente, da leitura: jamais leu, fosse o que fosse…nem a Bíblia, apesar de ser católico praticante…

Quase, semanalmente, o encontro, e raro é, que não vamos almoçar juntos, num pacato restaurantezinho da baixa. Sua presença é-me agradável, apesar do ar doutoral. Convenceu-se – ou quer-me convencer, – que tudo sabe; tal qual como alguns políticos, da nossa praça.

Se comento artigo, que li, logo replica: - “Não é bem assim! …”

De indicador em riste, inicia prelecção, com autoridade de professor, declarando: que me encontro redondamente enganado.

O espírito de sabichão, incomoda-me. Cheguei a esquivar-me. Descobri, anos há, que para perfilhar a minha opinião, bastava dizer-lhe o contrário do que penso…

Dia destes, fiquei banzado: não havia corrido muitas semanas que abordamos Camilo e a infeliz Ana Plácido. Atalhou, para me dizer, que estava equivocado; e desbobinou, arenga, que só por educação, aceitei.

Ora, no último encontro, veio, novamente à baila, Camilo e seus amores. Fiquei estupefacto, quando escutei, tintim por tintim, o que lhe tinha dito, e que reputara de confusão minha…

Como o João, há muitos, que pretendem parecer de intelectuais. Asseveram, a pés juntos, o que não sabem. Acontece em todas as áreas; desde literatura ao futebol.

Ao comentar a ocorrência, o Silvério – com a experiência de muito ter vivido, - acrescentou:

– Não é de admirar: outrora havia “espertos” para cada assunto. Agora, os comentaristas, da TV, criticam: tanto, Literatura como Musica; tanto entendem Futebol como Economia! São enciclopedistas…

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



O que será o Novo Normal?

Tem gente louca para voltar. E outros em pânico só de pensar em retornar.


A linha nada tênue entre liberdade de expressão e fake news

No longínquo 2008, quando, em meio a um enorme debate sobre a obrigatoriedade ou não de se ter um diploma para o exercício da prática jornalística, comecei a minha graduação, não existia o termo ‘fake news’, tão popularizado atualmente no Brasil e no mundo.


Não se educa calando

Estudei no colégio militar de Fortaleza, entre 1975 e 1981. Antes, fiz o Fundamental I na escola municipal Jenny Gomes, no bairro Aerolândia.


Pai todos os dias

Mais um Dia dos Pais se aproximando e isso deixa mais vivo na memória que minha filharada está tão longe, que a casa está vazia e isso dá uma saudade danada.


Santo Antônio, um rio santo!

A história de Minas começou junto a seus rios. A maioria das cidades nasceram das suas nascentes e se tornaram realidade em suas margens.


Arranhões ao equilíbrio institucional

O vice-presidente, Hamilton Mourão, afirma que o Judiciário tem sido usado como linha auxiliar dos partidos que perderam as eleições ou não conseguem vencer as votações no Congresso.


Os três “Fs” de D. Pedro e de Salazar

Dizem que D. Pedro do Brasil, quando invadiu Portugal, desembarcou em Mindelo, e sentiu fome.


Chave interdisciplinar: escola conteudista ou de competências

A educação em tempos de Covid-19 provocou reflexões em pais e professores sobre que escola de fato precisamos e queremos para formação das novas gerações.


Bater nas crianças: um projeto político

“Há muitos anos, percebi de repente que o país a que pertencemos não é, como quer a retórica mais corrente, o país que amamos, e sim aquele do qual nos envergonhamos.”(Carlo Ginzburg)


Estamos sendo justos com a publicidade?

Talvez você não goste do que vai ler aqui. Na verdade, talvez nem eu goste, mas aprendi que o primeiro passo para resolver um problema é admitir que você tem um.


O “AutoconheCINEMA” online como escapatória para o confinamento

A quarentena imposta pela pandemia forçou diferentes grupos sociais a reinventarem suas atividades de lazer.


Efeito Dunning-Kruger: por que tolos se acham gênios?

Você já se deparou com um péssimo profissional que se acha o máximo? E com um artista amador que se julga um talentoso incompreendido?