Portal O Debate
Grupo WhatsApp

O self-service de Business Intelligence

O self-service de Business Intelligence

19/02/2013 Patricia Sodré e Paulo Miranda Porto Filho

Você já ouviu falar em BI pessoal ou BI self-service? Trata-se de uma nova tendência no mercado de plataformas de BI que tem como objetivo aproximar a análise de dados do dia a dia dos executivos, sem a necessidade de comprometer muito tempo e muitos profissionais das áreas de TI.

A ideia principal desse novo enfoque é fornecer aos usuários ferramentas que sejam de fácil instalação e configuração, fáceis de aprender e simples de usar. Em termos de capacidade, essas soluções devem fornecer funcionalidades de geração de relatórios, criação de gráficos, correlações entre informações provenientes de fontes diferentes, análise de cenários, entre outras.

Uma das principais motivações para a criação desse novo enfoque é diminuir a constante necessidade de consumir recursos (tempo e pessoas) do time de TI todas as vezes que os usuários de negócio precisam fazer alterações em seus ambientes de BI para suportar novas necessidades do mercado.

Os requisitos de BI mudam mais rápido do que um modelo de suporte de TI centralizada pode sustentar. Mesmo com aplicações e projetos seguindo as melhores práticas de desenvolvimento em BI, as empresas ainda lutam para transformar aplicações de BI rápidas o suficiente para atender requisitos de negócios em constante mutação.

Em algumas semanas, o mundo pode mudar completamente devido a uma súbita fusão e/aquisição, uma nova ameaça competitiva, uma nova estrutura de gestão ou novos requisitos de compliance e de órgãos reguladores. Na maioria das vezes em que as áreas usuárias solicitam para a TI alguma alteração no ambiente de BI o prazo de entrega esperado é bem menor do que o tempo hábil que a área de TI necessita para implementar a mudança.

Ao adotar uma solução de BI self-service, é possível realizar por conta própria boa parte das mudanças, tais como criação de novos relatórios, painéis de gráficos, análise de cenários etc. Com essa maior independência, o time de TI fica com mais tempo disponível para atuar na implementação de mudanças mais críticas e complexas, melhorando assim o prazo de entrega dessas alterações. A implementação do BI self-service resulta, ainda, na redução de tempo no estabelecimento de requisitos e parâmetros para geração de relatórios e análises, que muitas vezes não são compreendidos pelas áreas de TI.

Dessa forma, a adoção de uma plataforma de BI self-service, tende a trazer benefícios não só para as áreas de negócio, mas também para as equipes de TI, que passarão a atender melhor seus clientes internos. Outra vantagem da plataforma é a facilidade da manipulação de dados off-line (fora de suas redes corporativas e até mesmo fora da internet).

O intuito é facilitar análises Ad-hoc (consultas rápidas com uma finalidade específica) utilizando visões materializadas (pré-armazenadas em seus próprios dispositivos) e com o poder de cruzar esses dados com planilhas externa, além de possibilitar consultas de dados sem a necessidade de qualquer meio de conexão.

As plataformas de BI self-service são mais leves, flexíveis e de fácil aprendizado, o que reduz drasticamente o custo e o tempo de implantação de projetos de BI. A consistência e a qualidade dos dados provenientes de projetos desse porte são notavelmente superiores, tendo em vista que o desenvolvimento da camada de apresentação está nas mãos de seus próprios consumidores.

Um desafio para desmitificar o BI é aplicação adequada das regras de segurança da informação e portabilidade dos dados, uma vez quebrada essa barreira, essa plataforma só tem a crescer juntamente com as empresas que a adotarem.

*Patricia Sodré é gerente de produtos na eWave do Brasil, especialista em gestão de projetos de Business Intelligence e professora do SENAI e da FIT - Faculdade Impacta de Tecnologia.

*Paulo Miranda Porto Filho é diretor de marketing e alianças na eWave do Brasil.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.