Portal O Debate
Grupo WhatsApp


O trabalho com bonecos no ambiente hospitalar

O trabalho com bonecos no ambiente hospitalar

03/03/2011 Kelly Jardim

Bonecos no hospital: ponte saudável entre o estresse e o poder aliviador do lúdico.

O ambiente hospitalar, pela seriedade do trabalho que realiza e por lidar com a doença e a morte muitas vezes é carregado de tensão e pressão, o que geralmente gera estresse para os profissionais da saúde, pacientes e acompanhantes que o frequentam. Assim, muitas são as ações desenvolvidas dentro deste cenário para, a partir do trabalho de humanização por meio da arte e cultura, contribuir com a melhora da qualidade destes ambientes.

Entre eles, destaco um dos métodos de ação e interação que é a manipulação de boneco. O brinquedo, de quase todas as pessoas em sua infância, meninas e também meninos - que brincam com seus cowboys, astronautas e xerifes - feitos muitas vezes de sabugo de milho, de pano, de pau e do material que a criatividade conceber, carrega em si uma capacidade lúdica maravilhosa.

Os bonecos conectam pacientes, acompanhantes e profissionais da saúde com as suas memórias de infância. Conectam com um outro tempo e com uma outra realidade, além da doença, dos problemas e da dor. Como diz a canção popular: “além do horizonte existe um lugar, alegre e contente, pra gente se amar”.

Os bonecos transportam para estes “outros lugares” além do horizonte da doença, trazendo à memória o que é saudável. Conectam com a lembrança de outros capítulos vividos com a recordação de quando se era herói.

Para a criança o tempo é uma eternidade. Quando criança somos donos do tempo, portadores das infinitas possibilidades de vida. Cheios de expectativas, de aventuras por viver, de projetos para realizar. Quando somos crianças todos os sonhos estão ali, palpitantes em nossa imaginação, esperando para serem vividos.

Os bonecos, seres inanimados por princípio, ao serem manipulados, adquirem “vida própria” e transformam o momento em magia, o que muitas vezes nos faz sair da realidade por meio do seu grande poder lúdico, além de nos remeter a infância. O boneco pode expressar outras dimensões, extrapolando a realidade: voar contrariando as leis da física ou assumir posturas mais extravagantes. Mas eles não perdem o caráter de familiaridade. Isto é, nos identificamos com eles.

O teatro de bonecos é, por excelência, simbólico. A manipulação dá ao boneco propriedades que ele não possui. Ele passa a representar algo por meio da manipulação e dos movimentos, que representam a vida ativa.

Mas por que utilizar o símbolo? Por que representar simbolicamente? Pelo simples fato de que o símbolo é capaz de expressar grandezas que não podem ser expressas de outra forma.

É pelo seu poder de representar o simbólico que o boneco torna possível expressar outros tempos vividos, outras dimensões, inclusive o poder de criação dentro do ambiente hospitalar, extrapolando a realidade e transportando os pacientes, acompanhantes e a profissionais da saúde para uma espécie de tempo mágico.

E neste momento agora transformado, é possível de novo brincar, sonhar. Guimarães Rosa dizia que “recordar-se é retornar-se”, o prefixo re significa novo, então retornar-se é tornar se de novo livre, de quaisquer preocupações, angústias, estresses e dor.

Este método, por seu grande poder simbólico e potencial criativo, melhora a qualidade do ambiente e das relações entre os presentes oferecendo por um momento uma outra realidade. Torna-se, assim, uma espécie de ponte saudável entre o estresse do cotidiano hospitalar e o poder aliviador do lúdico.

* Kelly Jardim é arte-educadora e contadora de história da Associação Arte Despertar, associação que desde 1997 adota a arte, a educação e a cultura como pilares para as suas ações de humanização com foco em saúde.

Fonte: Oficina da Comunicação

Oficina no Twitter



Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.